Crise na China

Comércio exterior chinês cai pela primeira vez desde a crise financeira

Chineses registram baixa do volume de exportações de 1,8% em 2015

Três trabalhadores diante de vários contêineres no porto de Qingdao, leste da China.
Três trabalhadores diante de vários contêineres no porto de Qingdao, leste da China. (AP)

MAIS INFORMAÇÕES

Embora o objetivo das autoridades chinesas fosse conseguir um incremento de até 6%, o balanço final não surpreendeu os analistas porque durante todo o ano passado o setor externo mostrou sinais de fraqueza. “As condições são graves e continuam existindo vários obstáculos e desafios para o crescimento do comércio”, afirmou em uma coletiva de imprensa o porta-voz do órgão, Huang Songping, que se mostrou “pouco otimista” para 2016. As autoridades chinesas estão envolvidas em pleno processo de mudança de modelo econômico, de um baseado nas vendas externas e investimento a outro muito mais dependente do consumo interno.

Além da queda do preço das matérias-primas, o volume de compras no exterior por parte do gigante asiático foi afetado pela progressiva desaceleração de sua economia, que cresceu 6,9% nos nove primeiros meses de 2015. As exportações refletiram a fraca demanda mundial e a perda de competitividade do país em relação a muitos de seus concorrentes, cujas moedas se depreciaram significativamente em relação ao yuan durante 2015. O superávit comercial aumentou até 56,7%, não em decorrência do aumento das vendas, mas pelo fato de que o valor das importações diminuiu muito mais que o das exportações.

O forte setor externo chinês tem sido um dos principais pilares do milagre econômico do país desde que ingressou em 2001 na Organização Mundial do Comércio e lhe permitiu acumular uma quantidade muito grande de reservas de divisas. Mas os alicerces desse modelo oscilaram com o aumento dos salários e condições demográficas que já estabeleceram uma data-limite na até agora inesgotável força laboral. Diante desse panorama, a China pretende reduzir o peso das exportações de produtos manufaturados e incrementar as de elevado valor agregado, algo que, segundo as autoridades, já está começando a ocorrer.

Mudança de tendência em dezembro

Apesar dos dados anuais ruins, os analistas viram com certa esperança o fato de que em dezembro as exportações cresceram, contra todas as previsões, 2,3% no acumulado de um ano depois de cinco meses consecutivos de quedas. No entanto, a coincidência da alta das vendas externas com a forte depreciação do yuan — em dezembro se registrou a maior em mais de uma década — despertou os temores de muitas empresas de análises, que temem que o Governo chinês busque mais desvalorizações competitivas, que poderiam desencadear um dos cenários mais temidos para muitos: uma guerra de moedas.

Ao lhe perguntarem se a recente depreciação do yuan frente ao dólar norte-americano poderia conduzir a um aumento das vendas ao exterior durante este ano, Huang afirmou que “deverá impulsioná-las até certo ponto”, mas acrescentou que “seus efeitos se tornarão mais e mais frágeis porque há muitos outros fatores em jogo”.

Os pregões chineses receberam no início com otimismo os dados sobre o comércio exterior, mas o fechamento da jornada terminou uma vez mais em números vermelhos: Xangai perdeu 2,4% e Shenzhen, 3,5%. O banco central do gigante asiático voltou a fixar uma taxa de câmbio do yuan relativamente estável pelo terceiro dia consecutivo, depois de sua progressiva perda de valor ser interpretada entre os investidores como uma tentativa de desvalorizar a divisa de forma intencional. Essa preocupação, bem como as numerosas mudanças regulatórias no início do ano, provocou na semana passada outra espiral de venda maciça nas bolsas chinesas, que varreu mais de 15% de sua capitalização e contagiou os mercados globais.

Arquivado Em: