A transição argentina

Desvalorização do peso afeta bairros pobres da Argentina

Macri oferece bônus natalino a sete milhões de pessoas devido ao “deslizamento dos preços”

Rafael Calzada (Buenos Aires) - 25 dic 2015 - 15:30 UTC
Refeitório Pekenitos em Rafael Calzada, Buenos Aires, durante festa natalina na quarta-feira.
Refeitório Pekenitos em Rafael Calzada, Buenos Aires, durante festa natalina na quarta-feira.Ricardo Ceppi

Mais informações

O Natal no refeitório Pekenitos foi mais austero do que o esperado. Juan Argañaraz, chefe de cozinha de uma pizzaria, criou o espaço há seis anos em sua casa em Rafael Calzada, na periferia de Buenos Aires, para alimentar 30 crianças. Em 2015, o número foi aumentando gradativamente até chegar a 140 crianças e 15 mães. As famílias receberam carne, batatas, ovos e pêssegos para a ceia de Natal, mas, de uma semana para outra, descobriu que a despesa não custaria 7.000 pesos (2.000 reais), como previsto, mas 9.000, ou 28,5% mais. Juan, que ganha 10.000 pesos (cerca de 3.000 reais) por mês e que, com esse orçamento, sustenta a esposa e seis filhos, teve de pedir mais recursos aos amigos que o ajudam.

A Argentina já estava sofrendo com uma inflação alta há dez anos, com uma taxa anual de 24% em outubro. Mas, desde que o liberal Mauricio Macri tornou-se o candidato presidencial favorito para derrotar o kirchnerista Daniel Scioli, sua promessa de liberar o controle sobre a taxa de câmbio, com a consequente desvalorização do peso, favoreceu a especulação sobre os preços. O controle estabelecido em 2011 pelo Governo de Cristina Kirchner foi eliminado há uma semana, e a moeda argentina se desvalorizou 25,7%. Segundo as consultorias Elypsis e C&T, em outubro a taxa de inflação mensal teria sido de 1,5%; de 2% em novembro; e, em dezembro, a previsão é de que o índice suba para 3,5%.

A associação Consumidores Livres alertou que, na primeira quinzena de dezembro, ou seja, antes da desvalorização da moeda, os preços subiram especialmente para a carne, macarrão, água, farinha de trigo, sabão em pó, erva-mate (a infusão mais popular na Argentina) e leite. Antes da desvalorização, Macri eliminou os impostos sobre as exportações agrícolas, o que também causou impacto sobre os preços domésticos dos alimentos.

Em um refeitório da Grande Buenos Aires, moradores relatam aumento dos preços dos alimentos

O novo presidente reagiu ao que chamou de "deslizamentos em alguns preços na cesta básica". Nas segunda-feira, anunciou um bônus de Natal de cerca de 100 reais para 3,6 milhões de crianças de desempregados e trabalhadores informais — que mensalmente recebem um subsídio universal de 225 reais por filho — e para 3,3 milhões de aposentados com pensão mínima de aproximadamente 1.160 reais. O anúncio fez com que sindicatos de esquerda e kirchneristas suspendessem um protesto planejado para o dia seguinte na Praça de Maio. Ao mesmo tempo, o novo Governo rejeitou por decreto uma gratificação natalina a todos os funcionários públicos e privados.

Rosa Pereira, de 80 anos, começou a frequentar o Pekenitos há apenas dois meses. "Quem é o culpado pelos aumentos? Ninguém assume a responsabilidade, mas aumentam. Tenho de comprar tênis, mas subiram 70 pesos [19 reais], e vou ter de esperar outra oportunidade ", diz Rosa, resignada, com um sorriso.

Gisela Galeano, 27, frequenta o refeitório há seis meses e está convencida de que Macri irá suspender o subsídio de seus dois filhos. A campanha kirchnerista, que incutiu o medo contra o então candidato da oposição, causou tanto impacto em Galeano que nem sequer o bônus de Natal a convence de que o novo presidente manterá a ajuda, iniciada por Cristina Kirchner, em 2009. "Antes do presidente assumir [o poder], o quilo de ‘milanesa’ (escalope à milanesa) subiu de 70 pesos para 140. Esta semana, caiu para 98 [26 reais], não sei se porque o açougueiro não estava vendendo nada", disse Galeano.

A nova ministra do Desenvolvimento Social da Argentina, Carolina Stanley, admitiu na segunda-feira que o índice de pobreza no país gira em torno de 20% ou 25%, e não os 32% que Macri denunciava durante a campanha. Sua promessa é reduzir esse índice para zero. O tempo dirá.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete