Emprego

Sem chefe e sem garantia: assim será nosso trabalho no futuro

Cada vez mais empresas estão se adaptando à cultura do Vale do Silício

Em parte é porque Jesús, 27 anos, que trabalha há quatro na sede da Google em Dublin, passa o dia fazendo videoconferências, com o outro olho na tela do seu celular, onde se misturam vida pessoal e profissional até se confundirem. E, em parte são todas as comodidades que desfruta, e que fazem com que os escritórios da Google sejam qualquer coisa menos aquele espaço espartano no qual trabalhavam as gerações anteriores à dele. “Temos muita flexibilidade no trabalho, vários restaurantes com comida de graça e, claro, muito boa, formação contínua, ginásio e piscina dentro do edifício, massagem, centro médico, salão de jogos...”, vai enumerando, recitando o modelo que Laszlo Bock, chefe de RH da Google (lá eles chamam de “gestão de pessoas”), descreve em seu livro Um Novo Jeito de Trabalhar: “Eu chamaria de um projeto de alta liberdade no qual os funcionários gozam de capacidade de tomada de decisão. Os líderes que criam o ambiente adequado vão se transformar em ímãs para as pessoas com mais talento do planeta”, explicou Bock no livro. Mas muito mais importante do que tudo isso é a maneira que Jesús pode projetar no trabalho parte de sua personalidade. Ele ainda tem a caderneta na qual, há quatro anos, escreveu “trabalhar na Google” como um dos seus objetivos. Ele não presta um serviço. Contribui com sua personalidade para o projeto. É um trabalhador do futuro.

Primeira Parte: o que faz um empregado como você em um lugar como este?

“A tecnologia trouxe mudanças drásticas no mundo do trabalho. Podemos resumi-las na hiperconectividade”, anuncia Juan Martínez-Barea, embaixador na Espanha da Singularity University, instituição acadêmica impulsionada pela NASA e localizada no Vale do Silício. Ele é autor do livro El mundo que viene (O mundo que virá). O telefone acelerou o ritmo de um mundo que deixou de depender do correio físico, mas as novas tecnologias provocaram algo muito mais drástico: tornaram prescindíveis os horários e os espaços comuns, aumentaram a disponibilidade e encorajaram a promiscuidade entre trabalhadores e empregadores.

Este último é essencial para começar a entender a mudança. Em um ambiente no qual qualquer um pode expor seus talentos para todos, seja como um portfólio em forma de conta do Instagram ou com currículo no LinkedIn, as empresas têm um acesso exponencialmente mais fácil aos possíveis empregados. São elas, portanto, que precisam ser atrativas para os trabalhadores, e não vice-versa, como até agora. “O fardo agora é da empresa” confirma Margarita Álvarez, diretora de comunicação e marketing da Adecco Espanha, o maior fornecedor mundial de recursos humanos: “As grandes empresas tecnológicas e as start-ups mudaram o mercado. Agora lutamos todos, grandes e pequenos, pelo mesmo talento em um mercado sem barreiras. Procuramos pessoas que querem algo mais que uma carreira para toda a vida, que querem rapidez, propostas constantes de projetos interessantes, flexibilidade, bons companheiros...”.

Jesús recebe da Google uma atitude que seria considerada marciana em décadas passadas. “Você controla seu tempo, os objetivos, o que quer aprender, no que quer trabalhar... E acima de tudo, o bom ambiente que existe entre os colegas”, diz ele. Também ressalta a regra dos 20%: “Corresponde à parte do seu tempo que pode dedicar a um projeto ou conceito a ser desenvolvido que esteja ligado à empresa”. Ele tem espaço para fornecer ideias mesmo fora do seu setor. Outras empresas como Adobe ou Deloitte também usam ideias ousadas como licenças sabáticas remuneradas. Gore-Tex eliminou a cadeia de comando e as funções dos trabalhadores, permitindo que os chefes dos projetos sejam divididos e escolhidos por voto.

Os locais de trabalho também estão se adaptando a estes novos parâmetros. Atribuir áreas específicas do escritório como uma recompensa (uma sala a um trabalhador leal que foi promovido) ou como forma de promover a dinâmica acaba sendo menos produtivo. “Há empresas muito tradicionais já estão mudando para espaços de trabalho não nominativos, ou seja, que ninguém tem um lugar permanente. Não há papel, não há armários para ninguém. São dispostas grandes mesas de forma paralela para incentivar a interatividade”, diz Margarita Alvarez.

Segunda Parte: A ameaça de Hollywood

Num ponto extremo, esta promiscuidade nos levará, segundo previsão de Adam Davidson, colunista econômico do The New York Times, ao modelo Hollywood, que aplica a lógica de uma filmagem a todas as áreas de trabalho. “Um projeto é identificado, a equipe se reúne, trabalha apenas suficiente para completar a tarefa e se separa “, explica Davidson. “É o modelo com o qual agora as pontes são construídas, aplicativos são criados e restaurantes são abertos”. Completa Juan Martínez-Barea: “Vai generalizar um tipo de trabalhador autônomo, ou parecido ao autônomo, que trabalhe dentro, graças à tecnologia que é oferecida hoje, de equipes que duram até a conclusão do projeto”. Ainda não sabemos se a cultura corporativa está pronta para absorver uma mudança radical de estrutura. “Toda vez encontramos mais pessoas trabalhando na Espanha quase como freelance”, afirma Álvarez. Isso apesar de que ser autônomo nesse país significa, além de mais horas de burocracia, o pagamento de uma taxa de entre 50 e 260 euros por mês, mais que na França (lá, a taxa depende das receitas), Reino Unido (entre 13 e 58 euros anuais). A tendência pode lembrar os minijobs alemães, mas estes pelo menos oferecem uma cobertura de seguridade social e outras circunstâncias, tais como demissão, mas um autônomo espanhol está sozinho. Álvarez se volta para o otimismo: “Não se trata de perder a estabilidade, mas que as empresas acabem usando este modelo dentro de si mesmas para oferecer ao funcionário, em forma de projetos, os próximos passos da sua vida profissional. Seria insustentável que fôssemos todos autônomos”.

Mal-entendido, o modelo Hollywood pode ser confundido perigosamente com uma tendência cultural impossível de parar nos últimos anos: a gig economy, economia de trabalhos esporádicos. É a que promove as viagens de gastos divididos do BlaBlaCar, os taxistas amadores do Uber, o aluguel de apartamentos pelo Airbnb. O mesmo que entusiasma as start-ups – fazer com o mercado de trabalho o que Uber fez com a indústria dos táxis – preocupa muita gente – Uber multiplicou tanto os empregos ruins quanto a economia informal. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) tem, na verdade, um escritório específico para as formas de emprego não convencionais, que enfatiza a necessidade de “reconhecer que não estamos falando de trabalhos esporádicos, tarefas, favores ou levar alguém para casa. Falamos de trabalho. A economia de trabalhos esporádicos pode ser o futuro, mas precisamos começar a reconhecer que é trabalho, e trabalho deve ser decente. A proteção do trabalho não é incompatível com a inovação”.

Isso apesar de que ser autônomo na Espanha significa, além de mais horas de burocracia, o pagamento de uma taxa de entre 50 e 260 euros por mês

A OIT abriu uma linha de pesquisa sobre o “futuro do trabalho”. O resumo é que não devemos prever o futuro, mas regulá-lo: “Cabe perguntar se a revolução tecnológica, que é caracterizada pelo uso de megadados, impressoras 3D e robôs, oferece um potencial tão grande a ponto de substituir a mão de obra”, diz. É possível ir além, como faz Martínez-Barea: “O mercado de trabalho vai se polarizar: as pessoas com baixas qualificações, empregos com baixo valor agregado e de baixos salários são os que correm mais risco. Os drones entregarão pedidos, os robôs fabricarão tudo e os veículos autotransportados transportarão mercadorias”, prevê. E podemos dar de ombros, como faz a OIT: “A tecnologia sempre acabou criando mais empregos do que destruiu”. No futuro tudo será diferente e tudo será igual. Em outras palavras, será o futuro de sempre.

 

Arquivado Em: