_
_
_
_
_
Atentados em Paris
Análise
Exposição educativa de ideias, suposições ou hipóteses, baseada em fatos comprovados (que não precisam ser estritamente atualidades) referidos no texto. Se excluem os juízos de valor e o texto se aproxima a um artigo de opinião, sem julgar ou fazer previsões, simplesmente formulando hipóteses, dando explicações justificadas e reunindo vários dados

Ódio ao lazer

No comunicado no qual o Estado Islâmico reivindica os atentados, justifica-se o ataque a Paris por considerá-la a “capital das abominações e da perversão”

Legistas da polícia recolhem amostras no Café Comptoir Voltaire, um dos atacados na noite de sexta-feira.
Legistas da polícia recolhem amostras no Café Comptoir Voltaire, um dos atacados na noite de sexta-feira.MARIUS BECKER (EFE)

Não querem que dancemos. Que escutemos música. Que nossos beijos se misturem com risadas. Amar. Divertir-se. Curtir a vida. Compartilhar jantares e almoços. Beber. Comer. Ocupar o espaço público. Sentir-se livre. “Os alvos foram cuidadosamente escolhidos”, afirmam os terroristas. Atacaram os símbolos e as pessoas.

Detestam que as mulheres leiam, escrevam, pensem e decidam por si mesmas. Sobre seu corpo, seus afetos e suas vidas. Não querem que as meninas estudem, por isso atiraram em Malala, no Afeganistão, que queria ir à escola. Tiros para castigá-la, para assustá-la, para matá-la.

Querem que fiquemos atemorizados e paralisados. ‘Vocês terão medo até de ir ao mercado’, proclamavam em uma mensagem de vídeo

No comunicado reivindicativo dos assassinos do Estado Islâmico, relacionam o ato terrorista em Paris com o fato de ser a “capital das abominações e da perversão”. Ou seja, em sua demência, os terroristas identificam a cidade como o pecado, como o demônio. E os cidadãos como depravados. As salas de música como templos pagãos.

Mais informações
AO VIVO | Atentados em Paris deixam 129 mortos e mais de 350 feridos
Um atentado anunciado
“Foi uma carnificina. Todos os meus amigos ficaram lá dentro”
França promete resposta dura aos atentados do Estado Islâmico em Paris

Os atentados atingem pessoas inocentes em bares e restaurantes, salões de festas, estádios e ruas. Tudo o que caracteriza um modelo de liberdades em um espaço público. Odeiam o lazer. Pelo que ele representa como liberdade e emancipação. O fanático contra o lúdico. Vestem-se de preto porque detestam as cores, a música, a diversidade. Odeiam as risadas. Não querem sorrisos, só caretas. De dor ou de sofrimento.

Agiram de noite. Uma sexta-feira. Justo quando a Cidade-Luz se ilumina com a luz dos gozos e dos prazeres, com as sobras das emoções e dos afetos, com a claridade das artes. Quando a vida parece eterna. Quando a noite protege os amantes, os cúmplices, os amigos. Chegaram de noite, para torná-la eterna, para que não tivéssemos um amanhã, e ganhar sua falsa eternidade com seu incompreensível martírio.

Chamam de "idólatras" as pessoas presentes na sala de espetáculos Bataclan. Seu pecado é admirar seres humanos: músicos, cantores, artistas. Eles os matam por serem pagãos, por exercer a mística da música. Seu ódio é tão incompreensível como perigoso e assassino.

Chamam de ‘idólatras’ as pessoas presentes no show na sala Bataclan. Seu pecado é admirar seres humanos: músicos, cantores, artistas

Desprezam-nos. Falam do odor das “ruas malcheirosas de Paris”, que tremem indefesas. Vangloriam-se de sua pureza. De novo associam a cidade e os cidadãos ao demônio e à sua presença pestilenta: “Continuarão sentindo o cheiro da morte por terem estado à frente da cruzada”.

Querem que fiquemos atemorizados e paralisados. “Vocês terão medo até de ir ao mercado”, proclamavam em uma mensagem de vídeo da Al Hayat, a seção mediática dos acólitos do califado. “Deram-nos ordens para combater os infiéis onde quer que estejam. O que esperamos? Há armas e carros disponíveis e os alvos estão prontos para serem atingidos”, indica um dos terroristas. “Até mesmo veneno serve. Envenenemos a água e os alimentos de pelo menos um dos inimigos de Alá”, conclui.

“Paris tremeu sob seus pés”, acrescentam os jihadistas. Assim querem que fiquemos: derrotamos em nossos corações, ânimos e valores. Quietos, imóveis, fechados. Querem destruir o riso e o movimento. Agora, hoje, mais do que nunca é preciso rir entre a dor, o pranto e o desalento. Rir chorando. Para enfrentarmos o ódio com o lazer. A barbárie com a arte. Os pesadelos com sonhos. Para que Paris trema... mas com danças e passos livres, não com medos e sustos.

Hoje choraremos, mas amanhã voltaremos a cantar e a desenhar. Para ganhar a batalha das ideias e dos valores. A autêntica grande batalha.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_