Corrupção na FIFA

Blatter acusa Platini de orquestrar escândalo da FIFA

Presidente da entidade, suspenso do cargo, ataca o francês: ‘É algo pessoal’

Blatter e Platini em Congresso da FIFA, em 2014.
Blatter e Platini em Congresso da FIFA, em 2014.

O presidente da FIFA, Joseph Blatter, suspenso provisoriamente do cargo, acusou hoje seu colega da UEFA, Michel Platini, de provocar o escândalo que fez tremer as bases da máxima organização do futebol mundial. “No início, o alvo dos ataques fui eu. E Michel Platini planejou tudo. É algo pessoal”, disse Blatter, de Zurique, em entrevista à agência russa TASS. Blatter afirmou que Platini “sempre quis ser presidente da FIFA”, mas “não teve coragem de apresentar sua candidatura na eleição de 2015.”

Mais informações

“Cada pessoa que dirige a UEFA é infectada por um vírus que se chama anti-FIFA”, afirmou Blatter. Recordou que, antes de Platini ser eleito presidente da UEFA, os dois eram “melhores amigos”. Mas depois, “de repente”, o francês não o convidou para a abertura da Eurocopa em 2008. “Desde então não participei nenhuma vez das atividades protocolares da UEFA, pois considerei que aquilo havia sido uma falta de respeito – não por minha pessoa, e sim por todo o conjunto da FIFA.” Ao mesmo tempo, disse que os dois milhões de francos suíços (7,9 milhões de reais, em valores atuais) que Platini recebeu da FIFA, e que provocaram sua suspensão provisória, são o pagamento de uma dívida por um trabalho realizado e não representam um ato criminoso.

O suíço recordou que propôs contratá-lo depois da Copa de 1998, na França, mas Platini, que atualmente está suspenso assim como Blatter, pediu um milhão de francos por ano, uma cifra que a FIFA considerou exagerada. “Assinamos um contrato, mas não por essa soma. Trabalhou para mim até 2002, quando o elegeram para o comitê executivo da UEFA e da FIFA. Depois disso, o contrato foi rescindido, já que ele se tornou representante oficial da UEFA”, explicou. Em 2010, Platini interpelou a FIFA para que pagasse a dívida, ao que Blatter respondeu que o próprio chefe da UEFA deveria estimar o montante.

“A conta foi cifrada em dois milhões [de francos suíços], à razão de meio milhão por ano. Eu aprovei o pagamento. Esse é o meu lema: se devo dinheiro a alguém, tenho de pagar. Isso é tudo. Esse dinheiro não foi um pagamento por nenhuma outra coisa”, afirmou.

Platini, Blatter e Beckenbauer, num jogo-exibição na Suíça, em 2007.
Platini, Blatter e Beckenbauer, num jogo-exibição na Suíça, em 2007.L. G. (efe)