Operação Lava Jato

Marcelo Odebrecht chama delator de “dedo-duro” e recebe elogios na CPI

Empresário diz que não tem nada a "dedurar" e que conversa com Lula foi "republicanas"

Marcelo Odebrecht na CPI.
Marcelo Odebrecht na CPI.R. B. (REUTERS)

Desde que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), compareceu voluntariamente à CPI da Petrobras para se defender da acusação de participação nos desvios, no início do ano, nenhum depoente era tão bem tratado pelos deputados como Marcelo Odebrecht. Acusado de estar no epicentro do esquema investigado pela Lava Jato e preso preventivamente desde junho, o dono da maior empreiteira da América Latina, que doou 111 milhões de reais a políticos no ano passado, ouviu elogios de seus inquisidores e fez ataques aos que decidiram fazer acordos de delação premiada.

MAIS INFORMAÇÕES

"Primeiro, para alguém dedurar, ele precisa ter o que dedurar, e isso não ocorre nesta situação", afirmou Marcelo Odebrecht a parlamentares. Nesta segunda, quatro delatores do esquema de corrupção, entre eles o diretor da Setal, Augusto Mendonça Neto, prestaram depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, e reiteraram que a Odebrecht liderava o cartel das empreiteiras. Marcelo não comentou as acusações e, em nota, a empreiteira negou que qualquer funcionário tenha se envolvido nas atividades ilícitas investigadas.

Marcelo Odebrecht usou uma analogia entre o comportamento de suas filhas e o dos delatores da Lava Jato para criticar os acordos. Questionado se pretendia assinar acordo de delação premiada, o executivo disse que “se elas [minhas filhas] brigassem, eu perguntasse quem começou, e uma dedurasse a outra, eu talvez brigasse mais com quem dedurou do que com aquela que fez o fato”, afirmou.

Conversas com Lula e Dilma

O empresário se negou a responder a maior parte das perguntas feitas pelos deputados durante os cerca de 50 minutos durante os quais foi questionado. "Infelizmente, estou engessado. Até por respeito à decisão do Supremo Tribunal Federal, já que existe um processo criminal em andamento, a gente fica impedido de falar sobre isso”, afirmou. Diferentemente do que ocorreu nos depoimentos anteriores, os parlamentares teceram elogios ao empreiteiro: o relator da comissão, o deputado federal Luiz Sérgio (PT-RJ), se referiu a Odebrecht como "jovem executivo de uma das mais importantes empresas brasileiras". Já Altineu Côrtes (PR-RJ) afirmou que teve a oportunidade de conversar com funcionários da Odebrecht, e que eles fizeram uma “descrição do senhor [Marcelo] com um orgulho assim que me marcou". O parlamentar costuma acossar os depoentes, repetindo perguntas em tom agressivo e fazendo insinuações.

Marcelo disse ainda que a operação Lava Jato "está gerando desgaste desnecessário para a Petrobras e as empresas nacionais", e que é preciso ter mais cuidado com “a imagem” das companhias. Moro e procuradores que atuam no caso têm repetido que culpar a investigação pela crise é ignorar os efeitos nefastos da corrupção. O empresário afirmou, no entanto, que a Odebrecht, com obras estratégicas pela América Latina, “continua absolutamente sólida”, e que irá sair fortalecida da crise.

Questionado sobre suas relações com o ex-presidente Lula e com a presidenta Dilma Rousseff, o executivo disse que é "provável" que ele tenha conversado com ambos sobre a Petrobras, mas garantiu que se trataram de “conversas republicanas”.

"Você está falando de duas das maiores empresas brasileiras, que têm uma relação muito forte em diferentes setores, e é provável que se eu encontrar com uma amigo, um empresário, um político, qualquer um, venha à tona o tema Petrobras e o tema Odebrecht", disse. "É mais do que natural e provável que com qualquer pessoa esse tema venha. Não me lembro especificamente de nenhuma conversa específica, mas é provável."

Além de Marcelo, hoje também foram chamados para depor os ex-executivos da empre sa Márcio Faria da Silva, Alexandrino de Salles Ramos, Cesar Ramos Rocha e Rogério Santos de Araújo, e o ex-gerente da Petrobras Celso Araripe de Oliveira. Eles optaram pelo silêncio.

O empresário e outras 12 pessoas ligadas à empreiteira são réus na Justiça Federal por suposto envolvimento no esquema de formação de cartel e corrupção na Petrobras.

Arquivado Em: