Estado Islâmico

EUA mobilizam caças na Turquia em nova fase do combate ao EI

Bombardeios obrigam o grupo jihadista a se tornar “mais centralizado e menos flexível”

Um caça F-16 dos EUA rumo a Turquia.
Um caça F-16 dos EUA rumo a Turquia.US AIR FORCE / REUTERS

Os Estados Unidos mobilizaram neste domingo seis caças F-16 da Força Aérea na base aérea turca de Incirlik, no sudoeste do país, perto da fronteira com a Síria, para apoiar o combate ao Estado Islâmico (EI). "Seis caças F-16 da Força Aérea dos EUA partem para a base aérea de Incirlik, Turquia, para apoiar a luta contra o EI”, disse a representação norte-americana na OTAN em seu perfil do Twitter. A chegada desses aviões à fronteira turco-síria, parte do acordo recente alcançado entre Ancara e Washington, inicia uma nova fase da guerra aérea iniciada há um ano pelo presidente Barack Obama contra o EI, e que até o momento não foi capaz de diminuir a capacidade do grupo jihadista.

Quando teve início a campanha aérea contra o EI no Iraque, em 8 de agosto do ano passado, ela foi encarada com cautela pelos EUA: seria um conflito longo e marcado por desigualdades. Um ano depois, esse prenúncio se cumpriu. Não há dúvida de que o grupo jihadista está mais frágil, mas a estratégia no Iraque avançou pior do que se previa. O Pentágono revelou que a ofensiva para expulsar o EI de Mosul, segunda maior cidade iraquiana, poderia começar em maio. Isso não só não aconteceu como, neste mês, os extremistas se apossaram de Ramadi, a capital da estratégica província de Anbar.

A sensação em Washington é que esses reveses são culpa de Bagdá. O Departamento de Defesa não oculta sua impaciência com o lento progresso do Exército iraquiano. Os EUA mobilizaram 3.500 militares no Iraque com tarefas de assessoria e treinamento. São militares sem função de combate, ao contrário do que ocorria na intervenção da década passada. O principal feito dos bombardeios norte-americanos e de outros países ocidentais foi expulsar o EI da cidade de Tikrit e frear seu avanço no nordeste do Iraque.

A coalizão já realizou 6.000 ataques contra posições do EI no Iraque e Síria, onde expandiu a campanha em setembro. O Pentágono não divulga cifras de mortos, mas confirmou uma estimativa do jornal USA Today de 15.000 militantes do EI mortos.

Mais informações

Os ataques obrigaram o grupo jihadista a se tornar “mais centralizado e menos flexível”, conforme disse na sexta-feira o Exército norte-americano. No último ano, o EI perdeu 30% de presença no Iraque. Na Síria, os bombardeios dos EUA e de seus aliados países árabes expulsaram os militantes islâmicos de áreas que controlavam junto à fronteira com a Turquia. O objetivo é que, depois da autorização turca para que os EUA usem uma base aérea próxima, os jihadistas sejam completamente erradicados da região. Dada a inimizade de Washington com o regime sírio, os EUA carecem de militares na Síria e confiam qualquer avanço terrestre a debilitadas milícias moderadas.

“Não está claro se estamos jogando a partida correta, muito menos que estejamos ganhando”, escreve Anthony Cordesman, especialista da instituição de análises CSIS, de Washington, em um relatório sobre a estratégia de combate ao EI publicado no final de julho. Cordesman, ex-assessor da OTAN e dos departamentos de Estado e Defesa, adverte que os EUA estão “simplificando em excesso” as causas e trunfos do extremismo islâmico ao centrar grande parte da sua estratégia em atacar militarmente o EI.

Nos círculos de poder de Washington, mantém-se o debate a respeito das possíveis restrições aos militares presentes no Iraque. O Pentágono e parlamentares republicanos influentes pressionam para permitir que os assessores militares desempenhem tarefas de combate específicas e comuniquem os alvos de bombardeios à aviação norte-americana.

Mas Obama reluta em dar esse passo, por causa do receio de repetir erros da guerra do Iraque (2003-2011), que acabou sem vitória, sem estabilizar esse país e com 4.400 norte-americanos mortos. A Casa Branca insiste que é o Governo iraquiano que deve liderar a ofensiva contra o EI, também mediante uma política inclusiva que modere as tensões entre xiitas, sunitas e curdos.

Obama enviou em fevereiro ao Congresso um pedido de autorização legal para a campanha contra o EI, mas sua aprovação está travada desde então.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50