Coluna
i

O dia que o Papa Francisco ouviu Racionais MC´s

Francisco, por mais que tu saibas do cronicamente inviável do mundo, repare nos detalhes, no latim dos rapazes, há um requinte na rima e no que Mano Brown diz

Toxicus est rabidus, processum est tardus. Traduzo, no meu latim chinfrim de quem fugiu das aulas no Seminário da Diocese do Crato (Ceará), um mantra dos Racionais MC´s: o bagulho é louco, o processo é lento.

O delírio deste cronista é imaginar o papa Francisco --presenteado pelo prefeito de SP Fernando Haddad com um disco dos rappers brasileiros na sua visita ao Vaticano --, mandando os versos do grupo da periferia paulistana em um sermão dominical no Vaticano.

Toxicus est rabidus, processum est tardus. Para quem foi ateu e agora faz morada na tenda dos milagres como eu, não duvido nada do xará católico apostólico romano.

Mano Brown e o papa têm mais em comum, cada qual com seu testamento, do que imaginam as fiéis criaturas de qualquer seita ou credo deste, tomara Deus para todo o sempre, Estado laico.

A turma dos Racionais, com seus salmos ao rés do chão dos subúrbios, semeou uma mensagem tão importante –e aqui redundo o franciscanismo do santo de Assis- quanto o atual discurso de Jorge Bergoglio na cúpula de Roma.

“Diário de um detento”, para ficar apenas numa faixa dos caras, é tão importante quanto algumas páginas do gênio-mor Machado de Assis, nego do Morro da Providência e do Cosme Velho... Tão bonito quanto os subterrâneos de Lima Barreto... Tão comovente como as escritas de Luiz Mendes, ex-presidiário e o maior colunista do Brasil (revista Trip) ao lado do Jânio de Freitas, da Folha.

Nada mais lindo, em um certo sentido devoto da linguagem, do que o conforto das letras dos Racionais para as almas apenadas que padecem no inferno das dostoievskianas “casas dos mortos”. As gentes das masmorras com suas culpas cristãs e capivaras de processos roendo o cérebro “sob o olhar sanguinário do vigia”... Somente mais um dia riscado na parede no ajuntamento de desventuras e inglórias, somente mais uma recusa até do sol por testemunha –se nem ele nasceu para todos, como expiar os erros na desordem?

MAIS INFORMAÇÕES

Este cronista visitou tantos irmãos e parentes na cadeia que talvez saiba do que está falando:

“Minha palavra alivia sua dor

Ilumina minha alma

Louvado seja o meu senhor

Que não deixa o mano aqui desandar ah

E nem sentar o dedo em nenhum pilantra

Mas que nenhum filha da puta ignore a minha lei

Racionais capítulo 4 versículo 3”.

Vida loka

Nada mais alentador para os jovens dos arrabaldes das metrópoles, anjos ou demônios, do que os versículos dos músicos do Capão Redondo dirigidos aos feios, sujos e rejeitados.

Imagino a cena. O papa Francisco vai à janela e manda para a juventude do mundo inteiro: Toxicus est rabidus, processum est tardus. Óbvio que vai mandar num latim mais rochedo, correto, mas saberá do que se trata o bagulho.

Vida loka, como na expressão consagrada pelos Racionais no Brasil todo. Vida loka é saber que um papa, quase sempre um vanguardista do atraso por causa da solenidade sacana do cargo, agora está a muitas léguas submarinas na frente de muitos estadistas, leio o Juan Arias, colunista deste mesmo EL PAÍS, e sei disso. Que maravilhoso argentino. Só tem um pecado, amigo Mano Brown, torce pelo San Lorenzo, El corvo, e não pelo maior time do universo de todos os planetas, o Santos Futebol Clube. Remittuntur tibi, será assim que se escreve “está perdoado” , sumo pontífice?

Vida loka: quando uma autoridade do Vaticano consegue emplacar umas ideias adiante, quem diria, de toda uma sociedade –sacanagem atribuir o atraso somente aos governos. Vida loka, agora o papa é vanguarda, tem algo estranho no mundo quando o papa consegue ser mais avançado que a imprensa, a política e até mais que os poetas. Que falta nos faz o Roberto Piva, o trovador de uma São Paulo menos tacanha, uma São Paulo iluminista da avenida São Luiz até a tocha da Petrobras no final da Sapopemba.

Viva o papa. Com um ideário em sintonia com o Mano Brown e Emicida, com o GOG, com o Zé Brown, com os grandes rappers brasileiros, nossos maiores cronistas.

Agora, silêncio, escutem esses versos dos Racionais MC´s, please:

"Cadáveres no poço, no pátio interno.

Adolf Hitler sorri no inferno!

O Robocop do governo é frio, não sente pena.

Só ódio e ri como a hiena."

A narrativa era sobre o massacre do Carandiru, mas vale para qualquer hora ou chacina. Vale o escrito. Hannah Arend assinaria embaixo.

Sobrevivendo no inferno

Salmo 23: "Refrigere minha alma e guia-me pelo caminho da Justiça". Eis a epígrafe, logo na capa, da obra entregue a Francisco. Digo do CD “Sobrevivendo no Inferno”... Que lindeza... O motivo dessa crônica. O disco que o melhor prefeito de hoje do Brasil, obviamente o que mais leva porrada, levou ao papa de presente. Haddad, mas não se esqueça, porrada mesmo, no sentido Fernando Pessoa do termo, quem levou foi a Erundina, talvez a melhor prefeita de SP de todos os tempos, se liga, a tia paraibana estava na mira, qualquer foca editorializava acima de qualquer suspeita ou rasgava as regrinhas do manual de redação que só valem quando você é contra.

Silêncio.

Agora estou reouvindo de fato o maior disco de rap de todos os tempos: “Sobrevivendo no inferno”, se liga, todo mundo sabe que Jorge sentou praça na cavalaria/ E eu estou feliz porque eu também/ sou da sua companhia...

Francisco, por mais que tu saibas do cronicamente inviável do mundo, repare nos detalhes, no latim dos rapazes, há um requinte na rima e no que Mano Brown, Ice Blue, KLjay e Edy Rock dizem. Eles são tão importantes quanto o T.S. Eliot de uma certa terra desolada.

Há um dito bendito além da conta. Se liga, Francisco.

 Xico Sá, escritor e jornalista, é autor de Big Jato (Companhia das Letras).

Arquivado Em: