Seleccione Edição
Login

O ‘crucifixo comunista’ e a surpresa de Francisco

Presente com a foice e martelo é suposta reprodução de escultura do jesuíta Luis Espinal

Evo Morales, entregando o presente ao Papa. Ampliar foto
Evo Morales, entregando o presente ao Papa. EFE

Após visitar o Equador, o papa Francisco aterrissou quarta-feira em La Paz, na Bolívia, dando continuidade a sua agenda de visitas pela América Latina. Ali se encontrou com o presidente Evo Morales, que exerceu o papel de anfitrião e protagonizou o momento que captou as atenções nas redes sociais: seu presente ao pontífice. O presidente ofereceu a Bergoglio uma escultura de uma foice e um martelo com um Cristo crucificado, que foi recebida com certo espanto pelo Bispo de Roma. O objeto provocou críticas entre os conservadores da Igreja e mais tarde o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, tentou acalmar a situação, assegurando que o Papa "não teve nenhuma reação especial negativa" ao presente.

Mas o gesto do presidente não foi uma provocação gratuita, pois tinha muito simbolismo: segundo explicou Morales ao pontífice, o presente é uma reprodução de uma obra supostamente realizada por Luis Lucho Espinal, um jesuíta espanhol torturado e assassinado pelos paramilitares bolivianos em 1980. O presente pegou todo mundo de surpresa e, nas redes sociais, as pessoas se perguntaram que tipo de presente era esse.

Nascido em 1932 em San Fructuoso de Bages, em Barcelona, Luis Espinal tornou-se sacerdote aos 30 anos. Em 1968, chegou à Bolívia como missionário da Ordem dos Jesuítas, à qual Bergoglio também pertence. Realizou trabalhos humanitários e se interessou pela política local, apoiando a democracia e as causas sociais. Por isso foi sequestrado, torturado e morto a tiros em 21 de março de 1980.

E esta é a obra em questão
E esta é a obra em questão AP

Além de seu trabalho eclesiástico, Luis Lucho Espinal foi um grande fã do cinema, deixando uma mais de dez documentários e roteiros. Em 2007, Evo Morales declarou que 21 de março seria o Dia Nacional do Cinema, em homenagem ao assassinato do jesuíta.

De fato, em sua viagem à Bolívia, o papa Francisco visitou o lugar onde foi encontrado o cadáver de Luis Espinal e pronunciou algumas palavras. O presidente também deu sua biografia de presente a Bergogli, além do texto Libro del Mar, uma roupa de padre com bordados e um quadro da Virgen del Socavón, padroeira dos mineiros, feito com quinoa.

O Papa, por sua vez, ofereceu a Morales algo “mais simples”: uma reprodução em mosaico da obra Salus Populi Romani, que se encontra na Basílica de Santa Maria Maior; e a encíclica sobre ecologia Laudato si, Alabado seas. De todos esses presentes, no Twitter têm certeza de qual é o seu favorito:

Fe de errores

O

MAIS INFORMAÇÕES