Presidente do Peru: “Diversificação produtiva é minha obsessão”

Para Humala, "é importante mais clareza" sobre situação dos políticos presos em Caracas

O presidente do Peru, Ollanta Humala, Juan Luis Cebrián.
O presidente do Peru, Ollanta Humala, Juan Luis Cebrián.Luis Sevillano

Quando, em 2011, o ex-militar Ollanta Humala foi eleito presidente do Peru, havia dúvidas sobre qual rumo político e econômico tomaria o país sul-americano, especialmente pela amizade do então candidato com o presidente da Venezuela na época, Hugo Chávez, “de quem sempre fui muito amigo “, segundo suas palavras. “Mas o Peru e a Venezuela são países diferentes”, explicou em uma conversa com o presidente do EL PAÍS, Juan Luis Cebrián, durante a abertura do fórum El Perú, en futuro, realizado na quarta-feira em Madri e organizada por EL PAÍS com o patrocínio da Telefônica, Enagás, Repsol, Banco Santander e Ferrovial. “E acho que tomamos o caminho correto”.

Mais informações

Para Humala, a Venezuela “é um país muito importante para a América Latina e estamos interessados em seu futuro. Se o país não estiver bem, pode criar problemas na região. Devemos ajudar o povo venezuelano a resolver seus problemas, que não se deteriore mais o marco institucional democrático, sempre respeitando suas decisões internas”. O presidente peruano está preocupado com a detenção de opositores como Leopoldo Lopez e o prefeito de Caracas, Antonio Ledezma. “É importante termos mais informações e clareza sobre os detidos”, disse ele. “Para isso é muito importante o trabalho de personalidades como Felipe González”, que foi ao país para exercer a defesa dos dois acusados, sem sucesso.

“Acho que haverá definições nas eleições legislativas no final deste ano”, disse o presidente, quando questionado por Cebrián sobre suas perspectivas sobre o futuro do país. “Vamos ver o que o povo venezuelano quer fazer.” Sobre o estado da economia venezuelana, Humala contribuiu com sua própria experiência e a dos peruanos. “Na década de oitenta vivemos uma hiperinflação, e isso liquefaz a economia. Vivemos a existência de diferentes taxas de câmbio, que são uma fonte de corrupção. Durante esses anos, dois milhões de peruanos começaram uma diáspora pelo mundo; e não recomendamos isso a nenhum país”.

No Peru o desemprego é inferior a 5% e a pobreza extrema diminuiu de 18% para menos de 5% nos últimos 20 anos

A convicção de Humala de que o Peru tomou o caminho certo é endossada pelos números: é um dos países que mais cresce na região – 3,1% para este ano, de acordo com BBVA Research – o desemprego é inferior a 5% e a pobreza extrema caiu de 18% para menos de 5% nos últimos 20 anos. Isto foi conseguido graças a uma política econômica consistente em sua responsabilidade fiscal. “Em certas coisas não se deve ter ideologia”, disse Humala. “A gestão responsável e pragmática da macroeconomia é fundamental.”

“Onde entra a ideologia é ver o que fazer com a renda e o crescimento, e apostamos em uma política social que nos permite dizer que o Peru mudou e está melhorando”. Agora, olhando para a eleição presidencial no próximo ano na qual a oposição está à frente nas pesquisas, a preocupação de Humala é transformar essa política social em política de Estado. “Seria um grande passo que essas políticas fossem respeitadas por todos os peruanos, assim como é a política macroeconômica”, foi o desejo expresso na conferência, que foi apoiada por Albavisión e La República.

As conquistas do Governo de Humala ganham importância se levarmos em conta a história do país. “Em que momento o Peru se ferrou?”, era a pergunta do repórter Zavalita no romance Conversa no Catedral, do Prêmio Nobel Mario Vargas Llosa. Durante as últimas décadas do século passado, o Peru esteve imerso em uma espiral de crises políticas, econômicas, sociais e de segurança que parecia não ter fim. “Em que momento se resolveu?”, perguntou Cebrián a Humala. “Está se resolvendo”, esclareceu o presidente. “Da crise, os peruanos tiraram a convicção de quais são as coisas que não querem. Não querem hiperinflação, não querem ditaduras, e querem políticas de Estado, como as econômicas”.

Precisamos passar de uma economia de matérias-primas para a industrialização Ollanta Humala, presidente do Peru

Hoje, o Peru se orgulha de seu modelo de crescimento, e até assessora países centro-americanos sobre como implementá-lo. “Nossa prioridade é a educação. Fomos o primeiro Governo na história republicana do Peru que investiu mais de 3% do PIB na educação”, enumerou o presidente. “Desenvolvemos um programa nacional de bolsas de estudos que passou de zero a 72.000 alunos em quatro anos. Criamos um Ministério do Desenvolvimento e da Inclusão Social, e implementamos a alimentação escolar e um seguro de saúde para todas as crianças”.

Mas o caminho ainda não está concluído. “Minha obsessão é a diversificação produtiva”, disse Humala. “Precisamos passar de uma economia de matérias-primas à industrialização. Somos um país abençoado pela natureza, mas nos acostumamos a viver da herança da avó. Por exemplo: 97% do nosso setor pesqueiro [um dos pilares históricos da economia] é extrativo. Apenas 3% são provenientes da aquicultura”. E, além disso, é preciso levar esse desenvolvimento para todo o país. “O Estado peruano sofria de mal da montanha”, disse o presidente. “Ainda temos a mentalidade colonial de centrar o desenvolvimento na costa. Estamos mudando isso. Estamos levando o Estado para as montanhas e para a Amazônia com estradas, eletrificação, saneamento e cobertura de telefone, e para isso contamos com a ajuda de empresas, entre elas muitas espanholas”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: