Crise na Grécia

Alemanha afasta possibilidade de acordo imediato com a Grécia

Ministro diz que as condições para um novo resgate mudaram após o programa expirar

O ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble.
O ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble.EMMANUEL DUNAND (AFP)

A Alemanha volta a reduzir as expectativas sobre um acordo imediato com a Grécia. A chanceler (primeira-ministra) Angela Merkel falará sobre o assunto nesta quarta-feira no Parlamento, mas seu ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble, já antecipou a análise que o Governo faz da situação, e ela não é nada favorável à proposta apresentada durante a manhã (hora local) pelo primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras.

Mais informações

Berlim considera que, depois de expirar o programa, à 0h de quarta-feira, as condições para um novo resgate mudaram. Assim, a proposta que os credores fizeram na sexta-feira não tem motivo para continuar sendo válida. Se essa posição for mantida, a crise grega voltaria à estaca zero e será preciso negociar um novo programa depois do referendo do próximo domingo.

Schäuble foi extraordinariamente duro com a gestão que Tsipras fez da crise, descrevendo-a como pouco clara.

“Agora há rumores de que o referendo poderia ser cancelado. Isso não é sério”, disse o ministro, que representa à ala mais dura do Governo alemão e que nas últimas semanas parece se inclinar pela exclusão da Grécia da zona do euro. “Nenhum de nós entende por que o Governo grego leva o seu povo a essa situação. No sábado, quando rejeitou a oferta e convocou o referendo, nos deixou atônitos”, acrescentou.