Crise na Grécia

Europa respira aliviada diante de um iminente acordo com a Grécia

Atenas oferece aos credores reduzir o sistema de aposentadorias e concessões fiscais Alemanha vê a proposta como “uma boa base”

Yanis Varoufakis, ministro das Finanças da Grécia.Reuters-LIVE!

Mudança de tom na negociação entre a Grécia e seus credores. Atenas enviou nesta segunda-feira sua proposta definitiva aos parceiros europeus, com concessões fiscais e uma reforma previdenciária. A Europa reagiu com os primeiros sinais de acordo político, que deve traduzir-se em um pacto definitivo no final da semana e, assim, dissiparam-se os riscos de saída da zona do euro. Otimismo, enfim, após meses de tensão: Berlim, Paris e Bruxelas afirmaram que a proposta grega é “uma boa base” para encerrar a crise grega. Tanto a chanceler Angela Merkel como o chefe da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, consideram praticamente certo o acordo esta semana. A Europa prevê oferecer a Atenas perspectivas mais precisas de reestruturação da dívida: nem Merkel descarta mais essa opção.

MAIS INFORMAÇÕES

Ainda não há fumaça branca, mas uma fumaça cinzenta que tende a clarear. Berlim, o Eurogrupo e as instituições antes conhecidas como troika (Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia) saudaram – com as inevitáveis reservas – a nova proposta grega, que inclui acatar as metas fiscais dos credores e um endurecimento na reforma das aposentadorias. Ambas os os lados cederam. Atenas enfim ofereceu concessões, mas sua proposta ainda está longe do que pediam os credores no início de junho. E os parceiros emitiram sinais claros sobre o acordo político, que na quarta-feira deve trazer a luz verde do Eurogrupo para que os chefes de Estado e de Governo referendem, no fim de semana, a conclusão deste longo capítulo da crise grega.

A cúpula europeia teve momentos tensos, mas em geral foi suave, segundo as fontes consultadas. Ao final, Tsipras chegou a pedir um comunicado garantindo uma prorrogação do segundo resgate para acabar com as dúvidas sobre os bancos. Os líderes não quiseram chegar a tanto. “Merkel prefere o típico approach alemão: primeiro é preciso fechar definitivamente o acordo; depois haverá tempo de fazer comunicados”, explicou um diplomata europeu.

Atenas enfim ofereceu concessões, mas sua proposta ainda está longe do que pediam os credores no início de junho

 A chanceler foi muito clara ao encerrar a cúpula: “A proposta da Grécia é uma boa base”. Essa análise, vindo de quem vem, é um sinal político de primeira magnitude após meses de tensão. Merkel apontou que nem tudo está amarrado: “As instituições devem trabalhar agora com intensidade para que o Eurogrupo chegue a um acordo na quarta-feira. Esperamos resultados em relação à cúpula europeia da quinta-feira”, acrescentou. Juncker deu por certo um acordo “nesta semana”.

Talvez a maior surpresa tenha sido a disposição de Merkel a permitir uma reestruturação da dívida: a chanceler não descartou essa possibilidade – que tinha se convertido em uma espécie de anátema em vários países – , mas explicou que não é o assunto “mais urgente”. A Alemanha se recusa a pôr mais dinheiro. No entanto, admite que pode ser aplicado o acordo sobre um alívio da dívida assinado pelo Eurogrupo no final de 2012.

 A fase mais aguda da crise grega chega a seu fim se nada der errado nas próximas horas. Antes da cúpula, o Eurogrupo já surpreendeu com uma formidável mudança de tom: depois da dureza pétrea das últimas semanas, os ministros passaram a celebrar a oferta grega como um “passo positivo”. À espera de que a velha troika e a delegação grega negociem os últimos detalhes, as Bolsas aplaudiram essa reação com fortes altas. A evolução dos mercados nas próximas horas é essencial para avaliar a credibilidade europeia.

A reação das Bolsas e na Grécia também marcará o futuro imediato do combalido setor financeiro. Um acordo deveria permitir ao BCE manter abertas as linhas de financiamento de emergência para os bancos, que nos últimos dias sofreram com a fuga de depósitos e acenaram com controles de capital. Ainda não se sabe se esses controles serão ativados: isso só acontecerá se o dinheiro continuar evaporando das entidades financeiras, algo que parece pouco provável se o otimismo dos líderes se traduzir em confiança por parte dos poupadores.

Longo caminho

Apesar de tudo, resta um caminho espinhoso pela frente. Se esse forte sinal político se traduzir em um pacto definitivo, Tsipras terá de vendê-lo em casa, em seu Parlamento e até mesmo dentro de seu próprio Governo: o flanco esquerdo do seu partido, o Syriza, e a direita nacionalista com a que se aliou podem fazer objeções e provocar uma crise política. Para engolir essa pílula, Tsipras espera como contrapartida a citada reestruturação da dívida; se a Grécia ativar logo as medidas prioritárias, os parceiros poderiam facilitar esse alívio da dívida, mas essa fase da negociação ainda não chegou e há vários países pouco dispostos a fazer favores ao Syriza.

Atenas e os credores estavam havia cinco meses como cão e gato, desde a vitória eleitoral de Tsipras, em 25 de janeiro, com suas promessas de fim da austeridade. A contenda despertou suspeitas sobre um possível calote de Atenas ao FMI (1,5 bilhões de euros – 5,1 bilhões de reais – no fim do mês) e ao BCE (7,2 bilhões de euros em meados do ano), mas esse cenário se afasta agora. Apesar de os agoureiros terem proliferado nos últimos tempos, está muito mais próxima uma prorrogação do atual resgate para evitar complicações. Com um acordo, o BCE poderia até abrir mão de algo mais.

“Com a Grécia nada é 100% certo, mas o fim do túnel está um pouco mais perto”, disseram fontes do Eurogrupo.

Arquivado Em: