Equador

Após protestos, Correa recua em aumentar imposto sobre herança

O presidente do Equador também queria subir os tributos sobre o lucro imobiliário Os projetos foram retirados temporariamente

Manifestação na noite de segunda-feira em Quito.
Manifestação na noite de segunda-feira em Quito.José Jácome (EFE)

O Palácio Carondelet, sede do Governo do Equador, viveu uma segunda-feira agitada após uma semana de protestos diários em todo o país contra dois dos projetos para aumentar impostos sobre a herança e o lucro imobiliário. O presidente, Rafael Correa, discursou da sacada do palácio às centenas de simpatizantes convocados por seu partido. Agradeceu o apoio e anunciou que manteria os projetos: “Toda acumulação de riqueza excessiva é injusta e imoral, e contra isso estamos lutando. Essas pessoas e os seus seguidores não estão defendendo os pobres (...) Estão defendendo os seus bolsos”.

MAIS INFORMAÇÕES

Mas, às 21h, Correu falou novamente do Carondelet, exibindo sua faixa presidencial —uma imagem pouco habitual. E causou surpresa ao informar que retiraria “temporariamente” os projetos de lei, usando a visita do Papa, no próximo 8 de julho, para justificar a decisão. “Para evitar que esses grupos [a oposição] provoquem mais violência, mais ainda quando precisamos de um ambiente de paz, alegria e reflexão durante a visita do papa Francisco”, disse.

Correa afirmou que os projetos ficarão suspensos “enquanto durar o debate”, lembrando que “isso será apenas uma espera” para desarticular “as mentiras” que a oposição propagou contra as emendas. Mas o anúncio não satisfez seus rivais políticos, que mantêm as convocatórias para esta semana. O ex-presidente da Câmara de Comércio de Quito, Blasco Peñaherrera Solah, considera que a decisão é para “ganhar tempo” e “uma enganação”. “A convocatória será mantida com mais força do que nunca. Não é só pelas duas leis, mas uma manifestação de rejeição dos últimos nove anos, pela violação dos direitos fundamentais dos cidadãos”, afirmou.

Também será mantida a marcha que os sindicalistas organizam nesta quinta-feira. “Não somos apenas contra os impostos à herança, mas contra as emendas, as leis trabalhistas e o alto custo de vida”, explicou Mario Morales, da central Fetralpi.

Apesar dos anúncios, os opositores mantêm os protestos nesta semana

Correa e seu aparato de comunicação insistem nos novos tributos. “Se alguém me demonstrar que alguma das leis afeta os pobres ou a classe média, arquivarei definitivamente os projetos. Se alguém demonstrar que as leis tinham fins de arrecadação por suposto desvio dos recursos públicos, também os arquivarei de forma definitiva”, disse o presidente em rede nacional.

A Secretaria de Comunicação tem se esforçado para mostrar que existe uma conspiração e que os veículos de comunicação privados ajudam a desestabilizar a democracia e a provocar outra tentativa de golpe de Estado, como ocorreu em 30 de setembro de 2010. O secretário de Comunicação, Fernando Alvarado, acusou os canais de TV Teleamazonas e Ecuavisa de apoiar os planos golpistas.

Arquivado Em: