Al Qaeda

Al Qaeda admite que um ataque dos EUA matou seu líder no Iêmen

O grupo terrorista nomeou Qasim al-Raymi, ex-chefe militar, como substituto

O líder de Al Qaeda no Iêmen, Nasser Al Wuhayshi, em 2012.
O líder de Al Qaeda no Iêmen, Nasser Al Wuhayshi, em 2012.

O braço iemenita da Al Qaeda confirmou em um vídeo divulgado nesta terça-feira pela Internet que seu líder, Nasser Al Wuhayshi, morreu em um bombardeio dos Estados Unidos. O grupo nomeou seu ex-chefe militar na Península Arábica, Qasim al-Raymi, como substituto. Al Wuhayshi foi um dos fundadores da Al Qaeda na Península Arábica, organização responsável pelo atentado terrorista que acabou com a vida de oito turistas espanhóis no Iêmen em 2007. Recentemente, o EL PAÍS revelou com exclusividade que um espião da rede terrorista, Hani Mujahid, havia apontado Al Wuhayshi como um dos autores intelectuais do ataque.

A emissora norte-americana CNN informou na segunda-feira que o ataque que matou Al Wuhayshi foi feito com drones na sexta-feira, na região de Hadramaut, no leste do Iêmen. Alguns jihadistas haviam publicado anteriormente mensagens nas redes sociais lamentando a morte do líder.

O braço iemenita, um dos mais poderosos e ativos da Al Qaeda, assumiu a autoria do atentado de janeiro contra a revista satírica Charlie Hebdo, em Paris. Os autores desse ataque, os irmãos Kouachi, passaram pelos campos de treinamento dessa facção.

Mais informações

Wuhayshi, que nasceu em 1976 na província de Abyan, no sul do Iêmen, viajou pela primeira vez ao Afeganistão em 1998 para se unir à Al Qaeda. Lá conheceu Osama bin Laden, de quem foi secretário pessoal durante seis anos. Depois dos atentados de 11 de setembro de 2001 nos EUA, ele fugiu do Afeganistão e se refugiou no Irã. Sua proximidade com o líder do grupo terrorista contribuiu para que fosse nomeado o número dois da Al Qaeda em 2013.

Outro dos principais líderes do grupo, o argelino Mokhtar Belmokhtar, perseguido há mais de uma década pelos serviços de espionagem das principais potências do Ocidente, supostamente morreu também no sábado, também em um ataque aéreo promovido pelos EUA, só que no leste da Líbia, segundo informaram as autoridades líbias no domingo. Os EUA não confirmaram a informação do Governo líbio, e a agência mauritana Al-Akhbar, a primeira a receber os comunicados dos grupos jihadistas, a desmentiu.