Ultradireitista Le Pen é suspenso na França por comentários filonazistas

Marine Le Pen encerra sua guerra contra o pai e fundador da Frente Nacional, de 86 anos

Jean-Marie le Pen, nesta segunda-feira em Nanterre.
Jean-Marie le Pen, nesta segunda-feira em Nanterre.Michel Euler (AP)

O partido ultradireitista Frente Nacional encerrou nesta segunda-feira um importante capítulo de sua história. Jean-Marie Le Pen, de 86 anos, seu fundador e presidente de honra, foi humilhado pela própria filha, a herdeira e agora fortalecida líder do partido ultradireitista francês, Marine Le Pen. A cúpula da formação xenófoba decidiu suspender de militância o velho dirigente depois das declarações pró-nazismo de Jean-Marie no mês passado, quando disse que as câmaras de gás para exterminar os judeus na Segunda Guerra Mundial eram “um detalhe” da história. Embora idênticas às que pronunciou reiteradamente ao longo de toda a vida, Marine as utilizou desta vez para culminar o parricídio político que perseguia há meses.

O comitê executivo da FN, órgão máximo do partido entre congressos, anunciou a decisão de eliminar de seus estatutos a figura de presidente de honra da formação, um gesto ainda mais degradante para Jean-Marie. A proposta será submetida à militância em um congresso extraordinário que acontecerá dentro de três meses. Enquanto isso, a suspensão de militância já é um fato. O comunicado do comitê executivo, reunido sob formato “disciplinar”, nem sequer cita o nome de seu fundador.

O velho ultradireitista qualificou uma vez mais de “detalhe da história” a existência das câmaras de gás

O velho dirigente havia dito sentir-se “desautorizado” horas antes, mas também deixou claro que não desaparecerá da cena política. Continuará como eurodeputado e conselheiro regional e seguirá difundindo suas opiniões políticas, embora a partir de agora, precisou, “a título individual”. Afirmou que seu escritório continuará sendo na sede da FN e que continuará indo até lá, a não ser que o impeçam. Assim será, posto que já não é militante da formação.

O castigo a Jean-Marie, que fundou o partido em 1972, foi finalmente de maior contundência do que o previsto. Foi forjado nas reuniões mantidas pelos comitês político e executivo da formação. Como ainda presidente de honra, Jean-Marie é membro dos dois. Foi à reunião do primeiro –“na minha idade, não posso mudar”, afirmou ao chegar–, mas não à do segundo, por considerar que sua presença diante de um tribunal de disciplina era “contrária à dignidade” de seu papel no partido.

Ao término de sua reunião, o comitê político, composto por 44 dirigentes, assinalou em um comunicado que “desaprova” as últimas declarações filonazistas de Jean-Marie e que ficará vigilante para que nada possa desviar o objetivo da FN e de Marine “de conquistar o poder”. É essa aspiração, a conquista do poder, o que marcou a diferença entre pai e filha, que tenta distanciar-se das origens fascistoides do partido para ampliar seu eleitorado. Os êxitos nas últimas eleições lhe dão aval. Nos pleitos europeus do ano passado, a FN foi a força mais votada na França.

Mais informações

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, afirmou nesta segunda-feira que o partido “não mudou em nada”. O pai e a filha, acrescentou, só estão separados pela “estratégia eleitoral”, mas, no fundo, dá na mesma: são as mesmas ideias “antissemitas, xenófobas e racistas”.

A decisão do comitê executivo da FN, integrado por nove pessoas, põe fim a uma prolongada guerra travada entre pai e filha, iniciada em 2011 quando Marine se transformou em presidenta do partido e Jean-Marie passou a presidente honorário. A desculpa para desalojar definitivamente o recalcitrante Jean-Marie foram as habituais declarações antissemitas dele expressas no começo de abril.

Mais uma vez ele qualificou como “detalhe da história” as câmaras de gás para exterminar os judeus na Segunda Guerra Mundial e acrescentou que nunca considerou “traidor” o marechal Philippe Pétain, o dirigente francês colaborador dos nazistas durante a ocupação. Disse ainda que na FN há muitíssimos “ardentes petainistas”.

Desta vez Marine usou as palavras do pai para resolver sua batalha familiar e política. Em um comunicado, garantiu que seu progenitor tinha entrado “em uma espiral de terra arrasada e de suicídio político” e pôs em marcha a máquina disciplinar do partido.

Sob a ameaça de sanções e pressionado pela cúpula, o velho líder retirou sua candidatura nas próximas eleições regionais em Provence-Alpes-Côte d’Azur (PACA) e, dias depois, Marine vetou sua intervenção na homenagem do 1º de maio a Joana d’Arc.

O distanciamento forçado de Jean-Marie da primeira linha da FN marca o fim de uma época no partido ultradireitista. Sua vingança desencadeará novas batalhas em uma legenda na qual até agora não existe a separação entre política e disputas familiares.