Seleccione Edição
Login

China atrai Brasil e mais 44 países a banco nascido de costas para os EUA

O Governo de Pequim não esclareceu, por enquanto, se terá direito de veto na entidade

O presidente Xi Jinping, nesta terça em Pequim.
O presidente Xi Jinping, nesta terça em Pequim. AFP

A China deu, nesta terça-feira, mais um passo para materializar seu Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB, pela sigla em inglês), a primeira instituição financeira multilateral que não será dominada pelos Estados Unidos ou algum de seus aliados. Também na terça finalizou o prazo dado pela China e mais de 45 países solicitaram ser membros fundadores da instituição, apesar do rechaço explícito dos EUA. Entre as últimas economias que apresentaram sua candidatura estiveram a Suécia, Espanha, Taiwan — que não possui laços formais com a China continental — e Noruega, apesar das más relações com Pequim depois da concessão do prêmio Nobel a Liu Xiaobo. O Brasil também será membro fundador da instituição, conforme informou o Palácio do Planalto, em uma nota oficial divulgada no último dia 27 de março, na qual diz que o Governo brasileiro "tem todo o interesse de participar desta iniciativa".

No próximo dia 15, será anunciado definitivamente quem são os demais membros fundadores da instituição, com sede em Pequim, dirigida por Jin Liqun e que a China espera que esteja em funcionamento no final do ano. Embora se saiba que contará com um capital inicial de pelo menos 50 bilhões de dólares subscritos (160 bilhões de reais) e 100 bilhões comprometidos, ainda falta concretizar numerosos detalhes sobre seu funcionamento. Não está claro se a China terá direito de veto e o Governo tampouco quer esclarecer isso. Seu vice-ministro de Finanças, Shi Yaobin assegurava na semana passada que “não é verdade que a China procurou ou renunciou a um direito de veto”.

Essa falta de dados é o que os EUA usam para justificar suas reservas sobre o futuro organismo, temendo que debilite organizações já existentes como o Banco Mundial e o Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD). Washington questiona se o AIIB terá padrões rigorosos de governança e de concessão de créditos. Os países que solicitaram o ingresso respondem que, por dentro, será mais fácil negociar normas que garantam uma gestão transparente e padrões estritos. No fundo, está a luta por poder entre as duas maiores economias do mundo, pois junto com o rechaço norte-americano a participar em um banco de desenvolvimento promovido pela China une-se a promoção do Acordo de Associação do Pacífico, que os EUA prevê assinar com outros 11 países daquela região com a importante ausência da China.

Escassa representação internacional

Os grandes países emergentes criticaram sua escassa representação nos organismos multilaterais, que mantêm o equilíbrio de poderes resultante da II Guerra Mundial.

Em 2010, o G20 e o Fundo Monetário Internacional (FMI) concordaram em colocar em marcha uma reforma das instituições de governo global. O primeiro passo era uma mudança nas cotas do FMI para refletir o peso econômico dos países.

A reforma decidida aumentava o peso dos emergentes em apenas 2,8% embora isso colocaria a China no terceiro país com mais peso nos FMI. Agora ocupa o sexto lugar, depois de EUA, Japão, Alemanha, França e Reino Unido.

Para poder aplicar a reforma é necessário o apoio de 85% dos votos. Com os EUA dominando 16,75% do direito de voto, não vai ser feita nenhuma reforma sem sua aprovação. É, de fato, um direito de veto.

O Governo de Obama desde 2012 não consegue aprovar a reforma.

O secretário do Tesouro norte-americano, Jack Lew, se encontrava nesta terça-feira em Pequim, onde se reuniu, entre outros, com o primeiro-ministro Li Keqiang. Lew expressou a vontade de seu país de “colaborar com a China à medida que este país aprofunde suas reformas financeiras e se integre mais, assumindo maior responsabilidade no sistema financeiro global”. A China assegura que usará o exemplo das instituições já existentes para imitar suas boas práticas e evitar seus defeitos, como um excessivo burocratismo na hora de conceder créditos. Este fim de semana, o presidente chinês, Xi Jinping, reafirmava que o novo banco complementará o trabalho do Banco Mundial e do BAD. “Ser um grande país implica assumir uma maior responsabilidade na região, e não buscar um maior monopólio nos assuntos regionais ou globais”, dizia o mandatário.

Seguindo o exemplo norte-americano, países como Austrália e Coreia do Sul se negaram inicialmente a participar, mas no final solicitaram ingresso. Tudo mudou no dia 12 de março, quando o Reino Unido anunciou sua adesão, para surpresa inclusive de Pequim, que esperava isso uns dias mais tarde.

O cálculo de seu ministro de Economia, George Osborne, era simples: como membro fundador, seu país ganharia pontos para se tornar, como quer, o grande centro de operações financeiras em renminbis (ou yuans) – a moeda chinesa – na Europa. Depois do anúncio britânico, seguiram em cascata o resto das economias europeias, querendo manter uma boa sintonia com a segunda economia do mundo e abrir caminho à participação de suas empresas nos projetos financiados pelo banco. No final, o fraco setor de infraestruturas na Ásia conta com um enorme potencial.

Desde a chegada ao poder de Xi Jinping, a China desenvolveu uma política exterior muito mais enérgica e com este Banco conseguirá aumentar sua influência global. Além disso, ganha credibilidade e experiência no âmbito do investimento multilateral. Uma área onde ainda é um ator relativamente novo, apesar de já se ter transformado em um dos principais fornecedores mundiais de crédito: só seus empréstimos à América Latina e Caribe cresceram 70% em 2014, chegando aos 22 bilhões de dólares (70 bilhões de reais), segundo a China-Latin America Finance Database. Suas experiências prévias, através do Banco Chinês de Desenvolvimento ou o Eximbank, nem sempre foram gratas. Com o novo banco, poderá aproveitar o conhecimento de outros países com maior tradição, ao mesmo tempo em que mantém as rédeas.

Na avalanche de solicitudes de ingresso só foi rechaçado, que se saiba, um pedido: o da Coreia do Norte. Pequim bloqueou o país por causa da negativa de fornecer seus dados econômicos.

MAIS INFORMAÇÕES