Cinema latino-americano

Duas ou três coisas que o cinema argentino pode ensinar ao do Brasil

Axel Kuschevatzky desvenda o sucesso de 'O segredo dos seus olhos' e 'Relatos selvagens'

Kuschevatzky, preparado para a transmissão do Oscar.
Kuschevatzky, preparado para a transmissão do Oscar.TNT

“O cinema argentino dá de dez no brasileiro por causa do roteiro...”, ouve-se o tempo todo por aqui. E por que esta leitura, quando se compara a sétima arte dos dois países? Uma das marcas da cinematografia argentina contemporânea é saber contar muito bem uma história. Mas há outros fatores por trás do sucesso que os filmes produzidos na Argentina nos últimos anos têm alcançado dentro e fora do país e que, assim como o talento dos roteiristas, podem inspirar o cinema do Brasil.

Basta analisar o sucesso de um jovem produtor de Buenos Aires que está ajudando a escrever a história recente do cinema no país vizinho e que recentemente emplacou dois longas-metragens na disputada lista de finalistas ao Oscar estrangeiro. Axel Kuschevatzky, 43 anos, ergueu a estatueta da Academia logo na sua estreia como produtor cinematográfico, em O segredo dos seus olhos, de Juan José Campanella, em 2010. Quase repetiu o feito este ano, com a indicação de Relatos selvagens, de Damián Szifrón.

Ambas são boas produções de sucesso que provam que a Argentina entrou definitivamente no radar de Hollywood. “Se você pensar, são filmes de gênero com um forte olhar autoral. São massivos, mas revelam um código, despertam interesse... Enfim, têm algo a dizer”, diz Kuschevatzky. Será casualidade que os dois chegaram tanto aos Oscar como à casa do vizinho? “Não acredito em casualidades. Há uma combinação de fatores, do talento dos diretores à estratégia de lançamento. Por trás de ambos, há uma força criativa e também estratégica." Criatividade e viabilidade comercial, algo a se ter em mente no Brasil também.

Imagem de divulgação do filme 'Relatos selvagens', selecionado também para o cultuado Festival de Cannes.
Imagem de divulgação do filme 'Relatos selvagens', selecionado também para o cultuado Festival de Cannes.

Sobre a fama do roteiro argentino no Brasil, esse profissional tão polivalente é rápido em afirmar que “nada é mais importante do que a narrativa”. Mas não se resume a entoar a mesma cantiga de sempre. “O Brasil deve continuar construindo seu próprio estilo narrativo, cuidar de sua tradição cinematográfica e tentar forjar, junto com os vizinhos latino-americanos, um star system próprio, com artistas como Ricardo Darín, Rodrigo Santoro, Alice Braga e outros...”, opina. Sempre bom lembrar, afinal, que o cinema é uma arte coletiva.

Mesmo casado com a telona, Kuschevatzky se relaciona também, e muito, com a televisão. Atua há anos na Telefé, do grupo Telefónica, onde conduziu alguns programas e também descobriu a fórmula de adaptar para a realidade argentina o conceito norte-americano dos sitcoms. Escreveu roteiros para as séries La niñera, Casados con hijos, ¿Quién es el jefe?, e com isso estampou uma marca na telinha também. “O cinema tem a vantagem de permanecer no tempo, enquanto a TV é mais efêmera. Mas é impressionante a capacidade da televisão de se conectar com o espectador. São diferentes ferramentas, que oferecem aprendizagem”. Assim, na guerra entre o cinema comercial e o autoral, a Argentina tem optado pelo caminho do meio, respeitando as massas e se aproximando delas.

Profecia do sucesso

Em uma elogiosa entrevista publicada às portas do Oscar 2015, o jornal argentino La Nación afirmou que Kuschevatzky “hoje goza do prestígio de ser um dos produtores mais bem-sucedidos da Argentina”. E foi exatamente Campanella, o diretor argentino de maior carreira internacional, quem viu nele a veia para a produção. “Você daria um ótimo produtor”, profetizou o homem por trás tanto de Segredo dos seus olhos, como de O filho da noiva. E não estava errado, como comprovam não só os sucessos já citados, mas filmes a que ele esteve associado e que foram muito bem, obrigado, tanto em repercussão como em bilheteria. Dois exemplos são a comédia Um conto chinês (que arrecadou na Argentina 4,4 milhões de dólares e foi amplamente distribuída no exterior) e a animação Um time show de bola (que fez quase 110.000 espectadores no país só no dia de estreia), ambas vencedoras nos prêmios Goya de 2011 e 2014.

MAIS INFORMAÇÕES

“Esses elogios são completamente exagerados. Desde 1995, há uma tradição de cineastas argentinos em constante produção. Essa constância é o que possibilitou que hoje exista uma produção bem-sucedida no país, e eu apenas faço parte dessa geração”, explica. Sobre o empurrão de Campanella, ele admite que “mudou minha vida” e conclui que “não tem mais do que agradecer” ao “amigo de muitos anos e narrador incrível que ele é”. A primeira lição de Axel, portanto, é a humildade.

Mas é preciso investigar seu passado para encontrar mais que isso. Sua relação com a sétima arte vem de casa e, talvez por isso, seja visceral. “Todos na minha família sempre gostaram de ver filmes. O cinema é uma das coisas que mais amo na vida. Gosto de tudo, só que dos filmes bons um pouco mais do que dos ruins”, ele conta. Tanto é assim, que – mais jovem ainda, porém já cinéfilo – participou de um quiz televisivo sobre cinema e ganhou. O prêmio era em dinheiro, e com ele Axel fundou sua própria revista de cinema, La cosa cine, publicada regularmente há 20 anos. “O cinema me capturou”.

A se julgar por mais um papel que Axel Kuschevatzky desempenha no mundo do cinema – o de apresentador da cerimônia do Oscar para o canal TNT, entrevistando estrelas do tapete vermelho para a América Latina há 11 anos –, a diversão também é importante. “Me divirto muito. É uma hora ao vivo, e me preparo lendo e vendo tudo sobre os indicados”. Isso sim, sem puxa-saquismo ou preconceitos. “Lembro do ano em que O segredo de seus olhos ganhou. Muitos faziam as perguntas a mim, sobre meu filme”, contou ao La Nación.

Arquivado Em: