Germanwings é uma das companhias aéreas que mais crescem na Europa

Filial da Lufthansa transportou 1,9 milhão de passageiros só na Espanha em 2014

Madri -
Um A320 da companhia alemã Germanwings.
Um A320 da companhia alemã Germanwings.

A Germanwings, dona do avião que caiu nesta terça-feira na rota Barcelona-Düsseldorf, é uma filial de baixo custo da gigante alemã Lufthansa, que vem lhe transferindo boa parte dos seus voos de curta e média distância. É uma das companhias aéreas que mais crescem na Europa.

Em 2014, apenas na Espanha, a Germanwings transportou 1,9 milhão de passageiros  segundo estatísticas da AENA (empresa espanhola de administração aeroportuária), o que significou um crescimento de 67,9% no ano, melhor resultado entre as 20 maiores companhias por número de passageiros no país. A Espanha é o terceiro país com mais voos da Germanwings, sendo superada apenas por Alemanha e Itália.

As ações da Lufthansa, que eram negociadas a 14 euros (48 reais) por volta das 11h, antes da notícia do acidente, caíram para 13,25 euros. Depois das 12h (7h em Brasília) se recuperaram ligeiramente, limitando a baixa a 1% com relação ao fechamento da segunda-feira.

No final de 2012, a Lufthansa anunciou oficialmente a transferência das suas rotas europeias para a Germanwings, exceto aquelas operadas a partir dos aeroportos de Frankfurt e Munique, seus dois polos para conexões. Para isso, as duas empresas elaboraram um ambicioso plano que começou a ser implementado há pouco mais de dois anos.

Em março de 2013, a Germanwings começou a operar algumas rotas da Lufthansa a partir do aeroporto de Hamburgo, abrindo assim sua sexta base dentro da Alemanha e oferecendo também novas rotas que a Lufthansa não operava a partir dessa cidade do norte da Alemanha. Os novos voos se estenderam então a outros aeroportos, até que em dezembro de 2014 a Lufthansa apresentou seu novo conceito de voos de baixo custo. Um dos principais itens desse projeto consiste na comercialização conjunta das duas companhias de baixo custo da Lufthansa sob o nome único de Eurowings. Assim, a Germanwings passará a operar voos para a Eurowings a partir do segundo semestre deste ano.

A frota da Germanwings tem um pouco mais de 80 aviões, com idade média de 12,5 anos.

A criação da Germanwings provocou conflitos trabalhistas na Lufthansa, algo semelhante ao que ocorreu na Iberia e Iberia Express. Em uma estratégia similar à adotada por outras companhias aéreas europeias, ávidas por reduzirem custos, a Lufthansa cedeu parte das suas rotas europeias para a Germanwings, um movimento que causou intensos conflitos trabalhistas que recrudesceram no último ano.

O estopim da recém-anunciada rodada de paralisações da Lufthansa – a primeira de 2015 – é a mudança na idade de aposentadoria dos jovens pilotos da companhia. Até agora, os comandantes podiam optar por afastamentos com benefícios aos 55 anos – uma espécie de aposentadoria precoce, com 60% do salário-base –, mas a matriz pretende ampliar esse limite etário até 61 anos para os novos contratados.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS