AO VIVO | Ato contra Dilma em São Paulo é maior da democracia. Siga

Na capital paulista, onde rejeição à presidenta é alta, protesto ultrapassa, segundo a PM e o Datafolha, o número no auge dos protestos de junho de 2013 Mais cedo, atos reuniram 100.000 em quatro capitais: 45.000 em Brasília, 25.000 no Rio, 24.000 em Belo Horizonte e 20.000 em Belém

Milhares, de verde e amarelo, protestam no Rio.
Milhares, de verde e amarelo, protestam no Rio.A. L. (EFE)

Os protestos contra o Governo da presidenta Dilma Rousseff começaram cedo no Brasil, em cidades como Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Belém do Pará. Só essas quatro capitais reuniram mais de 100.000 pessoas, segundo estimativa inicial da Polícia Militar de cada região, até a hora do almoço deste domingo: 45.000 na capital, 25.000 no Rio, 24.000 em Belo Horizonte e 20.000 em Belém. Em São Paulo, ato reuniu mais de um milhão de pessoas, segundo contabilidade da PM divulgada às 15h. Medição do instituto Datafolha (http://ow.ly/KmtBh) contou 210 mil em São Paulo. Segundo eles, é a maior manifestação política da democracia na cidade. Por qualquer régua, da PM ou do Datafolha, é o maior ato desde 1984.

Em plena crise política, três são os grupos principais que organizaram os atos anti-Dilma, em meio a divergências. Com ideologias diferentes, há os que defendem o impeachment da presidenta e os que não. A marcha, que já reúne milhares pelo Brasil, recebeu apoio intenso nas redes sociais nos dias prévios. A polarização na Internet segue os padrões de forte embate experimentados durante a campanha eleitoral do ano passado.

EL PAÍS BRASIL
Encerramos aqui nossa transmissão ao vivo. Veja a nossa cobertura completa dos protestos deste domingo, que levaram milhares de pessoas às ruas do Brasil em mais de 20 estados: http://cort.as/D5VT
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
FOTOGALERIA | Veja imagens das manifestações deste domingo pelo Brasil http://cort.as/Qcur Foto: Miguel Schincariol/AFP
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Segundo o Datafolha, o protesto na avenida Paulista reuniu 100.000 pessoas, menos que os 275.000 calculados pela Polícia Militar. Na manifestação de 15 de março, a PM havia calculado 1 milhão, enquanto o Datafolha, 210.000.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
“Quero melhor educação e saúde para meus filhos, uma obrigação do Estado”, resume a estudante Juliana Bessa, 20 anos, no Rio. Para ela, os serviços só irão melhorar quando acabar a corrupção. Juliana quer o impeachment, “mas não que Temer assuma. Tem que convocar novas eleições”.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
O estudante Fabio Freire, 27 anos, mora em Itaboraí, a mais de 40 Km do Rio. Viajou a Copacabana para mostrar “indignação” e “lutar por um país melhor”. Ele defende o impeachment de Dilma. Sobre terceirização, diz que ainda não entende muito sobre o tema e preferiu não opinar.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
O pintor Mauro Célio Bezerra nunca votou no PT. "Sou contra doação de cesta básica e Bolsa Família. As pessoas têm de ter emprego, e não esmola. Sou a favor do Minha Casa Minha Vida, porque tira a pessoa da favela e dá condição pra viver e trabalhar. Depois ela paga de volta".
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Sob o forte sol de Brasília, a bandeira do Brasil serviu de sombra para os manifestantes que protestaram contra o Governo Dilma. Foto: Lula Marques/Fotos Públicas
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
As amigas Ana Maria, 67 anos, e Eliana, 53, dizem se unir contra o PT “desde a época do Collor”. Na manifestação em Copacabana, se destacavam por pedir intervenção militar temporária “para limpar a sujeira” e, depois, entregar o país a civis sem “filiação partidária”.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Billask, que atua como mímico e é líder comunitário em Itaquera, na zona leste de São Paulo, também mirou na oposição, "que não mostrou a que veio". "Fazer vídeo do YouTube é fácil, Aécio Neves. Quero ver subir aqui com a gente!", discursou, para aplausos na avenida Paulista.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
O ator de teatro Toninho Billask, 48 anos, fez um discurso inflamado contra o PT, no trio elétrico do Movimento Brasil Livre. Ao microfone, ele chamou o ex-presidente Lula de "ladrão e assassino" e pediu que todos os manifestantes "falem mal do PT todos os dias, até na padaria".
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Para o professor de idiomas Marcus, um alemão que mora no Brasil há seis anos, a manifestação de hoje é contraditória: "Acho que a maioria das pessoas que esta aqui [na avenida Paulista] se aproveita, de alguma maneira, do 'jeitinho brasileiro', que nada mais é que corrupção".
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
O cabeleireiro disse não concordar com o impeachment, pois "vem o vice e não muda nada". Ele é a favor da intervenção militar temporária, "pra dar uma varrida no país". "Tem que acabar com tudo e começar do zero, não me pergunte como", disse.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Caracterizado como Dilma, o cabeleireiro Vivaldi Alves, 60 anos, aproveita seus minutos de fama no protesto da avenida Paulista, posando para fotos com manifestantes. "Eles sabem que sou um deles porque estou com a plaquinha", esclarece.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Avenida Paulista: Carla Zambelli, fundadora e porta-voz do movimento 'Nas Ruas', diz que o caminhão de som usado pelo grupo custou 4.000 reais e foi pago com vaquinha. Os adesivos que distribuem foram doados por um centro espírita e as faixas de protesto foram doadas também.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Lizandra de Almeida, de 18 anos, estava na fila para subir no caminhão de som do grupo 'As Ruas'. "Estou aqui porque sou contra a Dilma e o Governo dela, que deixou nosso país na miséria". Quem entraria no lugar de Dilma? "O vice dela, não me lembro o nome dele agora".
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
"Ditadura nunca mais. Se a Dilma mentiu, eles (os militares) mentiram muito mais”.
EL PAÍS BRASIL

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: