Procura-se Bond, Jane Bond

Relatório do Parlamento britânico recomenda recrutar mais mulheres como espiãs Objetivo da recomendação é combater as ameaças à segurança nacional

Homem caminha junto à sede do MI6 em Londres.
Homem caminha junto à sede do MI6 em Londres.t. m. (REUTERS)

O estereótipo do agente secreto britânico como um lobo solitário a serviço de Sua Majestade, dotado de todos os clichês machistas e perpetuado pelos filmes do personagem James Bond, não parece se adaptar às necessidades do mundo atual. O Reino Unido precisa é de mais mulheres espiãs. Essa é a conclusão de um relatório da comissão parlamentar que avalia o trabalho das três agências britânicas de inteligência e segurança (GCHG, SIS e MI5). Uma maior diversidade nas equipes dessas agências proporcionaria “uma melhor resposta às ameaças que nossa segurança nacional enfrenta”, segundo o documento de 63 páginas apresentado nesta sexta-feira pelo Comitê de Inteligência e Segurança. A luta contra o terrorismo, conclui o relatório, seria mais eficaz se se contasse com mais mulheres como espiãs.

O perfil dessas agentes não seria o das atormentadas e sensuais Bond girls. Tampouco o de Carrie Mathison, da série Homeland, entregue obsessivamente ao seu trabalho. Procuram-se mulheres normais. A comissão parlamentar recomenda às agências que se voltem a outros grupos além das recém-graduadas.

As mulheres constituem 37% do pessoal das agências britânicas de inteligência

“As mulheres e mães de meia-idade ou numa etapa intermediária das suas carreiras, que podem ter tirado alguns anos para criar os filhos, são capazes de oferecer um campo de recrutamento não explorado”, observa o relatório. Ele estimula os recrutadores dos serviços de espionagem a utilizarem novos métodos para divulgar as vagas, como o popular site Mumsnet, onde mulheres britânicas compartilham suas experiências na criação dos filhos. “As agências devem examinar seus critérios de seleção de pessoal”, recomenda o relatório. “As mulheres de meia idade têm experiência de vida, mas não necessariamente qualificações acadêmicas convencionais. O que é mais importante?”

Mais informações
Terapia para dedos-duros
O dia em que Snowden se apresentou ao mundo
A onda expansiva desatada por Snowden
A Alemanha dispensa uma empresa dos EUA após a espionagem
Os perigosos amigos do príncipe Andrew, do Reino Unido

Atualmente, as mulheres constituem 37% do pessoal das agências britânicas de inteligência, segundo o relatório. É um percentual menor que o do conjunto dos funcionários públicos, no qual as mulheres passaram de 46% em 1991 para 53% em 2014. Ainda assim, é uma proporção significativamente maior do que no mundo empresarial, onde elas ocupam apenas 23% dos assentos nos conselhos de administração das empresas que compõem o índice FTSE100 da Bolsa londrina.

“A mudança está sendo mais lenta”, observa o relatório, “e no entanto os serviços de inteligência têm uma especial necessidade de uma equipe diversificada”. A presença feminina é ainda menor nos escalões superiores, já que, segundo o relatório, só 19% desses principais cargos são ocupados por mulheres. “Se você se parece comigo, não pode operar nas áreas em que precisamos operar”, relatou à comissão parlamentar um ex-diretor geral do MI5, o serviço doméstico de inteligência. “Estamos progredindo no recrutamento de mulheres negras ou pertencentes a minorias étnicas, mas leva um tempo até que isso se espalhe para toda a hierarquia do serviço.”

“Quando todos os profissionais da inteligência forem selecionados com o mesmo padrão e compartilharem da mesma origem e de características similares”, aponta a deputada trabalhista Hazel Blears, membro do comitê, “provavelmente eles compartilharão preconceitos inconscientes que circunscreverão tanto a identificação dos problemas como a busca por soluções”.

Mães de meia-idade ou numa fase intermediária da carreira são o perfil recomendado

O comitê se reuniu durante meses com os chefes das três agências e considera que eles estão fazendo “um bom trabalho” nesse terreno. “Há um forte compromisso com a busca pela diversidade nas cúpulas das organizações, mas há espaço para melhorar”, diz o relatório. Ele estabelece também seis recomendações para o trabalho das agências nos próximos 12 meses, como a de romper “a tradicionalíssima mentalidade masculina” que impera nos médios escalões e tratar de assuntos como a conciliação da carreira profissional com a maternidade e a criação dos filhos.

O relatório conclui que, dada a inter-relação entre as agências de inteligência dos diferentes países, o recrutamento de mais mulheres espiãs seria um trabalho a ser feito coordenadamente. “Abordar a diversidade de gênero não é algo que o Reino Unido deva fazer de forma isolada”, afirma. “Estamos convencidos de que podemos aprender com as iniciativas dos nossos aliados.” A ex-secretária de Estado norte-americana Madeleine Albright, que dirigiu uma investigação semelhante na CIA, disse que o relatório britânico “ressalta as tremendas capacidades, o talento e a experiência das mulheres que trabalham para proteger a segurança nacional nos serviços de inteligência” no Reino Unido. “Tenho certeza”, acrescenta, “de que todos nos beneficiaremos de uma estreita colaboração nesse assunto vital entre os dois países”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS