CRISE NA UCRÂNIA

Confrontos em Debaltsevo colocam em risco trégua na Ucrânia

Porta-voz militar ucraniano afirma que cinco soldados morreram

Os intensos combates entre as forças ucranianas e os separatistas pró-russos na cidade estratégica de Debaltsevo, localizada entre Lugansk e Donetsk, colocam em risco o frágil cessar-fogo que começou na noite do último sábado. Kiev afirma que não vai retirar o armamento pesado enquanto seus soldados, entre 6.000 e 10.000 segundo fontes, continuarem sendo atacados pelos separatistas pró-russos. Mas estes, por sua vez, exigem a retirada das forças ucranianas.

Denis Pushilin, vice-presidente do Parlamento de Donetsk e representante separatista no Grupo de Contato de Minsk, reiterou na segunda-feira que estão dispostos a organizar um corredor para que os soldados ucranianos cercados em Debaltsevo possam abandonar a região, mas sob a condição de que o façam sem nenhum tipo de armamento. “Propomos que os soldados ucranianos continuem vivos. Há apenas uma condição: que saiam sem armas. Não estamos dizendo que se tornem prisioneiros. Deixem as armas e saiam daqui”, afirmou Eduard Basurin, vice-comandante da autoproclamada República de Donetsk.

Mais informações

Kiev, por enquanto, nega que a situação de suas tropas nessa cidade seja crítica e afirma que os soldados permanecem em suas posições. O porta-voz militar da Ucrânia, Vladislav Selezyov, disse que suas tropas não abandonaram Debaltsevo porque a cidade se encontra no território sob controle ucraniano, segundo o último acordo de Minsk.

Nesta segunda-feira, Andrei Lisenko, porta-voz militar de Kiev, acusou os rebeldes de “quebrarem a trégua em diversos pontos e repetidas vezes” e disse que, como resultado, cinco soldados morreram e 20 ficaram feridos. Já o ministro de Defesa da autoproclamada República Popular de Donetsk, Vladimir Kononov, afirmou que as tropas ucranianas não estão respeitando o cessar-fogo da artilharia. Ele acrescentou que houve ataques contra o aeroporto de Donetsk. Ambas as partes em conflito trocam acusações e afirmam que apenas respondem aos disparos do inimigo.

Os separatistas dizem que estão se preparando para a remoção do armamento pesado, segundo o que foi acertado em Minsk, e esperam começar essa retirada na terça-feira. As autoridades militares de Donetsk afirmam que estão dispostas a permitir que a imprensa acompanhe a remoção, que deve ser concluída em 14 dias. As autoridades militares ucranianas anunciaram que também estão preparadas para retirar suas armas pesadas da linha de combate.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50