Atenas reduz exigências e se aproxima de um acordo com o Eurogrupo

Governo de Tsipras apresenta a seus sócios do euro um plano para diminuir as diferenças

Varoufakis, ministro de Finanças, e Tsipras, na terça-feira em Atenas.
Varoufakis, ministro de Finanças, e Tsipras, na terça-feira em Atenas.a. k. (reuters)

Acordo-ponte, contrato, alívio financeiro: esses são os eufemismos em voga em Bruxelas em meio à busca de um acordo europeu com a Grécia que ajude a digerir politicamente as concessões que os dois lados deverão fazer, mas especialmente o grego. O Governo de Syriza começou na terça-feira a ceder terreno nas negociações. Apesar da forte retórica dos últimos dias, o ministro de Finanças, Yanis Varoufakis, apresentará ao Eurogrupo na quarta-feira a proposta de Syriza, que começa a parecer aceitável para os sócios. Ainda faltam inumeráveis arestas para polir – algumas bem sérias – e é improvável que se chegue a um pacto até o fim do mês, mas entre os planos da Grécia não há mais rastros de perdão de dívidas, nem a recusa de um terceiro resgate associado a novas condições, as duas linhas vermelhas que impediam qualquer vislumbre de acordo. As posições começam a se aproximar: a Grécia está disposta a aceitar uma “extensão técnica” do resgate atual até agosto, para chegar a um pacto sobre um novo programa, resgate ou “contrato”, como Berlim começa a chamar, com um horizonte olímpico de quatro anos.

O cenário europeu exige um pouco de dramatismo que também é conveniente, em termos políticos, a Atenas. No entanto, as linhas centrais da proposta de Alexis Tsipras já coincidem, em grande parte, com as pretensões dos sócios europeus. Bruxelas descarta um acordo “iminente”, segundo um porta-voz, e as fontes consultadas consideram que a retórica enérgica utilizada por Atenas “é uma estratégia de negociação que não beneficia ninguém e que afasta a Grécia de seus objetivos”.

Mas a verdade é que o pacto está mais próximo, porque a Grécia vai se aproximando das exigências europeias. Apesar de ninguém esperar um acordo no Eurogrupo na quarta-feira. Diferente da contundência habitual nas declarações do ministro alemão Wolfgang Schäuble, o espanhol Luis de Guindos afirmou que participará da reunião com “a cabeça aberta” e consciente de que sempre há “divergências” entre o discurso para a própria opinião pública e o que é dito “dentro”, na sala de negociações. E adiantou que ninguém espera um pacto antes da próxima semana. A primeira metade da partida parece salva, a julgar pelas características do plano grego:

Já se aceita uma extensão do resgate e o cumprimento de 70% das condições

» Programa-ponte. A Grécia, que se negava a prorrogar o resgate atual, aceitaria inclusive chamar de “extensão técnica” até agosto, o programa que expira no final de fevereiro. O objetivo é cobrir os vencimentos de sua dívida com o BCE (6,6 bilhões de euros – 21 bilhões de reais). Atenas propõe ativar 70% das reformas combinadas, e substituir os 30% restantes – as medidas que são consideradas “tóxicas” – por um pacote de 10 reformas decididas junto com a OCDE. Em troca não quer a parte final do resgate (7,2 bilhões de euros – 23 bilhões de reais) para não ser obrigada a cumprir com todas as condições. Varoufakis reclama para a Grécia os 1,9 bilhão de euros (6 bilhões de reais) procedentes dos lucros obtidos pelos bancos centrais com a dívida grega (apesar de que o programa condiciona esse dinheiro ao cumprimento de todas as condições). E para esse período de transição, quer que seja permitido elevar em 50% o limite de dívida que a Grécia pode emitir. Bruxelas avisa que os sócios “não aceitam paralisar as privatizações e não acham realista a realização apenas das reformas estruturais enquanto as medidas fiscais e macroeconômicas ficam descuidadas”.

Mais informações

» Lassitude fiscal. O resgate atual previa um superávit primário (antes do pagamento dos juros) de 3%, que a Grécia quer reduzir a 1,5% para ter mais margem.

» Negociação da dívida. Atenas pretende renegociar até o final de agosto um alívio financeiro da dívida, com os 240 bilhões de euros (770 bilhões de reais) nas mãos da UE e do FMI. E insiste em acabar com a troika. Varoufakis propõe uma troca dos títulos atuais por dívida ligada ao crescimento e dívida perpétua. Os sócios veem apenas margens para diminuir juros e ampliar prazos.

» Medidas humanitárias. O Governo quer gastar cerca de 1,9 bilhão de euros (6 bilhões de reais) em alimentos e eletricidade às famílias mais pobres, em programas para os desempregados há mais tempo, voltar a saúde universal e dar um aumento aos pensionistas que ganham menos de 700 euros por mês.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: