Seleccione Edição
Login

Ex-funcionário do HSBC que vazou dados internos ajudará Podemos

Iglesias vai acertar detalhes do acordo para elaboração de um relatório sobre fraude fiscal

Fotografia de arquivo de Hervé Falciani. Ampliar foto
Fotografia de arquivo de Hervé Falciani. EFE

Hervé Falciani, o especialista em informática que entregou às autoridades francesas a lista de milhares de pessoas que estavam evadindo impostos, com contas no braço suíço do banco HSBC, vai colaborar com o Podemos na elaboração de um relatório sobre fraude fiscal. O partido de Pablo Iglesias deixou o trabalho a cargo de Falciani, que, depois de aceitar a proposta, marcou para a tarde desta segunda-feira reunião por videoconferência com o secretário-geral do partido.

Isso foi confirmado por Luis Alegre, secretário de Participação do Podemos e coordenador do gabinete de Iglesias, depois da reunião da Executiva da formação. “A luta contra os paraísos fiscais e a evasão sempre foi uma das prioridades do Podemos”, disse Alegre, acrescentando que o partido considera que “a informação que ele tem é extremamente valiosa para os interesses do país”. “Falciani sabe que ao Podemos não vai faltar vontade política”, afirmou. Mesmo assim, Alegre disse que essa colaboração não pressupõe uma adesão ao Podemos, mas um trabalho específico.

A notícia dessa contratação coincide com a publicação nesta segunda-feira de mais detalhes da chamada lista Falciani. Entre 2006 e 2007 o banco HSBC em Genebra implantou todo um sistema com ramificações em vários paraísos fiscais para facilitar a evasão de impostos de pelo menos 2.500 clientes, entre os quais se encontrariam várias celebridades internacionais e espanholas. Essa é a conclusão da investigação dos dados da lista Falciani feita por um grupo de jornalistas de 42 países, entre eles repórteres de meios como o Le Monde e o The Guardian, integrantes do ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos).

Os cantores David Bowie e Tina Turner, o rei do Marrocos, Mohamed VI, o piloto de moto Valentino Rossi, os pilotos Michael Schumacher e Fernando Alonso, a modelo Elle Mac Pherson, o ator John Malkovich, o jogador de futebol Diego Forlán, o estilista Valentino e o empresário Fabio Briatore estariam, segundo essa informação, entre os clientes que o HSBC ajudou na ocultação de centenas de milhões de euros. Nela também figura o nome do falecido Emilio Botín, presidente do Santander, que teria se valido de sociedades no Panamá e nas Ilhas Virgens do HSBC para ocultar os 2 bilhões de euros (mais de 6 bilhões de reais) de sua fortuna que se viu obrigado a regularizar com o pagamento de 211 milhões de euros em impostos na Espanha, de acordo com publicação feita neste domingo pelo El Confidencial, que diz ser parte do consórcio de investigação.

Montoro pede a Iglesias que apresente as declarações dos membros do Podemos

EP

O ministro da Fazenda, Cristóbal Montoro, instou o secretário-geral do Podemos, Pablo Iglesias, a “baixar a voz”, ao mesmo tempo que lhe pediu que os membros do Podemos entreguem seus dados à Fazenda. “Pablo Iglesias se explica muito bem, mas se baixar o tom de voz e apresentar as declarações de todos os membros de seu partido estará atendendo melhor a todos os espanhóis”, afirmou.

“O senhor Iglesias se mostra alterado quando se refere a grandes assuntos públicos; gosta de berrar e erguer os punhos”, disse Montoro. “Neste país não acontece nada com quem cumpre a lei e cumpre com o pagamento de impostos”, declarou o ministro.

O titular da Fazenda se referiu também aos novos casos de evasão fiscal, conhecidos graças à lista Falciani. Segundo Montoro, há mais casos recentes. “Tudo o que está surgindo é da legislatura anterior, é um assunto antigo, e, se lhes parece interessante, imaginem o que há agora, depois do que foi feito na Espanha nesta legislatura; tudo que estão vendo é como um aperitivo do que está nos computadores da Agência Tributária”, disse Montoro, em resposta a jornalistas em Sevilha.