Governo e empresas se enfrentam por falta de absorventes na Argentina

Importadores atribuem a escassez à dificuldade de comprar dólares

A presidenta argentina, Cristina Kirchner.
A presidenta argentina, Cristina Kirchner.

O verão da Argentina é um sucesso. As praias da costa atlântica estão cheias. Alguns analistas afirmam que é porque terminou a crise do ano passado. Outros acrescentam que a desvalorização de 2014 e os controles para comprar divisas desencorajam as férias no Uruguai ou no Brasil. A questão é que o mar e a areia estão abarrotados, as piscinas de todo o país também, incluindo as de lona que as classes mais baixas instalam em suas casas, mas faltam absorventes internos para as mulheres que querem dar um mergulho.

Mais informações

Nas farmácias e supermercados de toda Argentina, mas especialmente na costa da província de Buenos Aires, é difícil encontrar estes produtos de higiene feminina. Em alguns lugares encontra-se o cartaz alertando: “Não há absorventes internos. Estão em falta.” A falta de absorventes internos esta semana se transformou em tema de discussão em quase todos os meios de comunicação e o governo de Cristina Fernández de Kirchner decidiu tomar medidas sobre o assunto.

O gerente-geral da Câmara de Importadores da Argentina, Miguel Ponce, atribuiu a escassez a que “nos últimos 15 dias de dezembro e nos cinco primeiros de janeiro não foram liberadas divisas no Banco Central” para compras no exterior, por causa da falta de divisas que atinge o país desde 2011. “As farmácias estão sem estoque do produto, temos dificuldades há vários meses, mas nos últimos 15 ou 20 dias aumentou o problema por causa do maior consumo que normalmente ocorre no verão”, acrescentou o tesoureiro da Confederação Farmacêutica Argentina, Ricardo Presenti. “Durante o ano, as mulheres usam absorventes externos, mas no verão precisam mais do interno. Nossos fornecedores dizem que a falta é por problemas de importação”, acrescentou Presenti.

O Ministério da Economia, dirigido pelo poderoso Axel Kicillof, divulgou através de seus porta-vozes que o problema seria resolvido a partir da próxima segunda-feira com importações do Brasil. Também informaram que o ministério tinha autorizado as empresas norte-americanas Johnson & Johnson e Kimberly Clark a importar absorventes internos, mas que estas não tinham aproveitado todo o contingente solicitado.

O Ministério da Economia afirmou que o problema seria resolvido a partir da próxima segunda-feira com importações do Brasil

O debate chegou à entrevista coletiva diária com o chefe de gabinete, Jorge Capitanich. “Há produtos que são mais sensíveis do que outros e isso não tem nada a ver com as autorizações devidamente aprovadas, mas basicamente com uma estratégia de natureza comercial dos importadores”, disse Capitanich na quarta-feira, que assumiu o cargo há um ano com certas aspirações presidenciais, mas agora não está entre os sete candidatos kirchneristas que vão brigar nas primárias de agosto para suceder a presidente Cristina. Até em Página 12, pró-Governo, advertiram: “Este planejamento errado [das empresas] ocorre no contexto de um emaranhado administrativo das declarações juradas [controles] de importação que não facilita a adaptação às mudanças bruscas no volume de demanda, como exige a situação atual”.

Os controles de importação começaram a se generalizar na Argentina, em 2011, por causa da escassez de divisas no país. No início, provocaram algumas carências importantes, tais como insulina, medicamentos contra o câncer e livros, que logo foram resolvidas, e outras mais triviais, como marcas de roupas de luxo. Fazia tempo que não havia uma escassez chamativa até que desapareceram os absorventes internos.