Eleições na Grécia

A Grécia mergulha na campanha eleitoral em um clima de polarização

A permanência na Europa e o medo dos planos de Syriza dominam o debate no país

Andonis Samaras, primeiro-ministro grego, em Atenas.
Andonis Samaras, primeiro-ministro grego, em Atenas.ALKIS KONSTANTINIDIS (REUTERS)

A campanha eleitoral grega começa em um ambiente de máxima polarização no qual o protagonista principal é o partido de esquerda Syriza, favorito de acordo com todas as sondagens para vencer as eleições antecipadas de 25 de janeiro. Depois da dissolução do Parlamento na terça-feira, a posição do governo de Atenas, as chancelarias da UE, Bruxelas e o FMI foram unânimes: a proposta de ruptura do Syriza ameaça a estabilidade institucional e poderia colocar em perigo a ligeira recuperação da economia.

Mais informações

O líder da formação, Alexis Tsipras, respondeu este argumento na própria segunda-feira em sua primeira aparição de campanha, em um cinema em Atenas, algumas horas após a convocatória eleitoral: “Serão ditas muitas mentiras, mentiras terríveis sobre o Syriza, porque esta será uma campanha do medo”, disse, referindo-se às declarações do primeiro-ministro atual, o conservador Andonis Samaras, sobre a hipotética quebra do país se o partido ganhasse, defensor da revisão dos termos da dívida grega.

“Nós não brincamos com a Grécia” será um dos slogans do partido conservador Nova Democracia, o partido de Samaras, nesta campanha. “As eleições foram convocadas pelo egoísmo de alguns partidos”, disse nesta terça-feira antes da reunião com o presidente Karolos Papoulias, para formalizar o processo de dissolução da Câmara. A referência era um dardo contra o Syriza, o início de uma campanha na qual não haverá debates programáticos nem sutilezas ideológicas, apenas espectro crescente e apocalíptico: o da saída da Grécia do euro. “O que está em jogo nestas eleições é a permanência da Grécia na Europa, por isso devemos votar com responsabilidade”, disse o primeiro-ministro. Como na eleição de 2012, a mensagem é votar corretamente, embora o que é certo e errado seja radicalmente diferente de acordo com os lados. Para Samaras, certo é a linha de seu sucesso econômico (success story, como chamam os gregos), com a realização de um superávit primário, volta aos mercados antes do prazo previsto, redução mínima do desemprego e crescimento de 0,7% no terceiro trimestre deste ano.

Em um cenário que, em alguns aspectos, parece uma cópia carbono do tumulto político de 2012, o temido e gasto Grexit (trocadilho em Inglês que significa “saída da Grécia” da zona do euro) volta hoje, embora a possibilidade de contágio na zona do euro seja agora menor que antes, já que a maior parte da dívida (90%) está em mãos de Governos da UE e do FMI. Mas é uma possibilidade que alguns não descartam: “Não é absurdo dizer que a Grécia poderia abandonar o euro, e que isso teria um impacto menor do que em 2012, mas ainda assim seria perigoso”, declarou ontem um analista citado pela agência Reuters.

O que mais inquieta os partidos gregos, Bruxelas e o FMI é o programa socioeconômico do Syriza. Os principais pontos propostos são a eliminação de parte da dívida (por exemplo, contraída pela recapitalização dos bancos, cerca de 50 bilhões de euros – 160 bilhões de reais – do segundo resgate), o pagamento do saldo restante somente se houver crescimento e não por cortes no orçamento, um programa urgente de criação de emprego, luta total contra a evasão fiscal – um mal endêmico na Grécia –, o aumento do salário mínimo e a recuperação dos acordos coletivos, que foram varridos pela reforma trabalhista.

Em outras palavras, trata-se, segundo a formação de esquerda – que moderou seu discurso nos últimos meses; já não fala, por exemplo, de sair da OTAN como na campanha de 2012 – de reverter a crise humanitária no país, depois de seis anos de recessão e quatro de obediência à troika em troca de 240 bilhões de euros de dois resgates. O programa dos 100 primeiros dias de governo, chamados Programa Salônica, prevê uma injeção imediata de 2 bilhões de euros (6 bilhões de reais) para aliviar as necessidades mais prementes da população. E essa é a parte irrenunciável do programa de emergência; no resto, o partido mostra-se aberto ao diálogo com os sócios e credores europeus, uma delegação deles deve voltar a Atenas em janeiro.

As pesquisas diárias confirmam que a diferença entre o Syriza e o conservador Nova Democracia (ND), partido de Samaras, está diminuindo. Ontem foi de 3% (28,1% contra 25,1%), de acordo com uma pesquisa realizada por um canal de televisão privado. São porcentagens muito semelhantes, só que no sentido inverso, ao que aconteceu nas eleições de 2012: ND obteve 29,7% dos votos e o Syriza, 26,9%. Mas o resultado final não depende apenas do desempenho dos partidos na campanha, nem do bônus de 50 cadeiras que a lei reserva ao vencedor, mas a um complicado sistema proporcional: também contam, embora não entrem no Parlamento, os partidos que não superem o limite de 3% dos votos. Assim, por exemplo, se estes reúnem 7% dos votos, o vencedor deve superar 37,6% para atingir a maioria absoluta (151 cadeiras); se os pequenos concentrarem 12%, o vencedor precisa de apenas 35,6%, números inatingíveis segundo as pesquisas de intenção de voto e a previsível fragmentação da Câmara, com a entrada de novos partidos. A distribuição de cadeiras, além disso, é proporcional às circunscrições, com valores diferentes.

O discurso do medo como programa eleitoral e o temor da cidadania de uma recaída na crise empurram muitos a pensar que a diferença entre os dois partidos poderia se reduzir ainda mais nestas quatro semanas. Outros, como o cientista político Babis Kuyemitros, acreditam que as mensagens apocalípticas e as ameaças veladas de Berlim e Bruxelas “podem dar mais votos ao Syriza. As pessoas estão cansadas de tanta interferência estrangeira, de que sejam tratadas como crianças que precisam de tutela. Somos um país soberano. Embora o medo seja livre e poderia incentivar o voto útil: um apoio com restrições ao ND. De nenhuma outra maneira pode-se explicar a contradição que 1/3 dos eleitores prefira uma coligação de governo da ND, e apenas 23,7% uma coligação liderada pelo Syriza”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: