Colômbia

Presidente da Colômbia suspende diálogo com as FARC

Negociação foi suspensa após a guerrilha capturar um general e outras duas pessoas

O general Rubén Darío Alzate.
O general Rubén Darío Alzate.

Poucas horas depois do sequestro do general Rubén Darío Alzate e de duas pessoas que o acompanhavam – um cabo e uma advogada da corte marcial –, em uma região de selva do departamento de Chocó, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, suspendeu de maneira unilateral as negociações de paz que o Governo vem mantendo há quase dois anos com a guerrilha das FARC em Havana, em Cuba. Santos também exigiu a libertação imediata dos reféns: “Esta negociação está suspensa até que a situação seja esclarecida e essas pessoas sejam libertadas”.

O mandatário colombiano, que se reuniu com a cúpula militar na noite de domingo na sede do Ministério da Defesa, anunciou ainda que delegados do Governo não irão para Havana nesta segunda-feira, como planejado.

O general foi sequestrado em um vilarejo conhecido como Las Mercedes. O ministro da Defesa, Juan Carlos Pinzón, disse que todos os indícios apontam à guerrilha como responsável. “De acordo com as informações de inteligência recolhidas, as operações vinham sendo adiantadas em uma região próxima. O relato de quem esteve nos locais das ocorrências e que conseguiu evitar ser também capturado é de que os sequestradores são membros da Frente 34 das FARC, uma das facções que comete crimes naquela área”.

MAIS INFORMAÇÕES

Alzate desapareceu durante uma inspeção das obras de um projeto energético que o Exército colombiano está executando naquela região do país. Segundo os jornais locais, que tiveram acesso a um relatório militar, o general se deslocava em um bote pelo rio Atrato e decidiu parar em Las Mercedes, local de alta presença de guerrilheiros a apenas 20 minutos de Quibdó, a capital do departamento, apesar de ter sido advertido a não fazê-lo.

“Quando já estavam dentro da comunidade, os militares e a advogada foram surpreendidos por guerrilheiros da Frente 34 das FARC, que saíram das casas e imediatamente tomaram o general como refém, apesar de ele estar vestido à paisana”, diz o El Espectador em sua edição digital, citando fontes militares.

A pessoa que aparentemente trouxe a notícia do sequestro seria o soldado que conduzia o bote usado pelo general Alzate e sua comitiva. “Ministério da Defesa e Comandante-Geral: quero que me expliquem por que o general Alzate rompeu todos os protocolos de segurança e estava à paisana em uma zona vermelha”, escreveu Santos nas redes sociais, cobrando explicações da cúpula militar.

O sequestro ocorre dois dias depois de as FARC admitirem que têm em seu poder dois soldados que caíram em suas mãos durante confrontos ocorridos em 9 de novembro. A guerrilha, que considera esses soldados como “prisioneiros de guerra”, defende que não violou a ordem dada por sua cúpula em janeiro de 2012 de não voltar a realizar sequestros com fins extorsivos.

A Força-Tarefa Titán, comandada por Alzate, foi criada no início deste ano e conta com cerca de 2.500 soldados, que têm como missão combater duas frentes das FARC (34 e 57) e a frente de guerra ocidental do ELN, que tem forte presença em Chocó.

A suspensão provisória do diálogo se dá apenas dois dias antes de se completar dois anos do início do processo de paz com a guerrilha, no qual uma das regras da negociação foi a de que, apesar do diálogo em Havana, não haveria uma trégua formal na Colômbia.

Arquivado Em: