Dilma diz que Brasil vai ajudar o Catar a organizar Copa do Mundo de 2022

Presidenta se ofereceu para "intercambiar experiências" para a realização da Copa de 2022

Dilma encontra o emir do Catar, xeque Tamim bin Hamad Al Thani.
Dilma encontra o emir do Catar, xeque Tamim bin Hamad Al Thani.R. Stuckert F. (PR)

A presidenta Dilma Rousseff ofereceu-se para "intercambiar experiências" com o Catar para a realização da Copa do Mundo de Futebol de 2022 no país árabe, formalizando assim o apoio do Brasil à organização do evento, apesar das persistentes polêmicas, relacionadas com as altas temperaturas que enfrentarão os jogadores e com as degradantes condições de trabalho dos operários, e também dos percalços por que passou a organização do evento no Brasil.

Mais informações
A Copa do Mundo de 2014 é a mais poluidora da história dos Mundiais
Um gosto agridoce depois da Copa
Um legado inesquecível
Jogadoras contra o gramado artificial na Copa do Mundo

Em uma rápida visita ao Catar, Rousseff enfatizou que o país ajudará com sua experiência no evento esportivo contribuindo com tudo o que aprendeu na última Copa do Mundo, que recebeu da FIFA a nota 9,25, 0.25 a mais do que a nota atribuída à organização do evento pela África do Sul quatro anos antes. Apesar da nota alta e dos poucos incidentes durante a Copa do Mundo deste ano, a organização brasileira do evento foi criticada por entregar estádios muito custosos em cima da hora e por não conseguir deixar todo o legado de infraestrutura prometido antes do evento.

O tal "intercâmbio de experiências" mencionado por Rousseff já começou, contudo. Há alguns dias, o ministro de Esportes, Aldo Rebelo, participou do Doha Goals International Forum e, além disso, o emir Hamad bin Jalifa al Thani, com quem a presidenta mantêm tratativas no Catar, viajou para o Rio de Janeiro em julho para assistir à final da Copa entre Alemanha e Argentina.

Cooperação bilateral

No encontro, também foi discutida a interconexão no setor de transportes aéreos e a cooperação bilateral em terceiros países. Além disso, Rousseff agradeceu pessoalmente ao emir a realização do 'Ano da Cultura Brasil-Catar', evento que comemora os 40 anos de relações diplomáticas entre os dois países, informou o Palácio do Planalto em um comunicado.

Dilma também foi recebida pela xeica e presidenta da Qatar Foundation, Mozah bint Nasser Al Missned. Depois de fazer escala no Catar, Dilma continuou sua viagem até a Austrália, onde participará da cúpula do G-20 que acontece neste fim de semana em Brisbane. Um de seus principais compromissos será a reunião dos líderes do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), que se encontrarão no sábado.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS