Expansão do vírus

Enfermeira espanhola que se curou do ebola deixa o isolamento

Após resultado negativo, Teresa Romero foi transferida de andar no hospital Carlos III

Teresa Romero (centro) posa, neste sábado, com colegas e o marido.
Teresa Romero (centro) posa, neste sábado, com colegas e o marido.

Teresa Romero, a auxiliar de enfermagem que contraiu o ebola quando atendia o missionário repatriado Manuel García Velho, deixou no sábado o isolamento em que permanecia desde 6 de outubro. A equipe médica recebeu os resultados das análises de fluidos que confirmam que já não há presença do vírus. Com isso, os médicos decidiram levantar as medidas de isolamento.

Mais informações

Romero foi transferida para um quarto convencional do quinto andar do hospital, o mesmo onde permaneceram em quarentena as 15 pessoas que tiveram contato com ela e eram consideradas casos de risco. Os profissionais que tratam dela não utilizam os trajes de proteção, confirmam fontes do centro.

Romero, primeira contagiada com ebola fora da África por contato com um doente, foi declarada oficialmente curada em 21 de outubro, mas se decidiu que continuasse isolada no hospital Carlos III de Madri por mais alguns dias. A equipe médica determinou que era melhor confirmar que não havia resquício do vírus em seu organismo antes de relaxar as rigorosas medidas de segurança para evitar contágios. Quando os médicos anunciaram que estava livre do vírus, asseguraram que já podia ser considerada uma paciente normal, não infecciosa, e que poderia receber visitas de familiares. Novos dados resultantes de uma análise levaram a equipe a “exercer a máxima prudência” e esperar que todos os fluidos dessem negativo.