Falha de segurança

Pela segunda vez em um mês, intruso invade a Casa Branca

Dominic Adesanya, de 23 anos, foi neutralizado por cães antes de chegar ao edifício

Agente do Serviço Secreto na Casa Branca. Reuters Live! / AP (reuters_live)

A Casa Branca, residência dos presidentes dos Estados Unidos, sofreu na noite de quarta-feira a segunda invasão em pouco mais de um mês. Um jovem de 23 anos identificado como Dominic Adesanya, que estava desarmado, saltou a cerca que rodeia o lar do presidente Barack Obama, segundo a imprensa, mas não chegou a entrar no edifício. O homem, natural de Maryland, foi detido e “transferido imediatamente ao hospital para ser avaliado”, disse um porta-voz do Serviço Secreto citado pela agência France Presse.

MAIS INFORMAÇÕES

Desta vez, ao contrário do ocorrido no mês passado, os agentes soltaram os cães de ataque, o que permitiu deter o intruso antes que ele alcançasse o edifício, onde o presidente Obama se encontrava naquele momento, segundo a imprensa local. A residência permaneceu bloqueada durante os 90 minutos posteriores ao ataque. Os cães foram atendidos por um veterinário após receberem vários socos e chutes do invasor, segundo o jornal The Washington Post.

A invasão ocorreu no mesmo dia em que EUA e Canadá elevaram todos os seus níveis de alerta por causa dos disparos feitos no centro de Ottawa por Michael Zehaf-Bibeau, de 32 anos e convertido ao islamismo, que acabou com a vida de um militar. Por causa do incidente no Canadá, o FBI ordenou a intensificação do nível de alerta em todas as suas sedes, e o Comando Norte-Americano de Defesa Aeroespacial (NORAD, na sigla em inglês) fez o mesmo.

O jovem Adesanya conseguiu saltar para o jardim norte às 19h16 (21h16 em Brasília) apesar de fossos terem sido instalados ao redor da grade depois do incidente de 19 de setembro, quando Omar J. González, norte-americano de 42 anos, tornou-se o primeiro intruso armado a conseguir invadir a Casa Branca. Aquele grave ocorrido motivou uma crise no Serviço Secreto – cuja missão mais delicada é proteger o presidente – e a subsequente demissão da sua diretora, Julia Pierson.

González, um veterano do Iraque com supostos problemas mentais (distúrbio do estresse pós-traumático, segundo o The Washington Post), conseguiu entrar armado com uma faca na residência e se aproximar das dependências da família Obama, que havia deixado o edifício poucos minutos antes. Ele está detido desde então.