Coluna
i

Quem empurrou Lula a chamar Aécio e o PSDB de nazistas?

Tudo que o Brasil não necessita neste momento de debilidade econômica, de desejos de mudança para melhorar a vida dos cidadãos, é uma campanha tingida de ódio

Para aqueles que ainda têm viva a memória da II Guerra Mundial e a tragédia do Holocausto, a maior barbárie da História, que assassinou seis milhões de judeus, entre eles mulheres e crianças, não podemos esquecer que não existe maior insulto do que qualificar uma pessoa ou um político de nazista.

Mais informações

Aqueles que, dentro e fora do Brasil, ainda mantêm viva hoje a lembrança dos dois governos do ex-presidente torneiro mecânico, Lula da Silva, que acabou com a pobreza neste país e desenhou, através de suas viagens pelo mundo, a imagem de um Brasil pacífico, em pleno desenvolvimento econômico e social, exemplo de pluralismo político, cultural e religioso, sem demônios de separatismo nem ódios regionais, todos orgulhosos de serem e se sentirem brasileiros, não puderam deixar de escutar, com assombro e até com dor, a Lula, gênio da política, qualificar de nazista o candidato da oposição, Aécio Neves e seu partido, o PSDB, nascido da acertada e democrática experiência da social-democracia europeia.

Lula se queixou de que no debate político destas eleições, Aécio e seu partido estavam atacando a candidata Dilma Rousseff, do PT, partido do governo, “como faziam os nazistas durante a II Guerra Mundial”. Mais ainda, tirando o pó da Bíblia, afirmou que os do PSDB são “mais intolerantes que Herodes que matou Jesus Cristo por medo de que chegasse a ser o que foi”.

As graves acusações a Aécio e ao PSDB foram feitas por Lula na terça-feira passada, em Recife, capital do Estado de Pernambuco, nesse Nordeste que foi sempre uma região atingida pela pobreza e da qual sua família emigrou para a rica São Paulo em busca de uma situação melhor.

E é também a terra do falecido líder socialista Eduardo Campos, o candidato que perdeu a vida viajando de avião e cujo partido e família se uniram ao “nazista” candidato Neves nestas eleições.

O Brasil vive a campanha mais difícil de sua democracia, a mais ácida, com grande nervosismo na qual abundam mais as operações de desqualificação e desconstrução dos candidatos que os programas concretos para melhorar a vida dos cidadãos e refazer uma economia que vive um momento difícil que desalenta os investidores estrangeiros.

Uma campanha tão tensa que nas redes sociais acontecem episódios de amizades de muitos anos destruídas e até de familiares que se negam a falar entre si. A violência está latente na rua e até dentro das famílias.

Talvez há muito tempo não se via o Brasil tão dividido e rasgado, depois de ter visto um enfrentamento entre o Nordeste pobre, reserva dos votos da candidata do governo, com o Sudeste mais rico, onde o candidato do PSDB reúne um consenso maior.

É suficiente o fato de que os votos possam se dividir, em um processo democrático de alternância política entre dois projetos de governo diferentes, para criar uma cruzada com o velho e azedo velho sabor das divisões de classe, entre ricos e pobres, empresários e banqueiros, norte e sul do país?

Quem pode ter aconselhado o perspicaz político, Lula, que foi sempre visto como o criador de um Brasil unido, agora sem pobres, sem complexos de inferioridade, com vontade de ser levado em conta no tabuleiro da política mundial, a cair em suas acusações a ponto de qualificar de nazista um candidato e um partido democrático e respeitado internacionalmente?

O PSDB foi, na verdade, um dos artífices, depois da ditadura militar da criação das bases para a consolidação da economia do país, assim como os pilares da moderna democracia.

Em um mundo onde os valores democráticos estão sendo colocados em dúvida em muitas partes do mundo; onde crescem os ódios dentro de uma mesma nação, onde surgem líderes e partidos intolerantes, de extrema direita, o Brasil tem a sorte de contar, na disputa eleitoral em curso, com dois personagens de total respeitabilidade, com biografias limpas, impecáveis em seus princípios democráticos, saídos do seio de dois partidos como o PT de Lula e o PSDB de Cardoso, que, juntos, modernizaram o país. Seus programas econômicos e sociais chegam a ser tão parecidos que não são poucos os analistas e até líderes políticos de ambas formações que se perguntam por que não poderiam até governar juntos.

O Brasil não discute entre ditadura e democracia, entre fascismo e liberdade das instituições. Aqui nem sequer há partidos de direita nem de extrema direita e se alguns deles podem parecer são talvez os que até hoje governaram nestes 12 anos com o PT.

O Brasil e os brasileiros são um povo com vocação de paz, sem demônios de separatismo nem de ódios regionais. São pessoas que desfrutam da convivência, onde pobres e ricos, letrados e analfabetos, nortistas e sulistas, todos trazem viva em seu coração a chama do orgulho de sua identidade de brasileiro.

Eu me atreveria a dizer que os marqueteiros ou assessores que puderam arrastar Lula a qualificar de nazista um candidato do partido da social-democracia, deram um presente envenenado ao país.

Tudo que o Brasil não necessita neste momento de debilidade econômica, de desejos de mudança para melhorar a vida dos cidadãos, é uma campanha tingida de ódio na qual vale-tudo, da mentira à calúnia, do desprezo ao adversário até o desejo de convertê-lo em inimigo e, se fosse possível, até exterminá-lo.

Como escreveu hoje uma poeta brasileira em seu blog: “Não importa quem ganhar as eleições. O Brasil é muito grande para caber em uma fórmula ou em uma receita política.” E com um grito dolorido se pergunta: “Por que não podemos construir juntos um Brasil magnífico para todos?”. Se este verso da poeta fosse colocado em votação no domingo, com certeza ganharia as eleições.

Os brasileiros simples, letrados ou não, acabam sendo sempre mais sábios, mais pragmáticos e até mais iluminados que muitos políticos que acabam como Esaú, o personagem bíblico, cegando-se e vendendo sua primogenitura e sua dignidade a seu irmão Jacó por um prato de votos.