Cebrián: “O jornalismo tem futuro, mas é preciso reinventá-lo”

Instituto Tecnológico de Monterrey presta homenagem ao presidente do EL PAÍS

O diretor do EL PAÍS Antonio Caño, o presidente Juan Luis Cebrián e a filósofa Amelia Valcárcel nesta quinta-feira no Instituto Tecnológico de Estudos Superiores de Monterrey (México).
O diretor do EL PAÍS Antonio Caño, o presidente Juan Luis Cebrián e a filósofa Amelia Valcárcel nesta quinta-feira no Instituto Tecnológico de Estudos Superiores de Monterrey (México).saul ruíz

"O jornalismo tem um futuro enorme, mas é preciso reinventá-lo. Esse é o desafio para os jovens jornalistas". Com essa mensagem, mescla de esperança e desafio, o presidente do EL PAÍS, Juan Luis Cebrián, encerrou na quinta-feira a homenagem que recebeu da Cátedra Alfonso Reyes, do Instituto Tecnológico de Estudos Superiores de Monterrey (México), por sua trajetória. O ato, realizado no campus universitário diante de uma audiência formada em sua maioria por estudantes de jornalismo, contou com as participações do diretor do EL PAÍS, Antonio Caño, a filósofa Amelia Valcárcel, e o professor e crítico Julio Ortega. O jornalista e professor Aurelio Collado foi o moderador. A apresentação da biografia de Cebrián (que deixou claro que não se tratava de uma homenagem para uma pessoa mas "para uma geração e uma forma de entender as coisas") serviu para refletir sobre a relação entre jornalismo e democracia, dois elementos que, na opinião do primeiro diretor do jornal, não podem estar separados. "Os jornais fazem parte da democracia representativa e a crise desta os afeta. Em um momento de crise econômica, vemos o ressurgimento dos movimentos populistas, dos valores da identidade contra os do Iluminismo", afirmou Cebrián.

Nesse cenário, o presidente executivo do Grupo PRISA alertou sobre o perigo que corre esse universo de liberdades, laico e reformista, nascido no calor do Iluminismo e que a democracia e o EL PAÍS tiveram em sua gênese. "Era o mundo que queríamos defender. Pensávamos que a ditadura era uma anomalia histórica e que podíamos conseguir uma reconciliação; isso foi a Transição" espanhola, explicou Cebrián, que relembrou que a decisão de publicar uma edição especial na noite da tentativa de Golpe de Estado (em espanhol), em 23 de fevereiro de 1981, quando uma coluna do Exército se dirigiu para o jornal, foi um ato de coerência. "Como jornalistas, precisávamos publicar a edição dizendo o que estava acontecendo e o que pensávamos estar acontecendo", relembrou.

Mais informações

Questionado pelos estudantes que assistiram ao ato, Cebrián analisou a atual crise da imprensa escrita e advertiu que, dado que o atual modelo impresso está destinado a desaparecer, o desafio consiste em transportar a qualidade do papel para a rede. "A liderança e os mestres vão continuar existindo no mundo digital, mas não precisam ser os mesmos", disse.

O diretor do EL PAÍS, Antonio Caño, chamou Cebrián de "mito da profissão" na Espanha. "Não é possível entender o jornalismo espanhol sem Juan Luis Cebrián, que criou o EL PAÍS e o transformou em jornal de referência", afirmou. Em sua fala, recheada de recordações pessoais, Caño destacou tanto a "coragem" de Cebrián por ter publicado o jornal na noite do 23-F, com a manchete 'El País, com a Constituição', como sua capacidade de antecipação diante de fenômenos como o efeito da rede nos veículos de comunicação.

O peso intelectual do jornal, sinédoque da Espanha que surge depois da ditadura, foi destacado pela filósofa Amelia Valcárcel: "O jornal moldou uma forma liberal, laica e cartesiana de pensar a democracia espanhola". A pensadora, que elogiou a capacidade de Cebrián para contar com "os melhores" pediu ao homenageado que "continue na luta" para enfrentar os vendavais vindouros e relembrou que a verdadeira transição na Espanha, aquela que ainda não terminou, começou em 1898, "quando um país introvertido começou a buscar um lugar próprio no mundo".

O escritor peruano Julio Ortega também referiu-se a esta dimensão histórica do jornalismo em um momento de incerteza e ameaças para a democracia. "É radicalmente necessário um jornalismo dialógico que apele para a inteligência crítica do leitor", disse Ortega. Em seu discurso, o ensaísta elogiou a liderança intelectual e comunicacional de Cebrián. "Sempre li o EL PAÍS como se lesse a coluna de meteorologia antes de sair para a rua; me permite escolher", resumiu.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50