Os Estados Unidos confirmam a morte do líder da milícia somali Al Shabab

Ahmed Godane era o alvo de um ataque norte-americano realizado na segunda-feira no sul da Somália

O líder de Al Shabab, Ahmed Godane, morto na segunda-feira.
O líder de Al Shabab, Ahmed Godane, morto na segunda-feira.AFP

O Pentágono confirmou na sexta-feira a morte do líder do grupo extremista somali Al Shabab, Ahmed Godane, alvo de um ataque militar norte-americano em 1º. de setembro no sul da Somália.

“Confirmamos que Ahmed Godane, o cofundador da Al Shabab, morreu”, declarou o porta-voz do Pentágono, John Kirby, em nota.

Tanto o Departamento de Defesa como a Casa Branca qualificaram a morte de Ahmed Abdi al Mohammed, também conhecido como Ahmed Godane, como uma “enorme perda simbólica e operacional” para a força islâmica, principal afiliada da Al Qaeda na África.

Apesar desse “importante passo adiante na luta contra a Al Shabab”, os Estados Unidos continuarão fazendo uso de todas as ferramentas a seu alcance, “financeiras, diplomáticas, de inteligência e militares”, para combater a ameaça terrorista que a Al Shabab e outros grupos da região significam para pessoas e interesses norte-americanos, prometeu a Casa Branca.

“Continuaremos fazendo o que for necessário para proteger os norte-americanos”, salientou o próprio presidente Barack Obama ao término da cúpula da OTAN em Newport, no País de Gales.

Seu porta-voz, Josh Earnest, havia ressaltado nesta semana que a Al Shabab tem “tanto o desejo como a capacidade” de atacar objetivos fora das fronteiras da Somália.

Godane, que dirigia a Al Shabab desde 2007, era um dos oito terroristas mais procurados pelos EUA, que oferecia até sete milhões de dólares por qualquer pista que levasse a sua captura ou morte.

Na segunda-feira, o Pentágono confirmou que forças especiais haviam realizado uma operação com aviões tripulados e drones contra um “acampamento” da Al Shabab no centro-sul da Somália, na região do Baixo Shabelle. Na operação, durante a qual foram lançados “numerosos” mísseis ar-terra Hellfire e munição guiada por laser, destruiu-se um veículo no qual possivelmente se encontrava Godane, embora sua morte tenha levado quase uma semana para ser confirmada – um objetivo que os EUA vinham perseguindo a tempos de forma infrutífera.

A Al Shabab reivindicou numerosos atentados nos últimos anos, incluído o ataque de 2013 contra um shopping center de Nairóbi (Quênia), que deixou mais de 70 mortos.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: