Seleccione Edição
Login
OPINIÃO

O comitê da deflação

Não está claro se as medidas do BCE servirão para romper a espiral depressiva em que a Europa mergulhou

Na quinta-feira, o Banco Central Europeu anunciou uma série de novas medidas para tentar impulsionar a economia da Europa. O anúncio tinha um ar de desespero, o que era tranquilizador. A Europa, que vive uma fase pior do que na década de 1930, está claramente apanhada em um torvelinho deflacionário, e é bom saber que o BCE está consciente disso. Mas sua epifania pode ter chegado muito tarde. Não está nada claro que as medidas ora sobre a mesa serão suficientemente fortes a ponto de reverter essa espiral negativa.

E por aí iríamos, não fosse por Bernanke. Nos Estados Unidos, as coisas estão longe de estarem bem, mas parece que (ao menos por enquanto) escapamos do tipo de armadilha que ameaça a Europa. Por quê? Uma possível resposta é que o Federal Reserve começou há alguns anos a fazer o que deveria, ao comprar trilhões de dólares em títulos a fim de evitar a situação que seu homólogo europeu enfrenta agora.

Pode-se argumentar, e eu assim argumentaria, que o Fed deveria ter feito ainda mais. Mas os funcionários do Fed têm enfrentado ataques ferozes o tempo todo. Analistas, políticos e plutocratas os acusaram repetidamente de “degradar” o dólar e advertiam que uma disparada inflacionária estaria à espreita. A alta prevista para a inflação nunca se deu, mas, apesar de estarem errados ano após ano, praticamente nenhum desses críticos admitiu o seu erro, e nem mesmo virou o disco. E a pergunta que andei me fazendo é por quê. O que empurra um setor poderoso da nossa classe política – chamemo-lo de bancada da deflação – a exigir políticas de restrição do crédito, inclusive em uma economia deprimida e com pouca inflação?

Uma coisa está clara: como tantas outras coisas hoje em dia, a política monetária se tornou em grande medida um assunto partidário. Não é só que a tese da degradação do dólar provenha quase exclusivamente da direita do espectro político; a paranoia inflacionária se tornou, num nível notável, uma questão de correção política conservadora, de modo que até alguns economistas que deveriam ser mais sensatos se uniram ao coro. Assim, podemos focar mais a pergunta: por que os direitistas odeiam a expansão monetária, mesmo quando ela é desesperadamente necessária?

Uma das respostas reside no poder da verdadeirice – termo famosamente cunhado por Stephen Colbert para se referir a coisas que não são verdadeiras, mas que algumas pessoas acham que são. “O Federal Reserve está imprimindo dinheiro, o fato de imprimir dinheiro gera inflação, e a inflação é sempre ruim” é uma afirmação triplamente falsa, mas que para muita gente parece verdadeira. E, sim, a tendência de preferir a verdadeirice a uma verdade mais complexa está e esteve quase sempre relacionada ao conservadorismo político, e essa tendência se intensifica ainda mais em uma época em que alguns políticos importantes extraem suas teorias monetárias dos romances de Ayn Rand.

Outra resposta é o interesse de classe. A inflação ajuda os devedores e prejudica os credores, enquanto que, com a deflação, acontece o contrário. E os ricos têm muito mais probabilidades que os pobres de serem credores, de terem dinheiro no banco e obrigações em carteira, em vez de hipotecas e saldos pendentes no cartão de crédito. Na Era de Ouro do final do século XIX, a elite se mobilizou em massa para derrotar William Jennings Bryan, que ameaçava tirar os Estados Unidos do padrão ouro; o custo da campanha eleitoral, expresso como percentual do PIB, foi muito mais alto em 1896 do que em qualquer outra eleição presidencial, anterior ou posterior. Estariam hoje os ricos mobilizados de maneira similar contra a política do crédito barato?

Até onde eu sei, não temos provas concretas disso. Sem dúvida, há muitos investidores ricos entre a multidão que denuncia a degradação do dólar, mas não sabemos com certeza até que ponto eles são representativos – e você poderia argumentar que os grandes investidores deveriam gostar das políticas expansionistas do Fed, que têm sido muito benéficas para a Bolsa. Mas pode ser que os ricos não confiem nessa conexão, em parte porque a inflacionária década de 1970 foi péssima para os mercados de ações. E sabemos com certeza que os muito ricos têm mais tendência que o resto dos cidadãos a considerarem que o déficit orçamentário é o nosso maior problema, mesmo que a austeridade fiscal provavelmente seja prejudicial para seus lucros. Portanto, é provável que o interesse de classe aparente também seja uma motivação crucial para a bancada da deflação.

Uma nota à margem: os ricos da Europa não são tão ricos nem tão influentes como os norte-americanos, mas, no entanto, os interesses dos credores são ainda maiores que nos Estados Unidos, porque os países credores, a Alemanha em especial, acabaram ditando as políticas de toda a Europa.

E o importante é entender que o domínio dos interesses dos credores em ambos os lados do Atlântico, amparado por doutrinas econômicas falsas, mas que geram uma atração visceral, tem tido consequências trágicas. Nossas economias foram arrastadas pelos problemas dos devedores, que se viram obrigados a cortar drasticamente os gastos. Para evitar uma depressão profunda e prolongada, necessitamos de políticas que compensem esse ônus. Mas, em vez disso, o que temos é a obsessão com os perigos do déficit orçamentário e a paranoia inflacionária – e uma depressão econômica que não termina nunca.

 Paul Krugman é professor de Economia da Universidade de Princeton e prêmio Nobel de Economia de 2008.

© 2014 The New York Times Service.