estado islâmico

“Obama, onde está o interesse público de reavivar esta guerra?”

Transcrição das palavras que o jornalista supostamente assassinado pelo Estado Islâmico pronuncia momentos antes de ser decapitado

Captura do vídeo divulgado pelos jihadistas.
Captura do vídeo divulgado pelos jihadistas.

No vídeo divulgado pelo Estado Islâmico mostrando a suposta decapitação de Steven Sotloff, o jornalista norte-americano se dirige ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, com as seguintes palavras:

Steven Sotloff

“Sou Steven Joel Sotloff. Estou certo de que a esta altura vocês sabem exatamente quem sou e por que apareço perante vocês. Agora é o momento de enviar minha mensagem:

Obama, supunha-se que a sua política externa de intervenção no Iraque estava destinada a preservar vidas e interesses norte-americanos, por isso estou pagando o preço de sua ingerência com a minha vida. Não sou um cidadão norte-americano?

Você gastou bilhões dos contribuintes norte-americanos, e perdemos milhares de militares em enfrentamentos anteriores com o Estado Islâmico, de modo que onde está o interesse público de reavivar esta guerra?

Do pouco que sei sobre política externa, recordo como você só conseguiu ganhar as eleições prometendo trazer para casa as tropas no Iraque e Afeganistão e fechar Guantánamo. Eis você aqui agora, Obama, perto do final de seu mandato, descumprindo tudo o que disse e nos fazendo caminhar enganosamente em direção às chamas.

O terrorista, por sua vez, acrescenta:

Voltei, Obama, voltei por sua arrogante política externa para o Estado Islâmico, por sua insistência em continuar bombardeando [...] a represa de Mossul, apesar das nossas sérias advertências. Você, Obama, não tem nada mais a ganhar com suas ações além da vida de outro cidadão norte-americano. Assim, enquanto seus mísseis continuarem disparando contra nossa gente, nossa faca continuará cortando o pescoço dos seus.

Aproveito esta oportunidade para advertir aos governantes que se somaram a esta aliança diabólica da América contra o Estado Islâmico para que recuem e deixem os nossos tranquilos.