_
_
_
_
_

Os EUA reforçam os ataques contra os jihadistas no norte do Iraque

Com o apoio aéreo, as forças curdas puderam recuperar a vantagem

Foto: reuters_live | Vídeo: REUTERS LIVE!

Os Estados Unidos continuam com os ataques aéreos contra o Estado Islâmico (EI) no norte do Iraque, apesar de o grupo ter ameaçado matar um segundo cidadão americano. A Força Aérea norte-americana, que na quinta-feira voltou a bombardear os arredores da represa de Mossul, permitiu que as forças curdas (peshmerga) recuperasse a vantagem e abriu o debate sobre a possibilidade de estender as operações a outras partes do país.

“Estão sendo muito eficientes. Destroem alvos com precisão, o que abala a moral do EI e eleva a dos peshmerga”, disse ao EL PAÍS o ministro curdo das forças de defesa, Mustafa Said Qadir.

O apoio aéreo norte-americano, que começou no dia 8 de agosto, não foi interrompido após o vídeo que mostrava a decapitação do jornalista James Foley e outras ameaças lançadas pelos fanáticos através de redes sociais. Em vez disso, a aviação fez cerca de vinte incursões desde então, as seis últimas na quinta-feira.

“Os ataques destruíram ou danificaram três utilitários Humvees do EI, um carro e vários lugares onde eles haviam instalado explosivos”, relata o último comunicado do Comando Central dos EUA (CENTCOM).

Caças e drones (aviões não tripulados) da Marinha norte-americana facilitaram a cobertura aérea necessária para que as tropas curdas do Exército iraquiano pudessem retomar a represa de Mossul no início desta semana. Essa instalação estratégica, que fornece água e energia elétrica a cerca de três milhões de pessoas, estava nas mãos do EI desde 7 de agosto.

“O EI é uma força terrorista e suicida que não se preocupa com a crueldade de seus meios”, disse Said Qadir, que atribui o sucesso inicial dos extremistas a essa “brutalidade, à experiência de combate na Síria e à apropriação de armas ocidentais abandonadas pelo Exército iraquiano” ao retirar-se Mossul e de outras regiões do norte do Iraque em junho passado.

O ministro também admite que o EI se beneficiou de uma fraqueza das forças curdas: falta de armamento moderno e munição suficiente. A região autônoma do Curdistão vive a situação como uma ameaça existencial, porque agora tem “1.050 quilômetros de fronteira” com o grupo radical e, para protegê-la, seus 200.000 peshmergas precisam fazer um grande esforço de mobilização.

“Não nos falta pessoal e o moral está muito elevado, mas o desequilíbrio de recursos é evidente. Nossas armas ainda são as mesmas que capturamos na queda de Saddam. Bagdá não nos permitiu modernizar o nosso arsenal”, denuncia Said Qadir.

Em todo caso, a ameaça dos extremistas propiciou uma aproximação incomum entre o Governo central e o regional.

“Começamos a nos coordenar militarmente. Temos um centro de operações. O ministro da Defesa veio a Erbil [capital curda] alguns dias atrás, a aviação atuou em certas áreas e algumas forças iraquianas também participaram da retomada da represa de Mossul”, diz o ministro.

O sucesso desta operação abriu o debate sobre a possibilidade de estender os bombardeios a outras regiões do Iraque controladas pelo EI. O The Wall Stret Journal afirmava há poucos dias que os líderes militares estavam considerando utilizar a aviação para impedir os extremistas de tomarem a represa de Haditha, na província de Al Anbar.

No entanto, parece improvável que essa decisão seja tomada antes do recém-nomeado primeiro-ministro Haider Abadi formar um novo governo, o que pode levar semanas, ou meses. Além disso, ao bombardear posições jihadistas em Al Anbar e outros redutos sunitas, incluindo a cidade de Mossul, corre-se o risco de causar baixas civis e irritar ainda mais essa comunidade, parte da qual apoiou o EI diante do que percebem como hostilidade de Bagdá.

O Exército iraquiano, cuja tentativa de recuperar Tikrit fracassou ontem, continuava atacando posições jihadistas naquela cidade. Enquanto os peshmergas combatiam em Zumar e Wanah, oeste da represa de Mossul, onde estão encontrando uma forte resistência para avançar até Sinjar. Essa área, onde até a chegada EI conviviam árabes e curdos, muçulmanos, cristãos, yazidis, kakais e shabaks, está passando por uma operação de “limpeza étnica” das minorias, segundo denuncia Donatella Rovera, investigadora da Anistia Internacional no Iraque.

A maioria dos habitantes foi obrigada a fugir de suas casas desde o início deste mês. Alguns morreram na tentativa. Os de melhor sorte só conseguiram alcançar a segurança depois de uma difícil travessia através das montanhas que separam suas aldeias da Síria. Ao chegarem ao Curdistão sírio relatavam histórias de horror.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_