A geração de empregos nos EUA reanima a discussão sobre a alta dos juros

O mercado registrou 288.000 novos empregos em junho, e o índice de desemprego caiu para 6,1%

Janet Yellen, presidenta do Federal Reserve.
Janet Yellen, presidenta do Federal Reserve.Andrew Harrer / Bloomberg

A economia dos Estados Unidos gerou 288.000 empregos em junho. O dado supera as previsões de Wall Street e os 262.000 empregos gerados no mês anterior, segundo estimativas. O índice de desemprego caiu dois décimos de ponto, para 6,1%. A boa progressão do emprego levou o índice Dow Jones a chegar aos 17.000 pontos pela primeira vez, apesar de reativar a discussão sobre a primeira alta das taxas de juros. Mas o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) reitera que neste momento não há mudança de política em relação aos estímulos aplicados à economia e que está previsto que os estímulos sejam reduzidos conforme melhorem os dados econômicos.

O consenso do mercado previa a geração de 215.000 empregos. Os dados da véspera sobre o setor privado deram uma leitura de 281.000 novos empregados, a melhor desde novembro de 2012. O indicador de emprego não agrícola é o melhor desde janeiro desse ano. A interpretação é que a economia vai ganhando força após a forte contração que sofreu no primeiro trimestre. O que ainda não se sabe é se a retomada é suficientemente forte para provocar uma mudança na estratégia monetária.

Apesar do avanço nos números, o indicador de emprego continua a mostrar pontos de fraqueza. Os salários estão praticamente estagnados. O índice de participação laboral continua em 62,8% pelo terceiro mês consecutivo, no nível de três décadas e meia atrás. Há 7,5 milhões de pessoas forçadas a trabalhar em tempo parcial e dois milhões de pessoas afastadas do mercado de trabalho. Além disso, os desempregados de longo prazo somam 3,1 milhões, e o índice de jovens sem trabalho subiu para 21%.

Pequena redução no programa de estímulos

Seja como for, o índice de desemprego está no nível mais baixo desde setembro de 2008. As coisas não serão fáceis para o Federal Reserve a partir de agora. A previsão é que no final do mês o banco central reduza o programa de estímulos pela sexta vez, para deixar a compra de dívida reduzida a 25 bilhões de dólares (55,71 bilhões de reais) mensais. O objetivo é desmontar o programa até o outono e deixar uma margem de tempo antes de começar a elevar os juros.

Janet Yellen, a presidenta do banco central americano, acredita que a primeira alta dos juros pode acontecer em meados de 2015. Mas também são aventados calendários diferentes. O presidente do Fed da Filadélfia, Charles Plosser, assinalou após a última reunião que todas as regras da política monetária apontam que a alta dos juros deveria acontecer no terceiro trimestre.

Isso é muito antes do que o mercado cogita. Mas ninguém espera que aconteça enquanto o desemprego estiver acima dos 6%. O que está claro é que dentro em breve haverá uma mudança na linguagem usada pelo Fed para indicar ao mercado que o momento se aproxima. James Bullard, do Fed de St. Louis, é outro para quem, quando se olham para os indicadores, a alta dos juros está chegando perto.

Em seu caso, ele pede a Yellen que deixe de se preocupar tanto com o emprego e preste mais atenção à evolução da inflação, que ronda os 2%. O novo argumento, como expõe Jeffrey Lacker, do Fed de Richmond, é que aquilo que ainda falta ser recuperado no mercado de trabalho se deve mais a um problema estrutural, e nesse caso o Fed tem pouca margem de ação a partir de agora.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete