Al-Sisi confirma o golpe de Estado no Egito e assume a presidência

O atual presidente comemora a “democrática transição” vivida pelo país Os membros da Irmandade Muçulmana convocam uma manifestação contra o ex-golpista

Abdel-Fattah Al Sisi na cerimônia de posse.
Abdel-Fattah Al Sisi na cerimônia de posse.

Quase um ano depois de ter dado um golpe de Estado contra o raïs islamita Mohamed Morsi, o ex-ministro de Defesa, Abdel-Fattah al-Sisi assumiu o cargo de presidente do Egito em uma cerimônia realizada na manhã deste domingo no Tribunal Constitucional. Em suas primeiras palavras como presidente, Sisi comemorou a "democrática e pacífica transição" que o levou ao poder, segundo declarações registradas pela emissora Al Arabiya. O dia de hoje, decretado feriado pelo governo egípcio, contará com diversos atos oficiais de celebração dos quais autoridades nacionais e líderes estrangeiros vão participar, além de eventos de tom mais popular e informal.

"Juro por Deus manter lealdade ao regime da república, respeitar a Constituição e a lei, proteger os interesses do povo em sua totalidade e preservar a independência da pátria, sua unidade e a integridade de seu território", leu Sisi durante a cerimônia de posse. Ao seu lado estava Adly Mansur, que foi presidente interino do país durante a fase de transição, e que a partir de agora voltará a ocupar seu cargo de presidente do Tribunal Constitucional. Esta é a primeira vez que um ato formal de transferência de poderes presidenciais para o sucessor é realizado na história do Egito.

Sisi, de 59 anos, usou um terno escuro e uma gravata azul-marinho. O reluzente raïs, que arrasou nas eleições presidenciais no final do mês de maio, com a obtenção de mais de 93% dos votos, pendurou o uniforme militar em março, pouco depois de anunciar sua intenção de concorrer ao pleito. Segundo a lei do país, os oficiais devem se retirar das Forças Armadas antes de ostentar um cargo de natureza política.

Mais informações

A polícia empregou um robusto aparato de segurança em torno da sede do Supremo Tribunal, onde estavam as principais autoridades políticas, religiosas e sociais do país. Entre elas, o primeiro-ministro, Ibrahim Mahlab, o grande imã de Al Azhar, Ahmed Tayyeb, e o papa da Igreja Ortodoxa copta, Tauadros II.

Após o fim da cerimônia, Sisi se dirigiu ao Palácio de Ittihadiya, onde foi recepcionado com uma salva de canhões. Lá, recebeu os líderes estrangeiros que viajaram ao Egito para presenciar a tomada de posse. As delegações de mais alto escalão eram as dos países da região, lideradas pelos monarcas de Jordânia, Kuwait e Bahrein, além do presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmud Abbas. Está previsto que os fastos oficiais sejam concluídos com um jantar no Palácio de Quba, para o qual mais de 1.200 pessoas foram convidadas.

Os seguidores de Sisi comemoraram sua posse na Praça Tahrir, símbolo da revolução de 2011 que destronou o ex- ditador Hosni Mubarak. Por volta das 12h (7h de Brasília), a praça, com o trânsito de veículos interditado, já havia sido decorada com bandeiras egípcias e grandes retratos do marechal. Algumas centenas de pessoas se amontoavam em torno de um cenário preparado para a ocasião debaixo de um sol de justiça.

Por sua parte, a coalizão de partidos anti-golpe, liderada pela Irmandade Muçulmana, convocou uma nova série de protestos para expressar sua rejeição à ascensão de Sisi à presidência, e o acusam de ter orquestrado o golpe para poder substituir o ex-raïs Morsi. Durante os últimos meses, as manifestações dos simpatizantes da confraria islamita foram perdendo força à medida que as repressões policial e judicial foram intensificadas, numa onda de atos violentos que minaram a legitimidade das eleições. Apenas poucas horas antes da cerimônia de posse, um tribunal condenou 10 pessoas, membros ou simpatizantes da Irmandade, à pena de morte pelos crimes de incitação à violência e obstrução de via pública em manifestação ilegal, entre outros. A estimativa é de que os protestos contra a deposição de Morsi tenham deixado 1.400 mortos.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50