Em busca dos ‘royalties’ de Sugar Man

Uma gravadora processa o cantor Sixto Rodriguez por fraude na autoria de suas canções

Sixto Rodriguez em uma imagem de arquivo.
Sixto Rodriguez em uma imagem de arquivo.

Apenas gravou dois álbuns mas, depois que meio mundo conheceu a história de sua vida, eles se tornariam um prato muito apetitoso. Graças ao filme Searching for Sugar Man, Sixto Rodriguez venceu o esquecimento, mas não seus problemas legais com os direitos de sua obra. O músico norte-americano de origem mexicana, que inspirou o documentário vencedor do Oscar em 2013, enfrenta nos últimos dias um processo pelas canções que compôs há mais de 40 anos.

Trata-se do último aspecto que veio à tona sobre sua imagem. A disputa é centrada na autoria de canções de seu álbum Cold Fact, lançado em 1970, e nos contratos de Rodriguez com duas gravadoras. Gomba Music Inc., uma empresa de Michigan, processou por fraude a Interior Music Corp. e também Clarence Avant, que comandava o selo, e que posteriormente foi presidente da Motown Records. Gomba alega que tinha assinado um primeiro contrato com o cantor por cinco anos em 1966 e denuncia que a Interior Music, sob o comando de Avant e do músico, escondeu esse acordo aproveitando o fato para praticar fraude, na qual as canções de Sixto Rodriguez usadas no Cold Fact eram assinadas com o nome de Jesús Rodriguez.

O processo foi movido no tribunal federal de Detroit, cidade do músico. De acordo com a imprensa norte-americana, o executivo que comandava a Interior reconheceu que naquela época conhecia o acordo com a Gomba, mas foi o músico que se apresentou em sua empresa “com uma declaração assinada” que rescindia seu contrato com seu primeiro selo. Avant, um dos homens mais poderosos da indústria da música e conhecido como o padrinho da música negra, afirma que Rodriguez é quem deveria reconhecer que aquela declaração era falsa. Nem o músico, nem seus advogados se pronunciaram a respeito.

Rodriguez arrasta estes problemas legais há mais de quatro décadas. Conforme é contado no filme sobre sua vida, o músico gravou no começo da década de 1970 Cold Fact e Coming from Reality, dois álbuns que venderam dezenas de milhares de cópias na África do Sul, mas ele nunca viu o dinheiro que lhe pertencia. Sua fama era tal na África do Sul do apartheid que alguns o comparavam a Elvis Presley. No documentário, Avant é um dos entrevistados e garante, ao ser perguntado sobre esta questão dos direitos autorais, que “em 1970 ninguém estava preocupado com um contrato”.

Mas em 2014, depois do sucesso mundial de Searching for Sugar Man, o escasso catálogo de Rodriguez foi revalorizado de uma maneira inimaginável. E o homem que em sua canção mais célebre, Sugar Man, se perguntava se “por uma triste moeda” chegariam “todas essas cores aos sonhos”, agora pode dizer que por milhões de moedas, às vezes, chegam pesadelos com litígios.