A Apple entra no mundo da saúde com HealthKit

A colaboração, que começa com a prestigiada norte-americana Clínica Mayo, mais tarde se estenderá a outros hospitais do país

Tim Cook anuncia o novo sistema operacional para celulares
Tim Cook anuncia o novo sistema operacional para celularesAP

Tim Cook abriu, na manhã de segunda-feira em São Francisco (EUA), uma nova conferência anual de desenvolvedores de sistemas Apple, a WWDC, já na 25ª edição. E dirigiu a estes desenvolvedores as suas primeiras palavras de homenagem.

Com o roteiro de cada ano, começou falando do êxito dos Macs em meio à decadência da indústria de computadores, que retraiu 5%, enquanto a venda de Macs cresceu 12%. Aumentou também a adaptação de seus computadores ao sistema operacional OS X Mavericks. Um sucesso, segundo Cook, comparável à adoção do Windows 8, que no parque de computadores com Windows não chega a 14% do total, enquanto o seu já está em 51%.

O diretor executivo da Apple comemorou o número de um milhão de desenvolvedores registrados, provenientes de 69 países, o mais jovem deles com 13 anos de idade.

OS X Yosemite

Apesar da diferença de sistemas, a integração é absoluta entre computador, iPhone e iPad

Craig Federighi revelou o nome do novo software, OS X Yosemite, em homenagem ao parque natural próximo à sede da empresa na Califórnia. Mudam as janelas, mais dinâmicas e os ícones, mais planos. Na lateral direita, toda uma coluna com notificações, muito parecida com a persiana de notificações do iPhone e iPad.

A nuvem teve um destaque especial e justificado com o iCloud Drive, por acaso o mesmo nome adotado pela Google, que servirá para integrar documentos de qualquer programa e compartilhá-los entre computador, iPhone e iPad. A sincronização é automática. Funcionará também em computadores com Windows. A interação entre ambas as plataformas fica muito mais real com a função de arrastar e soltar documentos, terminar um e-mail ou continuar editando um trabalho.

A intenção da Apple é ser cada vez mais prática. Por isso seu e-mail passa a aceitar anexos de até cinco gigas e será possível assinar documentos em PDF desenhando sobre o touch pad. A integração é tal que permite usar o computador para fazer ou receber chamadas do iPhone. Um golpe de efeito antes que o WhatsApp lance seu serviço de chamadas e se funda com o computador. Como prova, telefonou para um dos mais novos funcionários da empresa, Dr. Dre, rapper e criador dos recém-adquiridos fones de ouvido Beats.

O novo sistema operacional será grátis, chegará no outono, mas os desenvolvedores já podem começar a usá-lo. Neste semestre, estarão abertos para curiosos que quiserem experimentá-lo.

Algumas das novidades apresentadas colocam a Apple em evidência, pois reconhece que está ficando para trás

iOS 8

Cook passou então ao sistema operacional do iPhone, a joia da coroa, a base sobre a qual repousa a saúde financeira da Apple.

O iOS 7 é usado em mais de 100 milhões de iPods Touch, em mais de 200 milhões de iPads e mais de 500 milhões de iPhones. Cerca de 130 milhões desses aparelhos foram vendidos no último ano. Segundo os cálculos de Cook, a maioria na China, depois de sua frustração com o Android. Outro golpe no Google, enquanto o iOS 7 está presente em 89% dos aparelhos, Android 4.4 só está em 9%. “Não têm a última versão do sistema operacional, arruínam grande parte da experiência e também são uma porta aberta às ameaças de segurança”, declarou Cook sob aplausos dos entusiastas. E anunciou o iOS 8, a maior mudança desde o lançamento da App Store.

Teclar com o iPhone não chega a ser uma experiência gratificante, sobretudo quando entra em ação o corretor de digitação. A mudança envolve o reconhecimento de voz, desenhos em forma de letras ou sequências lógicas. Vem em uma dúzia de idiomas.

O sistema de mensagens, até agora muito básico, incluirá grupos, que poderão ser abandonados, silenciados ou incluir mais pessoas. Revolucionário para a Apple, muito básico para aquilo que já oferecem WhatsApp, WeChat e Snapchat. Assim como no WhatsApp, última aquisição do Facebook, é possível falar como em um walkie talkie, pressionando com o polegar enquanto se fala e retirando o dedo para enviar. Simples, mas já inventado.

Saúde

A guerra pelo mercado vai além do consumidor. As empresas são a próxima fronteira para conseguir expandir a base de usuários. A Apple não se contenta apenas em incluir sua nuvem, também quer incluir outras nuvens, como o Dropbox, para facilitar o trabalho em comum.

Quase no final, falou de saúde, com Fitbit de fundo, uma das empresas especializadas em controlar a quantidade e qualidade de exercícios físicos. HealthKit é a união desses programas. A da casa, chamada simplesmente Healh (saúde em inglês). A Nike será um dos primeiros colaboradores neste campo. Assim como a Clínica Mayo, entre outros vinte que já anunciaram sua futura adesão. Entretanto, pouco se falou de seu funcionamento. Outro campo no qual ficou atrás.

Parece que a intenção da Apple é que cada membro da família tenha um aparelho da marca, mas compartilhe o que compra: sejam filmes, músicas ou aplicativos. Tudo é pago com o mesmo cartão de crédito, mas será necessário pedir permissão para que os menores possam acessar certos aplicativos.

Aplicativos

Siri, a assistente de voz, reconhecerá as músicas tocadas usando a tecnologia do aplicativo Shazam, mas sem necessidade de abri-lo.

No encerramento da apresentação de quase uma hora e meia, Cook voltou a tomar a palavra: “Queremos diminuir ainda mais a loja. Vamos incluir categorias e subcategorias, tendências dentro das buscas. Os desenvolvedores poderão oferecer pacotes com vários aplicativos juntos, como oferta”, disse. Embora talvez seja mais honesto e interessante incluir vídeos e testes para saber se o programa é realmente o que se deseja comprar. O programa chegará no outono.

A surpresa final, comemorada, se chama Extensibility, algo que no Android é totalmente natural: compartilhar conteúdo diretamente entre aplicativos. O Pinterest será um dos primeiros a oferecê-lo para as imagens.

A casa também é a próxima fronteira com o HomeKit, que servirá para controlar lâmpadas, fechaduras, termostatos, câmeras de vigilância... Apesar da Ferrari no segundo andar do centro de convenções, e de um Chevrolet mais modesto, não se disse uma palavra sobre outra grande tendência, a Internet dos carros.

Muitas novidades da Apple, mas para os aparelhos da marca e não para o setor que, através do Android ou de fabricantes como Samsung, LG ou Sony, já usa a maior parte do que foi anunciado hoje. Quase duas horas de novidades que parecem ter nascido velhas.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: