Obama viaja à Europa para conter Putin

A crise com a Rússia por causa da Ucrânia domina a visita do presidente dos EUA ao continente

O presidente Obama durante uma conferência telefônica antes de partir.
O presidente Obama durante uma conferência telefônica antes de partir.LARRY DOWNING (Reuters)

Quando o presidente Barack Obama viajar nesta semana à Europa, irá se reunir com chefes de Estado e de Governo e encontrará veteranos ativistas democráticos e combatentes na II Guerra Mundial, mas a pessoa à qual dirigirá os discursos e que monopolizará sua atenção será outra: seu homólogo russo, Vladimir Putin.

A crise na Ucrânia reabriu tensões geopolíticas entre velhos rivais pela influência na península ocidental da Eurásia. Putin forçou Obama, que havia feito da Ásia a prioridade da sua política externa, a retornar ao cenário da confrontação entre Washington e Moscou durante a Guerra Fria.

O presidente dos Estados Unidos não tem previsão de realizar nenhum encontro formal com o líder russo durante a visita a Polônia, Bélgica e França, a segunda viagem dele à Europa em menos de três meses. Mas Putin estará discretamente presente em cada etapa. Cada discurso e cada gesto foram pensados – e serão lidos – como um sinal para os aliados europeus e para Moscou, em um momento de dúvidas sobre a capacidade da primeira potência perante as ambições do Kremlin.

Em Varsóvia, onde o Air Force One aterrissa na terça-feira, Obama se reunirá com os líderes dos países da Europa Central e Oriental que se sentem ameaçados pela Rússia e que, em tempos de desânimo, olham antes para Washington do que para Berlim ou Paris. Ele pedirá aos demais parceiros um maior compromisso com a OTAN. Irá se reunir com Petro Poroschenko, o magnata recém-eleito presidente da Ucrânia. E homenageará com um discurso o sindicato Solidariedade e as primeiras eleições parcialmente livres da Polônia, em 1989.

“[Obama] terá a oportunidade de falar da história do movimento democrático na Polônia, de sua influência além das fronteiras da Polônia e de suas conexões com muitos movimentos para a democracia e os direitos humanos na Europa Oriental e no mundo todo”, disse Ben Rhodes, assessor-adjunto de Segurança Nacional e homem de confiança de Obama para a política externa, em uma entrevista coletiva às vésperas da viagem.

Em Bruxelas, Obama comprovará a debilidade – depois das eleições europeias de 25 de maio – de alguns de seus colegas na cúpula do G-7, que deveria ter acontecido na cidade russa de Sochi, mas da qual Putin foi excluído como represália pela anexação da Crimeia, em março. Tentará convencer os europeus a diversificarem a sua matriz energética, como forma de reduzir a dependência do gás russo. E procurará um acordo comercial visto com ceticismo em algumas capitais europeias e no Congresso dos EUA.

Na Normandia, última etapa antes de retornar a Washington, na sexta-feira à noite, Obama terá a oportunidade de ficar perto de Putin, na comemoração do septuagésimo aniversário do desembarque dos aliados em solo francês, o último ato de heroísmo coletivo de uma aliança que pouco depois se romperia para dar lugar a quatro décadas de Guerra Fria e equilíbrio nuclear.

As comemorações do desembarque sempre ofereceram leituras contemporâneas da história. Há dez anos, um chanceler da Alemanha, a potência derrotada em 1945, participou pela primeira vez: a Alemanha unida e com capital em Berlim se normalizava. Na sexta-feira, as praias onde deixaram a vida mais de 4.000 aliados congregarão Putin e os líderes europeus, pela primeira vez desde que estourou a crise da Ucrânia. Poroschenko está convidado.

A tarefa de Obama não é fácil. Ele chega à Europa no início de seu trecho final na Casa Branca, a cinco meses de eleições legislativas que seu partido, o Democrata, pode perder, e que reduzirão ainda mais sua margem de manobra na política interna. Também oferece uma imagem hesitante no exterior.

A cautela com a Síria inquieta aliados como a França. E a mensagem diante de Putin é cheia de matizes. Inclui sanções, que, entretanto, são modestas para evitar romper a unidade entre os EUA e a União Europeia. Kiev, a capital ucraniana, está a menos de 800 quilômetros de Varsóvia, mas não consta da agenda do presidente uma visita rápida a Kiev para mostrar apoio a uma Ucrânia pró-Ocidente.

“Gostaria muito que fosse a Kiev, mas não irá”, lamenta em Washington Leon Wieseltier, editor literário da revista New Republic e figura eminente na esquerda favorável às intervenções humanitárias. Em maio, Wieseltier passou uma semana na capital ucraniana.

“Reagan foi a Berlim, Kennedy foi a Berlim”, lembra ele, em alusão a dois presidentes – o republicano Ronald Reagan e o democrata John F. Kennedy – que, em 1987 e 1963 respectivamente, pronunciaram discursos memoráveis na capital alemã. “Quando Kennedy foi lá, a situação era tensa. Ele foi lá e disse: ‘Ich bin ein Berliner’ [Sou berlinense]. Morro de vontade de que aconteça algo parecido. Mas não existe a mais remota possibilidade, de maneira alguma.”

Na Europa, o presidente não ouviu uma voz uníssona. Com a Ucrânia, afloraram novamente as divisões entre a Europa Oriental e a Europa Ocidental (a “nova” e a “velha” Europa, para usar os adjetivos que os EUA usavam há uma década, durante a guerra do Iraque).

“Os poloneses estão muito decepcionados porque os alemães não foram longe o bastante na hora de defender sanções mais duras contra a Rússia”, disse em Berlim Judy Dempsey, do think tank Carnegie Endowment for International Peace. “Os europeus do Leste e os países bálticos têm a sensação, sabem e acreditam que os europeus ocidentais titubeiam diante da Rússia e não se comprometerão em defender a integridade das fronteiras e os valores. Isso enfraquece e divide a Europa. A Europa está hoje completamente dividida sobre como lidar com a Rússia”.

Para complicar, as eleições para o Parlamento europeu deram visibilidade a um virtual partido pró-Putin na Europa: uma coalizão transversal que une a extrema esquerda antiamericana e a extrema direita tradicionalista, antiglobalização, contrária à imigração, eurocética e também antiamericana. A Frente Nacional de Marine Le Pen, vencedora na França, é o expoente mais óbvio dessa corrente.

Mas o partido pró-Putin também conta com militantes no establishment de países centrais como a Alemanha. Personalidades como o ex-chanceler social-democrata Gerhard Schröder, presidente do conselho de uma filial da Gazprom, empresa russa de gás natural, exibem sem complexos suas simpatias pelo presidente russo.

A Europa que Obama encontrará nesta semana ainda está digerindo a vitória dos populistas de direita na França e no Reino Unido. O resultado das eleições não alarma Washington, que o interpreta mais como um alerta, mas preocupa. A relação entre os dois lados do Atlântico – desde a negociação do tratado de livre comércio até o crescimento do antiamericanismo – pode ser afetada.

“Todos os nossos países devem se mostrar vigilantes diante de qualquer esforço para demonizar pessoas de origem ou etnia diferente”, disse Rhodes, assessor de Obama.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: