CAMPEONATO ESPANHOL | BARCELONA x ATLÉTICO DE MADRI

“Acabou um ciclo único”

O argentino Tata Martino se despede como técnico do Barça agradecendo e pedindo desculpas por não ter alcançado os objetivos

Martino faz uma reclamação durante a partida.
Martino faz uma reclamação durante a partida.Alejandro García (EFE)

Tata Martino não sabe nem onde guarda a camiseta polo cor pistache que o tornou célebre em suas primeiras partidas no Camp Nou, mas neste sábado soube, logo depois de acabar o jogo, vestido com um elegante terno azul, que nunca voltaria a se sentar no banco do Barça. O argentino despediu-se daquela que foi sua casa no último ano, na qual viveu uma estranha sequência de acontecimentos fora de campo que marcaram a sua trajetória como treinador do Barça. Terminado o confronto, pactuou com Andoni Zubizarreta um fim à agonia e, já sem o terno, junto com o diretor de futebol do clube, pisou pela última vez na sala de imprensa do Camp Nou, onde era aguardado pelo presidente, Josep Maria Bartomeu, sentado na segunda fila. Era a hora do adeus.

O argentino anunciou que, de comum acordo, o clube e ele decidiam rescindir o contrato que vencia em 2015 e tinha uma cláusula de rescisão para junho, felicitou o Atlético pelo título —“foi um grande rival durante toda a temporada, fizeram tudo muito bem”— e, ato contínuo, começou a debulhar os agradecimentos ao presidente Bartomeu, a Zubizarreta e a Rosell, agradecendo a eles “profundamente” por “terem confiado em mim”. Emocionado, assegurou: “Lamento não ter ajudado os rapazes a alcançarem os objetivos que o clube traça e alcança ano após ano; tentamos até o final e com dignidade, mas encontramos um rival melhor” disse Tata, que seguiu agradecendo aos torcedores, dirigentes, departamento de imprensa, roupeiros, médicos e funcionários do clube, porque, segundo disse, “nos acompanharam, nos deram apoio e respeito excessivo”.

Bartomeu: “O clube tem muitas coisas decididas; há jogadores que já sabem que não seguirão”

Dos jogadores vinha se despedindo há dias, e neste sábado os consolou por terem perdido o Campeonato Espanhol e os abraçou no vestiário. Tata, que não aceitou perguntas dos jornalistas, voltou a se mostrar extremamente respeitoso com o grupo. “Fundamentalmente quero dizer obrigado aos jogadores. Nem quero falar de suas qualidades esportivas, senão de pessoas de bem”. “O Barcelona”, disse “tem um grande patrimônio de atletas, também de qualidade humana e é o que temos”. Pediu desculpas à torcida “por não conseguir os objetivos”, e confessou seu “orgulho por dirigir essa instituição". "Admirávamos ela de fora, a admiramos de dentro e a admiraremos porque virão grandes ações no âmbito esportivo e a instituição as merece. Meu profundo reconhecimento aos barcelonistas”.

Depois de agradecer aos jornalistas “por cada entrevista coletiva”, fez menção de se levantar, mas Zubizarreta, ao seu lado, o impediu ao tomar a palavra para mostrar sua gratidão em nome da entidade. “Assumiu uma temporada difícil, na qual aconteceram coisas complicadas e em cada uma delas ele nos ajudou. Quero agradecê-lo por sua plena dedicação ao Barça e que ajude a manter o prestígio do clube. Demonstrou-nos que é uma grande pessoa e um grande treinador”, assegurou o diretor de futebol, que quis lembrá-lo de que “deixa muitos amigos em Barcelona” e de que na cidade argentina de Rosário “sempre teremos alguém com quem falar de futebol”.

Mascherano e Iniesta foram os únicos jogadores do Barça que falaram após a partida. O elenco saiu de férias neste sábado, antes de alguns serem incorporados às suas respectivas seleções por causa da Copa do Mundo no Brasil. Iniesta falou sobre o gramado, ao término da partida, e não quis se estender muito, assegurando, no entanto, que “ninguém esperava falhar: precisávamos ganhar e não o fizemos. Acabam muitas coisas; é uma temporada decepcionante. Estamos sentidos por perdermos a Liga na última partida”. Mascherano falou à Barça TV, à qual assegurou que a equipe sai com “a tranquilidade de ter feito tudo o que estava a nosso alcance, embora talvez sem a clareza de outros tempos, mas demos o melhor. Queríamos fazê-lo pelo técnico, por nós e pela torcida e não pudemos”.

O técnico argentino foi rotundo ao assegurar que "se termina um ciclo e começa outro". "Gostemos ou não. O primeiro que há de se fazer para começar algo novo é enfrentar a realidade. E esta é a realidade: mudanças são necessárias. O clube tomará as decisões e fará uma equipe competitiva. Temos que aceitar que esta temporada não foi a melhor. Teremos de esperar a próxima. Acaba na minha opinião um ciclo único. Não acho que neste clube nem em outro possa ser vivido o que vivemos neste ano. Talvez por isso doa tanto, porque o bonito você nunca quer que acabe. Mas é a lei da vida. Tudo termina. Tudo passa e nada é eterno. Em termos de resultado, não muda muito. Em um clube como esse não se olha só o placar, e a maneira e a forma não foram as de outros tempos”.

Bartomeu, por sua vez, assumiu que haverá mudanças porque o balanço “não pode ser bom”. Acrescentou que o clube tem “muitas coisas decididas, mas não é o momento de anunciá-las”. O presidente confessou que há uma série de jogadores que já sabem “que não seguirão no ano que vem, embora nossa filosofia continue sendo a mesma que em caso de vitória”. Martino é certo que já não estará.

Arquivado Em: