Mais racismo no futebol europeu

Várias bananas foram atiradas das arquibancadas do estádio do Atalanta, de Bérgamo, aos jogadores negros do Milan

Constant, do Milan, mostra a banana arremessada das arquibancadas.
Constant, do Milan, mostra a banana arremessada das arquibancadas.Claudio Villa (Getty Images)

Kevin Constant, volante francês, de origem da Guinea, do Milan, de 26 anos, estava indignado ao mostrar ao árbitro a banana arremessada das arquibancadas durante o jogo entre Atalanta e Milan, neste domingo. A partida estava aos 27 minutos e, nesse instante, caiu outra banana das tribunas do Azurri d'Italia, o estádio da Atalanta, em Bérgamo. Nigel de Jong, o volante holandês do Milan, também negro, aplaudiu ironicamente, apontando para a multidão.

"Espero que o indivíduo seja identificado e banido do futebol", disse, depois do confronto, o treinador do Milan, Clarence Seedorf, que está quase fora de competições europeias na próxima temporada, depois de perder em Bérgamo, por 2 a 1. "Quem jogou a banana merece receber um coco. Arruinou uma grande tarde", declarou Stefano Colantuono, técnico local.

O episódio racista é novo em Bérgamo, onde houve incidentes violentos (a famosa chuva de moedas sobre a cabeça do brasileiro Alemão, do Napoli, nos anos 1980), mas não com essas características. O calcio arrasta esse racismo há muito tempo. Em maio do ano passado, em San Siro, o atacante internacional italiano Mario Balotelli foi insultado por torcedores visitantes da Roma, e o árbitro, Gianluca Rocchi, parou o jogo para advertir o público de que a partida poderia ser suspensa. O então técnico do Milan, Massimiliano Allegri, pediu medidas mais drásticas: "Na minha opinião, há apenas uma solução para o racismo nos estádios e é suspender as partidas". A Roma foi multada em 152.000 reais por comportamento indecente de alguns de seus torcedores. E o presidente da FIFA, Joseph Blatter, disse que se sentia "horrorizado." Neste domingo, sem ir tão longe, uma parte do estádio Olímpico de Roma esteve fechada na partida entre Roma e Juventus por causa de gritos racistas contra os napolitanos na rodada anterior.

Nas últimas semanas, parece ter acontecido um efeito de contágio desde que, há duas rodadas atrás, no El Madrigal (Espanha), um torcedor do Villarreal jogou uma banana à bandeira de escanteio quando Daniel Alves preparava-se para fazer a cobrança. O lateral direito do Barça comeu a fruta e converteu o gesto em um símbolo mundial contra o racismo. Até o primeiro ministro da Itália, Matteo Renzi, uniu-se à campanha.

O estádio Azzurri d'Italia arrisca ser fechado. Na Itália, aplica-se as normas da UEFA, muito rígida contra o racismo. Ao contrário da Espanha, onde o Villarreal foi multado com apenas 12.000 euros (cerca de 37.000 reais). Uma cifra considerada ridícula por Lillian Thuram, ex-zagueiro da Juventus e Barcelona e autor de Minhas estrelas negras, um livro contra o racismo. "É uma agressão e tem que cuidar da pessoa agredida", pediu Thuram. O ex-defensor francês lembrou-se do impacto em sua infância da imagem de um goleiro camaronês do Marsella, nos anos 1980, Antoine Bell, recebendo uma banana das arquibancadas. O mesmo aconteceu, anos depois, com John Barnes, atacante negro do Liverpool.

A diretora geral de Esportes, Ana Muñoz, prometeu uma linha mais dura contra esse tipo de agressão. No entanto, a Comissão Anti-violência, reunida na última quinta-feira, sequer tratou dos gritos de macacos dos torcedores do Atlético, na rodada anterior, contra o meia camaronês do Levante, Diop, das arquibancadas do estádio Cidade de Valência.

A uma rodada do fim da Serie A, o Torino (56 pontos), o Parma (55 pontos) e o Milan (54) disputam um lugar na Liga Europa da próxima temporada. A Liga dos Campeões terá a campeã Juventus, a Roma e o Napoli; o Livorno, o Catania e o Bologna foram rebaixados.

A partida entre Bologna e Catania foi um funeral. Ganharam os sicilianos (1 a 2) e não serviu para nada. Para os donos da casa, também não. Os dois foram para a Serie B. O Livorno os acompanha, derrotado em seu estádio pela Fiorentina (0 a 1, gol de Cuardado, depois de excelente passe de Giuseppe Rossi, que voltou depois de uma grave lesão no joelho e esta à disposição do técnico da seleção Cesare Prandelli para a Copa do Mundo do Brasil). A Fiorentina assegurou presença na próxima edição da Liga Europa. A Inter, que jogou no sábado contra a Lazio (4 a 1), também estará nessa competição. O Torino e o Parma, que empataram por 1 a 1, disputam a terceira vaga. O Milan precisa de um milagre.

Depois de golear a Sampdoria por 5 x 2, o Napoli completou uma temporada notável, em terceiro lugar, embora o seu treinador, o espanhol Rafae Benítez, ter um desejo para a próxima temporada: "Precisamos melhorar nossa defesa. No ataque, estamos muito bem." Os dois primeiros colocados mediram forças no domingo. Roma e Juventus, no estádio Olímpico de Roma, foi decidido por um gol, nos acréscimos do segundo tempo, do ex-romanista Pablo Osvaldo (0 a 1).