Vai ver os jogos da Copa no Maracanã? Use o transporte público

Prefeitura anuncia reforço do metrô e cerco fechado para que os carros não cheguem ao estádio carioca

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, apresentou hoje o manual de logística da cidade durante a próxima Copa do Mundo de futebol, logo após outra noite de tiroteios em uma das favelas supostamente ‘pacificadas’ pela polícia, a Rocinha, que deixaram um morto e vários feridos. Diante da retomada recente dos distúrbios no Rio, e perguntado sobre a possibilidade de que se reproduzam as manifestações celebradas durante a Copa das Confederações, há um ano, Paes assinalou que o Brasil é “uma democracia consolidada”, onde os cidadãos “têm e terão direito” a realizar protestos nas ruas, mas reforçou que se episódios de violência se repetirem, as forças de segurança “atuarão para reprimi-los”. O mandatário quis lembrar o caso de Santiago Andrade, câmera de televisão morto depois de ser alcançado por um foguete lançado por manifestantes durante um protesto no passado mês de fevereiro no centro da cidade. “Isso é inaceitável”, frisou.

Um dos anúncios contidos no ‘Manual de Procedimentos para Grandes Eventos’ apresentado hoje é a proibição de vender bebidas alcoólicas nas imediações do estádio do Maracanã, onde acontecerão as sete partidas que serão disputadas no Rio, entre elas “a mais importante de todas, a do Brasil na final”, brincou Paes. Segundo o prefeito, a cidade se transformará no “centro nervoso” do campeonato por hospedar (além do estádio símbolo do Brasil) o centro principal da imprensa, a sede provisória da FIFA e dez estúdios de televisão.

Um dos pontos principais do plano apresentado pela prefeitura é o reforço do transporte público, em especial o metrô, como eixo fundamental de deslocação em uma cidade habituada aos congestionamentos, onde deslocar-se diariamente para o trabalho de carro pode levar entre uma hora e uma hora e meia. De fato, o que constitui a principal novidade em comparação com a Copa de Confederações de 2013, é que o acesso ao Maracanã estará fechado para veículos durante os dias em que o estádio acolha os jogos; só será possível acessar o estádio por transporte público. Paes alertou sobre alguns casos de publicidade turística enganosa e advertiu que o acesso ao Maracanã também estará proibido para ônibus privados fretados por agências de viagens. “Há agências de viagens vendendo pacotes que incluem levar os turistas da porta da sua casa até a porta do Maracanã. Isso não vai acontecer”, assegurou o prefeito.

O Rio decretará feriados nos dias em que se celebrem jogos na cidade: nos dias 18 e 25 de junho, quarta-feira (datas de Espanha-Chile e Equador-França, respectivamente), o feriado começará ao meio-dia. Na sexta-feira 4 de julho, data de uma das partidas das quartas de final, o feriado será completo. Os demais jogos caem no sábado ou domingo, incluída o grande final, no dia 13 de julho.

A prefeitura prepara uma edição de roteiros, mapas e brochuras para orientar os 600.000 turistas que (segundo dados do Ministério de Turismo) que devem visitar a cidade durante o torneio, e tem previsto lançar também um aplicativo móvel para fornecer informações básicas sobre a ‘cidade maravilhosa’. Assim mesmo, espera-se que entrem em funcionamento os sistemas de corredor exclusivo para ônibus que estão sendo construídos e que, segundo assegurou Paes, estarão terminados para o Mundial, apesar das queixas pelos notáveis atrasos existentes na maioria de obras previstas para os Jogos Olímpicos de 2016 e algumas instalações da própria Copa do Mundo. Estas linhas reforçarão especialmente os trajetos a partir dos dois aeroportos da cidade, o internacional de Galeão e o Santos Dumont, utilizado para voos internos, até o estádio.

O Fan Fest da FIFA acontecerá na praia de Copacabana nos dias de jogos e terá capacidade para 20.000 pessoas por dia.

Arquivado Em: