A nova Ségolène se chama Najat

A própria Royal considera que hoje não é a primeira-ministra por seu passado comum com o mandatário

Najat Vallud-Belkacem, em janeiro, antes de nomeada a ministra dos direitos das mulheres, urbanismo, juventude e esportes.
Najat Vallud-Belkacem, em janeiro, antes de nomeada a ministra dos direitos das mulheres, urbanismo, juventude e esportes.

A entrada triunfal de Ségolène Royal no novo Governo francês, com seu ex-companheiro François Hollande na presidência da República, deixou inevitável lembrar a particular história deste casal, em que a vida privada marcou a carreira de ambos. A própria Royal considera que hoje não é a primeira-ministra por seu passado comum com o mandatário. À sombra desses elefantes, reunidos por pragmatismo político, outro casal com futuro vai abrindo caminho no seio do Governo francês: a da ministra dos Direitos das Mulheres, Urbanismo, Juventude e Esportes, Najat Vallaud-Belkacem, e seu marido Boris Vallaud, mão direita do todo-poderoso ministro da Economia e Indústria, Arnaud Montebourg.

O porta-voz do Governo nos dois últimos anos e a já então ministra dos Direitos da Mulher, Vallaud-Belkacem se converteu com apenas 36 anos, em uma das políticas mais bem valorizadas da França, em momentos em que os cidadãos mostraram desapego por sua classe política. Não é surpreendente que o novo primeiro-ministro, Manuel Valls, optar em manter no Executivo. Embora tenha perdido a midiática tarefa de ser a voz do Governo —sem dúvida uma libertação e um alívio, embora a interessada não acabe de admitir em público—, viu aumentado seu ministério, em uma amostra de reconhecimento por seu trabalho, incorporando as mencionadas carteiras de Urbanismo, Juventude e Esportes: um superministério de temáticas sociais e transversais.

Totalmente desconhecido para o público, seu marido, Boris Vallaud, de 38 anos e com quem teve gêmeos, Nour e Louis, seguindo por sua vez seu percurso nas rodas do poder. Foi diretor-geral de serviços do conselheiro-geral do departamento de Saône et Loire (Leste da França) quando este estava presidido por Montebourg. Deixou Lyon por Paris em 2013 quando o mesmo Montebourg o nomeou diretor de gabinete, então no Ministério da Indústria. Com a mudança de Governo, em que Montebourg ganha peso ao se mostrar também a pasta de Economia (embora não de Finanças), manteve seu fiel colaborador como mão direita.

Como o casal Royal-Hollande, Vallaud e Belkacem se conheceram nos bancos da faculdade (segundo a Paris Match, na biblioteca do prestigioso Instituto de Estudos Políticos de Paris). Vallaud entrou depois na elitista Escola Nacional de Administração (ENA), por onde passou a metade da classe política. Belkacem ficou muito próximo, mas preparando as provas de acesso conheceu uma pessoa próxima do seu futuro, Caroline Collomb, a esposa do prefeito de Lyon, em cuja equipe iniciou sua carreira política.

Sua história é a de uma mulher feita de si mesma, que nunca aproveita suas etiquetas: mulher, jovem e marroquina

Sua história é a de uma mulher feita a si mesma, que nunca tira proveito de suas etiquetas: mulher, jovem e marroquina.

A história de Vallaud-Belkacem é a de uma mulher feita a si mesma. Sempre evitou tirar proveito de sua tripla etiqueta de mulher, jovem e de origem marroquina, para não se converter em um simples símbolo vazio de conteúdo. Mas embora seu representante de imprensa queixe-se com frequência de que todos os perfis da jovem começam por “nascida no norte do Marrocos”, é impossível não destacar o percurso pessoal desta política, puro produto da meritocracia e da integração por meio da preciosa escola republicana.

Nasceu cerca de Nador, na pequena aldeia de Beni Chicker, em uma família humilde, neta de uma espanhola e de uma argelina e a segunda de sete irmãos. A família emigrou para a França quando ela tinha quatro anos, na periferia de Amiens, no norte do país. O pai trabalhava como operário enquanto a mãe se ocupava dos pequenos. Seus pais, que até há pouco “não podiam votar porque não eram franceses”, são os primeiros em que pensou quando pendurou o telefone naquele dia de maio de 2012 em que Hollande anunciou sua entrada no Governo, segundo relatou ao semanário Le Point.

Licenciada também em Direito, exerceu três anos como jurista em um despacho parisiense. Se afiliou ao partido socialista depois do terremoto político de 21 de abril de 2002, naquele que passou a ser o segundo turno das eleições presidenciais o candidato da extrema direita Jean-Marie Le Pen, em detrimento do socialista Lionel Jospin. Iniciou então sua carreira política na prefeitura de Lyon. O salto à areia nacional deu-o da mão da mesma Royal, que fez dela uma de seus porta-vozes durante sua campanha presidencial em 2007 —junto ao então desconhecido Montebourg—, que perdeu em frente a Sarkozy. Cinco anos depois, Hollande fez dela seu porta-voz, primeiro de campanha e depois de Governo.

Embora o papel na sombra de Boris Vallaud, reservado e pouco dado a aparecer em público, faz difícil calibrar sua ambição e potencial percurso, Vallaud-Belkacem é sem dúvida uma das grandes esperanças do decaído partido socialista. Desde suas primeiras intervenções, a exportavoz ganhou galões e segurança e saiu airosa da difícil tarefa de dar a cara por um Governo em queda livre nas sondagens. Como ministra, tem legislado pela penalização dos clientes de prostituição e promoveu uma das grandes leis sociais do Executivo, a de Igualdade, que inclui a ampliação do direito ao aborto. Não é casualidade que em seu número futurista especial, datado em 2053 e publicado no passado mês de novembro, o diário Libération a imaginasse no mais alto posto da hierarquia política: presidenta da República.