Seleccione Edição
Login
Santander
FÓRMULA 1 | GRANDE PRÊMIO DE BAHREIN

Rosberg consegue a ‘pole ’

A Mercedes, com Hamilton em segundo, ocupa a primeira linha, enquanto Alonso sairá em nono, superado por Raikkonen

Nico Rosberg, no circuito de Bahrein. Ampliar foto
Nico Rosberg, no circuito de Bahrein. REUTERS

O domínio da Mercedes é absoluto neste início de campeonato. Se no ano passado a Red Bull tinha o melhor carro, desta vez os propulsores de marca alemã estão arrasando nas primeiras linhas. Nenhum outro motor é tão potente e confiável como o da estrela prateada. E isso permitiu a seus pilotos conseguir o melhor tempo nas três classificações. Hamilton conseguiu a primeira posição na Austrália e a segunda na Malásia. Nico Rosberg ficou na terceira em Bahrein e partirá na primeira posição na corrida de amanhã, com seu colega de equipe, Hamilton, compartilhando a primeira linha de partida.

A superioridade dos motores Mercedes se fez patente, porque sete dos 10 primeiros carros de corrida do ranking têm este motor. Só um Renault, o de Ricciardo, que conquistou o terceiro lugar a nove décimas de Rosberg, e os dois Ferrari estiveram entre os eleitos. No entanto, o piloto australiano sairá em 13º, pela multa de 10 voltas que ele levou na Malásia como consequência do incidente que sofreu no pit stop. O primeiro carro italiano ocupou a sexta posição, a 1,2 segundo do líder, e foi Raikkonen que, pela primeira vez, conseguiu superar seu colega de equipe, o espanhol Fernando Alonso, em décimo, a 1,8 segundo de Rosberg. No entanto, a diferença é tão substancial que é difícil imaginar que na corrida as coisas possam melhorar para eles. Bottas e Pérez estiveram também na frente de Raikkonen. Por conseguinte, Raikkonen sairá em quinto e Alonso, em nono.

“Tivemos problemas com a potência do motor. Ia devagar nas retas. Ilógico. Mas tentaremos melhorar para a corrida. Sairei em nono e tentarei fazer uma boa saída, embora a corrida será difícil para nós. As pessoas que estão na frente, vão muito rápido. E atrás, há vários pilotos que empurrarão com força”, assinalou Alonso. “O carro é o mesmo há três corridas. Esperemos que algo melhore na China, onde incorporaremos melhorias”.

Fernando Alonso, durante a classificação. ampliar foto
Fernando Alonso, durante a classificação. AFP

A grande surpresa da classificação foi, no entanto, a eliminação do campeão mundial, Sebastian Vettel, no segundo turno. O piloto alemão da Red Bull, que partirá em 10º -pela multa a Ricciardo-, sofreu um problema no último treino livre da manhã e perdeu 20 minutos da sessão. Parecia que não se tratava de um problema grave, porque saiu com toda normalidade no primeiro turno da classificação. Não obstante, seu carro não ofereceu o rendimento esperado no segundo turno, ao que parece por um problema na caixa de câmbio. Vettel esperou até os últimos minutos para pular para a pista. E então não conseguiu o tempo necessário para passar ao terceiro turno. “O carro tem potencial e funcionará melhor na corrida”, assinalou o alemão. “Sofri um problema no câmbio e não pude dar o melhor de mim mesmo”.

A ausência de Vettel entre os 10 últimos foi mais dura para o alemão, porque seu colega de equipe não só entrou no grupo dos eleitos, mas também fez o terceiro melhor tempo do segundo turno. Ricciardo foi o único motor Renault que ficou entre os 10 últimos. O resto foram todos Mercedes, o melhor propulsor da temporada, ou a Ferrari. Por isso surpreendeu também a eliminação de Nico Hulkenberg (Force Índia), que partirá em 11º.