María Corina Machado | Líder da oposição venezuelana

“Este movimento cidadão é irreversível”

María Corina Machado, líder da oposição venezuelana, afirma em entrevista ao EL PAÍS que os protestos não cessarão

Machado entre seus eleitores, no dia 26 de março.
Machado entre seus eleitores, no dia 26 de março. JORGE SILVA (REUTERS)

Desde que María Cortina Machado (Caracas, 7 de outubro de 1976) voltou na quarta-feira a Caracas nada é o mesmo. A prisão de seu companheiro Leopoldo López e a ameaça de prendê-la provocou em todo o país opositor uma fervura como nunca ocorreu antes. Nascida no seio de uma família bem de vida, na qual o chavismo está localizado dentro de seus inimigos de classe, a deputada independente ganhou a aversão eterna do Governo pelas suas posições de oposição. Não fala de governo, mas do regime, não se refere ao presidente Maduro, mas ao senhor Maduro. É a mesma irreverência e ousadia que não são uma pose mas uma marca de fábrica. Hoje ninguém é indiferente a ela.

P: A onda de agitação deixou 36 mortos e mais de 1.000 detidos desde fevereiro. Ainda se poderia somar à detenção de Leopoldo López seu possível encarceramento. Arrepende-se de algo?

R: Isso é muito mais que uma onda de protestos. Aqui se produziu um movimento cívico sem precedentes na nossa história. Em primeiro lugar, não se concentra em uma única região. Em segundo lugar, é um movimento que integra todos os setores da sociedade. Em terceiro lugar, este movimento adquiriu um nível existencial. Trata-se de uma luta para recuperar a dignidade humana.

P: A partir da visita da missão da União Sul-americana de Nações parecia que estão abrindo espaços para o diálogo entre o governo e um setor da oposição. Se essa via for possibilitada é algo que poderia desativar o protesto na rua? Ou é algo que você também apoia?

R: O diálogo é essencial em um sistema democrático, mas na Venezuela há uma ditadura que, escondida em formas democráticas, cada vez que sentia que a sociedade elevava a voz de suas demandas convocava à paz e ao diálogo. Uma vez que conseguiam acordos que desmontavam a tensão, esquecia do acordado e avançava no seu projeto. Com estes precedentes nossa posição é muito firme. Não permitiremos que o chamado ao diálogo seja um engano, uma nova traição que desmobilize o protesto para que o regime ganhe tempo e recupere sua legitimidade internacional. Por isso, o diálogo deve conduzir a uma transição democrática que inclua profundas reformas políticas que envolvam a restituição da Constituição e dos direitos humanos na Venezuela. Por isso, temos exigido uma série de ações antes de instalar o diálogo: o fim imediato da repressão por parte dos grupos criminosos e da Guarda Nacional; justiça; a liberação de todos os presos políticos, a restituição de seus cargos de prefeitos, e uma lei de anistia que permita o regresso de todos os exilados e perseguidos.

P: Agora enfrenta o momento crítico de perder seu lugar na Assembleia Nacional. Não planejou esta consequência? O que vai fazer para restituir sua posição na AN?

R: A Constituição é muito clara a respeito das causas que determinariam o fim do foro parlamentar. Nenhuma dessas condições pode ser aplicada no meu caso. O senhor Diosdado Cabello [presidente da Assembleia Nacional] não tem qualquer autoridade para me destituir.

P: Cabello disse que não vai deixá-la entrar

R: Cabello cometeu todo tipo de desaforos. Eu reitero. Sou deputada. Exercerei minha função dentro e fora da Venezuela. Fui à OEA como parlamentar para que a cúpula desse organismo escute a voz do povo reprimido, mas a decisão de fazer uma audiência privada, mais a eliminação do ponto da Venezuela na agenda, determinou que eu assumiria acidentalmente a representação alternativa do Panamá para poder falar. Assim consta em uma carta firmada pelo próprio secretário geral do órgão José Maria Insulza.

P: Você sempre disse que é impossível derrotar o regime mediante eleições. Era necessário tudo isso que ocorreu para revelar para a comunidade internacional o aspecto repressivo do Governo? Por que não esperar que sejam cumpridas as irregularidades previstas pela Constituição para convocar eleições?

R: Acreditamos nas eleições para definir o futuro. Mas isso tem que ser acompanhado por uma grande mobilização cidadã que faça retroceder a um regime que tem todas as instituições cooptadas. Pensemos no que foi conquistado nestas semanas de luta. Pensemos na Venezuela de final de janeiro e a de final de março. Um país que desde fora se via aterrorizado e resignado e sem força em contraposição a uma Venezuela que despertou e que derrubou a máscara democrática do Governo.

P: Essa é a parte épica, mas são 36 mortos e mais de 1.000 detidos...

R: Na Venezuela o esgoto está aberto. No ano passado assassinaram 25 mil pessoas. Como estamos falando de 36 mortos se na Venezuela todos os dias assassinam 60 pessoas?

P: Mas se alguém te dissesse que para sair de um regime que você caracteriza como pervertido são necessários vários mortos, você compraria esse argumento?

R: É moral e eticamente inaceitável afirmar que a perda de uma vida é justificável para qualquer coisa. A morte é culpa da repressão. O protesto pacífico é um direito do cidadão. Quando uma sociedade se asfixia tem duas opções: ou claudica ou luta. O povo da Venezuela optou pela segunda. Isso é o que tem admirado o mundo inteiro. Este movimento cidadão é irreversível.