OTAN escolhe novo secretário-geral em meio ao conflito com a Rússia

O antigo primeiro-ministro da Noruega Jens Stoltenberg substituirá o dinamarquês Rasmussen no comando da Aliança do Atlântico

Jens Stoltenberg, que foi primeiro-ministro norueguês, em junho passado.
Jens Stoltenberg, que foi primeiro-ministro norueguês, em junho passado.AP

Em meio ao estremecimento causado pela ameaça russa, os países membros da OTAN conseguiram entrar em acordo para nomear o novo secretário-geral da organização. O antigo primeiro-ministro norueguês Jens Stoltenberg substituirá o dinamarquês Anders Fogh Rasmussen no próximo mês de outubro, segundo informou a Aliança do Atlântico em um breve comunicado.

Stoltenberg ocupou o cargo de primeiro-ministro na Noruega de 2005 até setembro passado (já desempenhou essa função em um breve período entre 2000 e 2001). Para suceder a Rasmussen, este trabalhista de 55 anos recebeu o apoio primordial dos Estados Unidos, Alemanha e do Reino Unido. Todos os demais países também respaldaram a sua eleição, formalizada hoje pelo Conselho do Atlântico Norte.

A nomeação de Stoltenberg, que não tomará posse até próximo dia primeiro de outubro, ocorre em um momento de mudança na OTAN. Depois de muitos anos centrada em missões exteriores, como a do Afeganistão (e, em muita menor medida, na Líbia em 2011), a organização volta a se ocupar das ameaças que pairam sobre alguns de seus países membros. A anexão da Crimeia à Rússia acendeu todos os alarmes dos aliados e está obrigando a propor uma série de medidas desconhecidas há muito tempo.

Durante seu mandato, iniciado em 2009, Rasmussen se caraterizou por uma retórica e por medidas muito moderadas, que só nas últimas semanas, desde a russificação da Crimeia, começaram a se intensificar. Depois do fim da Guerra dos Bálcãs, na qual a OTAN interveio decisivamente, esta organização adquiriu um perfil bem mais discreto, que coincidiu com uma etapa de fortes cortes orçamentários na área de defesa. A missão no Afeganistão, que foi encerrada neste ano, ficará como principal legado de Rasmussen na cúpula da organização.

A incógnita sobre o sucessor manteve-se o tempo suficiente para que Rasmussen, de 61 anos, recebesse nesta semana pela primeira vez uma visita em Bruxelas do presidente norte-americano, Barack Obama. Pouco antes dessa reunião, celebrada na passada quarta-feira, Obama aproveitou para elogiar o trabalho do presidente dinamarquês (também antigo primeiro-ministro de seu país) na Aliança do Atântico.

Por suas responsabilidades políticas anteriores e sua procedência nórdica, Stoltenberg apresenta um perfil muito similar ao de Rasmussen, embora procedam de distintos ramos políticos (o próximo secretário-geral, dos trabalhistas noruegueses e o atual, dos liberais). Com a presença de um norueguês, o comando da organização recai desta vez sobre um europeu alheio à União Europeia.

Dentro desta nova etapa de confrontação com a Rússia, a OTAN tem um encontro marcado na próxima semana, com a reunião dos ministros de Assuntos Exteriores dos países aliados, que devem decidir as medidas a ser adotadas para enfrentar esse desafio. Entre elas, o envio de tropas ao leste do continente para fazer frente a qualquer movimento inesperado por parte da Rússia.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: