Forças russas elevam a pressão sobre bases militares ucranianas na Crimeia

Centenas de manifestantes pró-russos sem armas invadiram a base de Novofedorivka Tropas russas rodeiam e exigem a rendição de militares de Belbek

Militares russos cercaram neste sábado a base aérea ucraniana de Belbek, na Ucrânia, e exigiram a rendição de seus ocupantes no prazo de uma hora, segundo informado ao comandante da base, Oleg Podovalov.

"As tropas russas que estão em nosso aeródromo nos deram uma hora para nos render ou, caso contrário, iniciarão a invasão. Não nós vamos a lado nenhum. Veremos em que consiste a invasão", afirmou Podovalov à agência de notícias Reuters.

A base de Belbek, perto de Sebastopol, é uma das poucas instalações militares ucranianas que ainda ficam na região da Crimeia após que esta votasse em referendo sua adesão à Federação Russa.

Por outro lado, a France Presse informa que várias centenas de manifestantes pró-rusos sem armas invadiram e tomaram o controle da base militar ucraniana de Novofedorivka, no oeste da Crimeia. As forças ucranianas optaram por fechar alguns edifícios da base, enquanto forças militares russas observavam desde o exterior os acontecimentos.

Forças russas tomaram neste sábado o único submarino da Marinha ucraniana, o 'Zaporizhzhia', em águas da baía de Striletska, nas proximidades de Sebastopol, segundo informou a agência de notícias ucraniana UNN.

O submarino foi rodeado por navios russos e atacado com granadas, o que provocou a fuga de parte da tripulação, incluindo seu comandante. Os demais militares ucranianos decidiram continuar no submarino e servir agora às autoridades russas, segundo relataram os próprios soldados em declarações a UNN.

O 'Zaporizhzhia' passará a fazer parte da divisão de submarinos da frota do mar Negro russa e já tem uma bandeira  com a cruz de San Andrés em azul sobre fundo branco, pavilhão da Armada russa.

O ministério de Defesa russo assegurou hoje que 54 dos 67 barcos da Armada ucraniana ancorados na Crimeia mudaram de lado e estão sob o comando das forças navais russas, entre eles oito navios de guerra e um submarino.

"No dia 21 de março deste ano, dos mais de 18.000 militares das Forças Armadas da Ucrânia instalados no território da República da Crimeia, menos de 2.000 manifestaram seu desejo de ser transferido para o território (continental) da Ucrânia", segundo um comunicado do governo russo.