Análise
Exposição educativa de ideias, suposições ou hipóteses, baseada em fatos comprovados (que não precisam ser estritamente atualidades) referidos no texto. Se excluem os juízos de valor e o texto se aproxima a um artigo de opinião, sem julgar ou fazer previsões, simplesmente formulando hipóteses, dando explicações justificadas e reunindo vários dados

A perseguição penal a Leopoldo López

Em um Estado de direito, a liberdade de López deveria estar garantida pelo mero fato de que nem o Governo nem o Ministério Público apresentaram provas que o vinculem a um delito

Enquanto chanceleres latino-americanos se reúnem no Chile nesta semana para tratar da situação na Venezuela, um dos líderes mais proeminentes da oposição política venezuelana se encontra detido em uma prisão militar e esperando que uma juíza provisória (sem irremovibilidade no cargo) decida se será submetido a julgamento, sem que até agora tenha sido exibida uma só prova válida contra ele.

A violência desencadeada como resultado das manifestações de estudantes e opositores desde 12 de fevereiro na Venezuela já deixou como saldo mais de 20 mortos, dezenas de feridos, centenas de detidos e sérias denúncias de brutalidade, torturas e abusos cometidos pelas forças de segurança. O Estado, além disso, tolerou e colaborou com grupos civis armados que apoiam o Governo. O Ministério Público, a contragosto – e graças a vídeos e à pressão da opinião pública –, deu alguns passos para investigar as verdadeiras responsabilidades nestes fatos. Entretanto, continua avançando com velocidade notável para responsabilizar penalmente a oposição política pela violência.

Altas autoridades do Governo venezuelano sustentaram que Leopoldo López, dirigente do Vontade Popular, foi o “autor intelectual” da violência, e o Ministério Público solicitou sua detenção, acusando-o de tudo: violência, distúrbios, mortes e lesões corporais. Depois acusou também Carlos Vecchio, que acompanha López na direção do Vontade Popular, e outros dois membros da oposição de crimes similares, invocando teorias conspiratórias em vez de apresentar provas que os incriminem.

É relativamente fácil para o Governo venezuelano utilizar o sistema judicial como um instrumento político, desde que, em 2004, o chavismo depurou o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) e nomeou juízes afins para o mais alto tribunal. Desde então, o Poder Judiciário deixou de atuar efetivamente como um poder independente do Governo. Através da Comissão Judicial do TSJ, que conta com a faculdade de nomear e remover juízes inferiores provisórios e temporários – que são hoje a maioria dos juízes no país –, essa politização da Justiça se propagou para o resto do Poder Judiciário.

Em 18 de fevereiro, López se entregou às autoridades e desde então se encontra detido na prisão militar de Ramo Verde, onde tem contato apenas com familiares próximos e seus advogados, e sai da sua cela somente quando é possível que tome ar sem ter contato com outros presos.

Perante a contundente evidência divulgada pelo jornal venezuelano Últimas Noticias, que sugeria que agentes fardados junto com civis armados foram os autores de uma das mortes ocorridas em 12 de fevereiro, o próprio Ministério Público precisou recuar e arquivar as acusações de homicídio inicialmente imputadas a López. Entretanto, López continua sujeito a investigação por vários delitos, incluído o de formação de quadrilha, que tem pena de até 10 anos. É muito improvável que López seja liberado brevemente. Legalmente, pode permanecer detido preventivamente por até 45 dias, quando então o Ministério Público deveria acusá-lo, arquivar o caso ou inocentá-lo, mas na prática esses prazos rotineiramente não são respeitados na Venezuela.

Em um Estado de direito, a liberdade de López deveria estar garantida se as autoridades nnao apresentam provas de crime. Entretanto, na Venezuela é muito difícil para um juiz ditar uma sentença contrária ao Governo.

Em um país onde o poder judicial carece de independência, o futuro de Leopoldo López está nas mãos de uma juíza que poderia ser removida por um telegrama, sem receber nenhuma explicação, como já ocorreu rotineiramente no passado. A decisão sobre o futuro da juíza, por sua vez, está nas mãos de magistrados do TSJ, um órgão que habitualmente avaliza políticas do Governo venezuelano.

A reunião da OEA na semana passada, realizada a portas fechadas, terminou com uma declaração que parece descrevera situação na Venezuela como se fosse uma catástrofe natural, em vez de responsabilizar o Governo venezuelano por violações dos direitos humanos como a censura e a brutalidade das forças de segurança. Haverá alguma possibilidade de que a reunião de Santiago leve a um resultado distinto, exigindo que a Venezuela assuma suas obrigações jurídicas internacionais de respeitar os direitos humanos? Especificamente, irá se exigir desta vez que cessem os abusos contra os manifestantes detidos e ocorra a libertação e o respeito das garantias do devido processo dos que foram detidos arbitrariamente, como Leopoldo López?

Jose Miguel Vivanco, é diretor para as Américas da Human Rights Watch

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: