Premiê da Ucrânia diz que o país nunca será uma filial da Rússia

O primeiro-ministro Arseni Yatseniuk pede a Moscou que não apoie “terroristas e separatistas” e assegura que ninguém “no mundo civilizado” reconhecerá a “decisão ilegal” da Crimeia

O premiê ucraniano, Arseni Yatseniuk, durante entrevista coletiva em Kiev.
O premiê ucraniano, Arseni Yatseniuk, durante entrevista coletiva em Kiev.POOL / REUTERS

O primeiro-ministro ucraniano, Arseni Yatseniuk, denunciou nesta sexta-feira na sede do Governo a “decisão ilegal” tomada ontem pelo Parlamento da Crimeia, ao votar a favor de sua união com a Rússia. “Nenhuma decisão dos separatistas será reconhecida pelo mundo civilizado”, afirmou, de forma solene, ante dezenas de jornalistas. O dirigente disse sentir “a unidade em torno da Ucrânia e o respaldo” da Europa ao país frente a Moscou. Yatseniuk mostrou-se aberto ao diálogo com a Rússia, mas “com condições". Para que isso ocorra, o Kremlin "deve retirar seu Exército do território ucraniano, deve deixar de apoiar os separatistas e terroristas e entender que nunca estaremos subordinados a ele, que nunca seremos uma filial da Rússia”, advertiu.

Yatseniuk regressou de sua viagem a Bruxelas –para onde seguiu convidado para a cúpula de chefes de Estado e de Governo dos 28 Estados-membros da União Europeia– na quinta-feira, com um prazo para assinar a parte política do acordo de associação entre a UE e a Ucrânia –“Angela Merkel me disse que é questão de semanas”, disse. Embora seja menos comprometida para Bruxelas, Yatseniuk celebrou esse passo e afirmou que a Ucrânia caminha para o bloco europeu.

O premiê também trouxe a Kiev promessas para direcionar a economia ucraniana em crise, à beira da quebra e necessitada de um resgate. “A UE tomou a decisão unilateral de abrir seu mercado aos produtos agrícolas ucranianos. Só falta assinarmos. Esperamos que isso tenha um efeito positivo e aumente as exportações, com um acréscimo para a economia de 400 milhões de dólares em um ano”. Sobre a abertura do mercado ucraniano à Europa, explicou que vai realizar mais consultas para avaliar os riscos. A Ucrânia deveria ter assinado o acordo de livre comércio com a UE em 28 de novembro na cúpula de Vilna, na Lituânia, mas no último momento o então presidente ucraniano, Viktor Yanukovich, se retratou e decidiu não assinar, o que incendiou os protestos que duraram três meses.

Além disso, Yatseniuk assegurou que há “claras perspectivas de que a UE cancele a petição de vistos para os ucranianos” que viajem à Europa, embora não tenha concretizado uma data.

Um grupo de especialistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) está desde a segunda-feira em Kiev para avaliar as necessidades econômicas do país, que as novas autoridades tinham avaliado em 35 bilhões de dólares. O diretor do Departamento Europeu do FMI, Reza Moghadam, disse nesta sexta-feira em um comunicado que estava “impressionado” com a “determinação das autoridades, o sentido de responsabilidade e o compromisso com uma agenda de reformas econômicas e a transparência”, depois de sua visita a Kiev na quinta e na sexta-feira. Yatseniuk pediu na semana passada um resgate urgente ao organismo internacional para evitar a bancarrota, e anunciou que estava disposto a aplicar as medidas de austeridade que a mudança exigisse.

Como complemento, a União Europeia anunciou na quarta-feira que vai liberar um pacote de 11 bilhões de euros de ajuda à Ucrânia, que se somam ao 1 bilhão de dólares (730 milhões de euros) prometido pelos Estados Unidos.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50